Depth Of Knowledge (DOK) de Webb, Cynefin do Snowden e Flow do Mihali

Pensando nos níveis de DOK (Depth of Knowledge), profundidade do conhecimento de Norman Webb, no planejamento de aulas, segundo a complexidade de pensamento necessário para exercícios.

Os níveis fazem lembrar muito o modelo CYNEFIN (Dave Snowden) em seus quadrantes de óbvio (simples), complicado, complexo e caótico. Esta ilação pode ajudar muito no seu aproveitamento.

A aplicabilidade proposta por Webb também nos remete ao modelo de Flow do Mihali, pois a falta de equilíbrio consciente entre os níveis pode gerar desde desinteresse a stress ou exaustão.

Nível 1 – RECALL – lembrar, copiar, calcular, definir e reconhecer

Relembrar e reproduzir, tarefas deste nível requerem aplicação mecânica de conceitos simples, não exige esforço, só relembrar algo memorizado, uma resposta ou fórmula.

Nível 2 – SKILLS AND CONCEPTS – comparar, organizar, resumir, prever e estimar

Habilidades e conceitos, neste nível o aluno deve tomar algumas decisões sobre sua resposta, exigindo para isso de mais de uma etapa mental para cumprir uma tarefa.

Nível 3 – STRATEGIC THINKING – resolver, projetar ou analisar algo incomum

Pensamento estratégico é o nível da complexidade, exigindo planejamento e evidências, menos óbvio, mais abstrato. Pode ter várias opções válidas e é preciso justificar a escolha.

Nível 4 – EXTENDED THINKING – Projetar uma pesquisa e interpretar seus resultados

Pensamento estendido requer certo esforço cognitivo, como a síntese de múltiplas fontes por algum tempo, podendo utilizar um conhecimento para resolver problemas de outro dominio.

O ponto é manter um equilíbrio para manter a atenção e interesse, mas não há uma ordem ou sequência de uso dos níveis de DOK. Além disso, eles não representam algum perfil de desenvolvimento, os quatro níveis podem ser usados em aula para qualquer idade e conteúdo.

Finalmente, o que é ou não equilíbrio diz respeito a todo o contexto da aula a ser ministrada, podemos querer mantê-la em um nível maior de atenção, menor e mais simples, alternando conteúdo e exercícios que gerem interesse e representem um desafio no nível apropriado aos objetivos.

Analogia com CYNEFIN

Pelo tanto que conheço e uso o modelo CYNEFIN para tantos enquadramentos e argumentações, fracionamentos e percepções, realmente ler sobre o modelo DOK de Webb fez com que eu percebesse que mesmo sem conhecer a teoria, aplicamos este mindset e ao conhecê-la podemos nos aprimorar.

  • Nível 1, Recall ~ Obvious (one best practice)
  • Nível 2, Skills ~ Complicated (many good practices)
  • Nível 3, Strategic ~Complex (emergent practice)
  • Nível 4, Extended – Chaotic (novel practice)

Analogia com FLOW em aula

Assim como a teoria do fluxo (Flow) de Mihali Csikszentmihalyi, Norman Webb sugere que em sala de aula haja um equilíbrio entre estes níveis, de forma a não haver perda de interesse, nem exaustão. Ao enquadrar os exercícios e trabalhos em cada nível, podemos manter o interesse e engajamento.

A proposta de Webb no DOK tem contato quando pensamos em uma sala de aula instigante na medida certa, mesclando diferentes tipos de dinâmicas e desafios com níveis variados de profundidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s