Por onde começar a transformar uma empresa tradicional e cartesiana

Algumas vezes ao mês recebo contatos de pessoas Brasil afora que perguntam “não sou de TI, vi um post teu, já conhecia algo sobre transformação e agilidade, mas por onde começar se a empresa é comando-controle?”.

Sempre podemos contratar uma consultoria, mas há diferentes formas auto-organizadas de se preparar para uma reunião com lideranças para oferecer uma visão de cenários de transformação organizacional.

PARCEIROS DE VIAGEM

O primeiro passo é conversar com colegas e pares, um grupo disposto a experimentar. Assim, não estaremos nunca sozinhos na empreitada, é a força do coletivo

Vais precisar de parceiros nesta empreitada, isto é a base do agile, o coletivo. Conversa com teus pares, colegas, gestor, hoje em dia este assunto está na pauta de muita gente e vais descobrir que terás parceiros e talvez colegas já com algum conhecimento ou experiência. O pessoal que fez recentemente graduação ou especialização talvez até já tenha uma boa base teórica e conceitual.

No século XX tínhamos a cultura do herói, onde o protagonismo individual era reconhecido e destacava aquele profissional que seria elogiado como agente de transformação. No século XXI, temos o princípio coletivo de transformação, é menos barulhento, mas muito mais efetivo, é a aplicação do modelo SECI da gestão do conhecimento ou do modelo Dual de John Kotter.

CHAPTERS & GUILDAS

Organizações que aprendem – Podem decidir por formar um grupo de estudos em algum dos muito formatos conhecidos, de forma a estabelecer um substrato conceitual compartilhado:

Guilda é o nome dado pelo modelo proposto pelo Kniberg na Spotify a grupos que se formam com o objetivo de estudar um tema que pode não ter aplicação imediata, mas será útil caso tenhamos mais e mais pessoas com domínio sobre ele. Pode ser algo de cunho geral ou específico, em comum acordo entre seus participantes, que estudarão e debaterão o tema em grupo para alinhamento ou aprofundamento.

Chapters no Spotify ou CoP (Comunidades de Prática) é quando um conjunto de profissionais de um papel, função, cargo ou foco se reúnem para juntos se desenvolverem. Neste caso, compartilham uns com os outros seus conhecimentos, estudam novos temas e buscam encontrar soluções para os problemas ou opções de práticas para novas ideias de atuação, métodos, técnicas ou boas práticas.

EVENTOS INTRA OU INTER

A promoção por empresas de eventos intra ou inter-organizacionais geram muita energia e incentivam a galera a seguir em frente de diferentes formas, melhorando, transformando.

As empresas perceberam a oportunidade de acelerar seus processos de melhoria e transformação através de eventos – internos ou externos, intra ou inter-organizacionais, locais, regionais, nacionais ou internacionais. Com a pandemia e a potencialização de lives, talks e workshops remotos com pessoas de qualquer lugar do mundo isto se exponencializou a níveis incríveis.

Realizar um evento interno, mesclando cases ou palestrantes internos e externos, quer oportunizando trazer pessoas para compartilhar experiências em empresas do mesmo segmento, talvez proporcionando uma lightning talk de uma pessoas de referência naquela área de conhecimento. Mais, cada empresa batiza e valoriza estes eventos, tipo terceira terça, quarta do conhecimento, XXXXX Agile Day, …

CURSO & PILOTO

Desconheço situação em que, com a força do coletivo e precedido de um movimento de gestão do conhecimento, receba um não para uma proposta de PILOTO ou experimento.

A opção mais factível como primeiro passo é um PILOTO, negociar a realização de um piloto assusta menos, é dizer que não queremos revolucionar, mas primeiro validar uma nova abordagem em nosso contexto, cultura, complexidade, pessoas, … normalmente um piloto é a porta de entrada, gera resultados, feedbacks, fatos, etc. Para fazer o piloto, é importante fazer um curso de alinhamento para todos.

Lembrando que precisamos ser ambidestros ou caórdicos, um piloto ou experimento não coloca em risco as entregas de hoje, mas garante a transformação para entregas futuras. Tem muito a ver com transformação pelos três horizontes da McKinsey ou com o modelo Effectuation da Profª Saras Sarasvathy, dando pequenos passos, gerando resultados com baixo risco e baixo acoplamento.

NEWSLETTER & BLOG

Gerar conteúdo é uma boa forma de aprender e compartilhar temas que desejamos fomentar, seguindo a pirâmide de Glasser e a maiêutica Socrática, não propondo ou impondo, mas instigando:

É uma espécie de engenharia reversa, compartilhar conhecimento e cases de forma a induzir ou fazer as pessoas perceberem por si o valor e oportunidades que você já percebeu. É fácil encontrar bancos, indústrias, serviços, tecnologia, varejo, hospitais, … que estão experimentando e compartilhando seus aprendizados nas redes e que são convergentes a transformação ou mudanças que desejamos.

Nem toda empresa possui universidade corporativa ou contrato com plataformas de ensino, mas fazer uma pesquisa no Google proporciona desde o primeiro momento uma percepção de valor de conteúdos disponíveis. Crie na intranet um repositório de material e links categorizados, edite uma newsletter compartilhando com os colegas metodologias, cases, princípios, instigando mais gente a estudar e querer aplicar …

EVENTOS, COMUNIDADES, ECOSSISTEMAS

Um bom ponto de partida individual é participar de eventos da comunidade ágil para aprender e ampliar seu networking e domínio sobre o assunto para argumentação:

Na plataforma sympla, por exemplo, tem pagos e gratuitos, gerados a partir de diferentes protagonistas – https://www.sympla.com.br/eventos?s=scrum&tab=eventos – https://www.sympla.com.br/eventos?s=kanban&tab=eventos – https://www.sympla.com.br/eventos?s=agile&tab=eventos – …

Na plataforma meetup, por exemplo, tem mais – https://www.meetup.com/pt-BR/find/?keywords=scrum&source=EVENTS – https://www.meetup.com/pt-BR/find/?keywords=kanban&source=EVENTS – ou podes restringir por local – https://www.meetup.com/pt-BR/find/?keywords=agile&source=EVENTS&location=br–Porto%20Alegre

Tem um grande número de eventos, canais de vídeo, lives, coletivos, podcasts, workshops, além, é claro, de várias consultorias que promovem treinamentos, certificações e consultoria para quase tudo, a lista é bem grande, como a Adaptworks, K21, Massimus, HiFlex, …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s