Tecnologia e empirismo

Não existe roteiro garantido no universo startup, se seguirmos ou pervertermos todos os aconselhamentos do Steve Blank ou Eric Ries para se ter sucesso … mesmo assim não há garantias. Quero dizer que há sempre um viés de disrupção ou de contexto, que indica o melhor caminho, a única cláusula pétria é fazê-lo em ciclos curtos e validar o mais relevante o mais breve possível.

Já vi startups nadarem contra a maré, todas as bancas e investidores dizendo que não ia dar certo, que estavam no caminho errado, mas após decidirem fazer mesmo assim, conseguirem dinheiro em banco e contratar diretamente na China injetado e placas, faturarem milhões no primeiro ano e acabarem em grandes canais como a Polishop.

UM UNIVERSO DE POSSIBILIDADES

A velocidade da liberação de novas tecnologias segue uma curva muito mais aceleradas que Moore, presidente da Intel que em 1965, afirmou sobre o poder médio de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses. Quem disse foi o presidente da maior empresa de bolachas do mundo, aquelas finas fatias de cristal de silício usado para fazer microchips.

Novas linguagem, frameworks, bibliotecas, plugins, abordagens, aceleradores, surgem a cada instante, uma startup de matriz tecnológica tem a responsabilidade de usar sua rede para buscar usar aquilo que lhe é mais conveniente, útil e com melhor ROI possível a cada passo. É premissa olhar para o mundo e escolher aquilo que provavelmente mais vai agregar valor em sua caminhada.

devops - guia incrível -

LINGUAGENS

O Python é a 3° linguagem de programação mais popular, atrás do Java e C, apesar do JavaScript manter-se há 7 anos em 1° lugar como linguagem mais usada e o Python estar crescendo.

  • Python – A IEEE diz que é uma das melhores multiuso;
  • Kotlin – Versátil, sinergica ao Java para Apps Android;
  • Java – As organizações apostam nele há 20 anos;
  • C# – Microsoft, continua sendo uma opção robusta;
  • JavaScript – Campeã no front, apesar de ter recursos para back;
  • TypeScript – Microsoft, cresce rápido, sinergica ao Javascript;
  • Go – Recente, crescendo rápido e compete com as grandes;
  • Swift – iOS e MacOS da Apple, na linha do Python e Ruby;
  • Python – Versatilidade com Django, Flask, Pyramid, etc;
  • Blockly – Programação visual om blocos proposto pelo Google.
  • Unity 3D – É a mais famosas e poderosas game engine disponível atualmente. A game engine é o programa de computador utilizado na confecção dos jogos digitais. É na game engine que unimos arquivos de áudio, imagens e modelos 3D para criar os diversos cenários e ambientes do jogo. Podem ser o Boo, JavaScript e o C#, mas há complementos para a criação de jogos em Unity onde a programação é feita de forma visual (sem uma linha de código), conectando eventos em uma espécie de fluxograma.

RADAR

Algumas empresas de tecnologia e consultorias publicam uma visão anual sobre situação e tendências, chamadas de Tech Radar. O Gartner por exemplo tem seus quadrantes mágicos, apontando em cada área quais são os inovadores, disruptivos, cruzando com garantias e confiabilidade das soluções. Um case de sucesso é o Tech Radar da Thoughtworks, atualizado a cada ano:

https://www.thoughtworks.com/pt/insights/blog/build-your-own-technology-radar

Lembrando que um tacape já foi uma avançada tecnologia de guerra em algum momento, compartilho aqui o link do Deloitte Agile Tube Map, uma espécie de Agile Subway Map oferecido pela Deloitte, admirado por alguns e criticado por outros, mas que oferece uma ideia do mar de oportunidades quando falamos não só de tecnologia enquanto software, mas metodologia, técnicas e boas práticas:

https://medium.com/tech-sojourna/7-things-wrong-with-deloittes-agile-tube-map-641192e20068

REUSO

Se tiver que decidir refazer melhor ou usar algo não ideal mas pronto para validar, vale a reflexão, mas em 95% dos casos … reuse! Afinal, acelere ao máximo para poder validar, atender, aprender, depois melhorar. Steve Blank, fundador da cultura Lean Startup diz que se não tivermos vergonha da primeira versão liberada é porque demoramos demais para lançá-la.

Aproveite tudo ao seu redor para validar suas hipóteses, conhecer melhor seu cliente em potencial, até mesmo se é esse cliente e se é esse problema que quer resolver. Esteja aberto ao que cada pesquisa, contato ou validação tem a lhe dizer. Por isso afirmamos que havendo a possibilidade de acelerar reusando algo disponível, via de regra, use e depois, com dinheiro no bolso, faça melhor.

ONE WAY – DESCARTE

Já mentorei startups onde sugeri e deu certo a construção de uma solução “espagueti”, termo usado para o desenvolvimento de software de baixíssima qualidade técnica no que diz respeito a camadas, acoplamento, débito técnico, mas que com pouco conhecimento e foco, em algumas semanas lançaram sua versão MVP e na sequencia sua versão Beta.

Isso foi um case, esta abordagem permitiu fecharem os primeiros contratos, somente depois (com algum dinheiro em caixa e recorrência) é que contrataram um time e começaram um desenvolvimento com maior qualidade. Sequer foi o caso de corrigir o original, mas inspirar-se nele e começar um do zero na tecnologia mais adequada e com qualidade.

PLATAFORMAS

No início dos anos 2000 ainda era comum e eu tinha equipes dedicadas a reinventar a roda, tínhamos uma equipe para manter um software desenvolvido por nós para manter blogs ao invés de usar uma instância de wordpress, tinhamos até mesmo uma versão bastante sofisticada de captcha ao invés de usar recaptcha … alguns anos depois fomos para wordpress e usavamos recaptcha.

Há milhares de boas soluções de baixo custo ou open source no mercado que atendem muitas demandas que não são o core de seu negócio, solução ou produto. Sendo assim, não reinvente a roda, consuma, integre ou use pelo tempo necessário para oferecer a melhor experiência ao seu possível cliente. Se tudo der certo, terá dinheiro e tempo para recriar algo para chamar de seu se for o caso.

DÉBITO TÉCNICO

É temerário construir um software tecnicamente perfeito, ao tentarmos fazê-lo provavelmente estaremos sendo narcisistas, egocêntricos, em detrimento do que o cliente realmente necessita. Dito isto, débito técnico, são decisões que a equipe toma no transcorrer de um projeto para garantir certo valor entregue, abrindo mão temporariamente de uma melhor solução.

Débito técnico NÃO é bug, NÃO é programação orientada a gambiarra (POG) … Fowler diz que é semelhante a adquirir um empréstimo enquanto constrói uma casa, vai acelerar, mas depois enquanto estiver morando nela será preciso pagar um pouquinho a cada mês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s