0

Pipeline como gestão visual

Esse termo é utilizado em variados contextos, na minha adolescência o usávamos ao discutir sobre Surf, olhando as fotos da revista Fluir, comparando condições do mar com os míticos tubos rápidos, longos e secos, estilosos de Pipeline.

Entretanto, pipeline pode ser uma ferramenta que mostre o fluxo de um processo relevante do cotidiano de áreas e profissionais. Essa abordagem permite a fácil identificação, análise e ações em relação ao andamento, etapas, fluindo em relação ao nosso objetivo.

No RH, por exemplo, temos o pipeline de contratação, é possível explicitarmos em etapas cada passo desde a abertura, divulgação, recepção, avaliação, entrevistas, decisão, documentação, efetivação e integração.

Em vendas, temos análise de mercado, contato, visita, proposta, decisão, minuta, contrato, assinatura, encaminhamento, e assim como no RH, reproduzimos na parede uma visão tática de nosso trabalho.

Outras áreas, como Planejamento, Contratos, Consultoria, Marketing, Eventos, … se beneficiam ao assumir uma abordagem ágil ao materializarem em um quadro sua estratégia, tática e execução. Se falar Kanban eles dizem que não é para eles, mas se falar Pipeline, rola! \o/

Como construir um Pipeline Visual?

Lembre-se que feito é melhor que perfeito, seja ágil, iterativo-incremental-articulado, inicie rapidamente e evolua a cada aprendizado ou retrospectiva.

1. Aquecendo sinapses e conexões – Comece por uma boa técnica sobre “quem nós somos”, “missão”, “o que fazemos”, “como trabalhamos”, se utilizando de alguma das técnicas já compartilhadas e disponíveis no nosso Toolbox, como SWOT, É|Não É, Role Model Canvas, etc;

2. Mapeie seu fluxo de trabalho, foque naquele que queremos modelar no pipeline, como vagas até contratações no RH, como prospects até contratos em vendas, podendo usar Personas, Jornadas, Storytelling, Fluxos de valor, etc;

3. Faça uma checagem do fluxo a luz de passos adicionais de valor significativos a serem explicitados na alçada de “clientes”, parceiros ou “fornecedores”. Isso é importante para não olharmos só para dentro, mas ao fluxo de forma holística;

4. Desenvolva em cada uma de suas etapa mapeadas buscando as tarefas executadas em sua operação, isto permitirá eventualmente não só confirmar o fluxo e a divisão em etapas como alinhar um certo padrão formal ou informal de tarefas x etapas;

5. É muito significativo tentarmos materializar conceitos de WIP (work in progress), tempos médios esperados, baseados em histórico, e Throughput (número de entregas por período) … o que nos oferece cada vez maior auto-conhecimento de nossa capacidade e tática;

6. Registre lições aprendidas em uma linha própria, normalmente a última em destaque, registrando riscos e oportunidades, pontos de atenção. Está alinhado a proposta de regras explícitas do Kanban e ajudarão muito no dia-a-dia;

7. Desde o início explicite suas metas e indicadores, assim o quadro terá um forte apelo a ação, convergência, proporcionando boas reuniões diárias e semanais de alinhamento e geração de micro-planos de ações para maximização de resultados.

Parece muita informação ou em um espaço tão limitado, mas é apenas o caso de usar bom senso e evoluir (Kaizen) permanentemente a cada aprendizado, na prática é como dirigir, no começo parece difícil, mas depois abstraímos e nem percebemos o freio, pisca, acelerador, etc.

0

20/10 – quem ainda não fez o workshop de Toolbox?

Dia 20/10, 13h às 18h, debateremos nossa Toolbox através de 115 boas práticas para profissionais de todas as áreas – carreira, estratégia, modelagem, planejamento, execução, aprendizado, …

Inscrições em http://bit.ly/workshop-TB2010

A participação vale R$250, cada um receberá um kit contendo o tabuleiro e baralho colorido com mais de cem técnicas e boas práticas, certificado de participação, muita interação e aprendizados.

Haverá um email de confirmação do workshop, o quórum mínimo é de 20 pessoas. Uma experiência singular desde a chegada até o final, veja algumas fotos, relatos e conteúdo em http://bit.ly/relato-toolbox

2

DDD – Debate entre Especialistas 2018/2

Quinta-feira, 11/10 das 19:30 as 21:00, três grandes profissionais, um debate singular sobre DDD (Domain Driven Design) na Escola Politécnica promovido pelo grupo TecnoTalks aqui do TecnoPUC e protagonizado por profissionais da DBServer.

Não foi uma aula, mas um debate entre especialistas, um programa que entra em seu terceiro ano, a cada semestre discutindo temas de interesse da galera de desenvolvimento de software, o Antônio Castro, Fabrício Rissetto e Mauro Leal debateram DDD na prática:

  • O que é DDD? Quando usar/Quando não usar?
  • Quem do time deve adotar?
  • Design Discussions
  • DDD é só conceito ou código?
  • Como transformar linguagem ubíqua em código?
  • Design Estratégico e Tático
  • Lógica de aplicação e domínio
  • Como tratar de forma ágil as refatorações do código com sua evolução ao longo do projeto?
  • DDD com linguagens dinâmicas (Ruby, Python,…)
  • DDD com funcional existe?

Durante o debate, interagindo com o Cinttra Souza,  compartilhei alguns links do Martin Fowler e Eric Evans, o Cinttra um do AgileAndart:

2

Em uma hora, como gerar um início consistente = 5-10-15-30

Criei esta técnica com o objetivo de ajudar aqueles grupos que debatem muito desde o início e acabam esgotando o tempo antes de ter uma massa desejada de proposições, porque ao gastar muito tempo no primeiro, segundo, acaba não sobrando tempo pros demais.

Em reuniões propositivas, quer sejam possibilidades para um tema, direcionadores, ideias, projetos, etc, é possível gerar um mapeamento inicial bem consistente em uma hora usando uma técnica de brainstorming que eu chamei de 5-10-15-30.

O utilizei em várias facilitações, sempre que a discussão é sobre um tema ou contexto razoavelmente conhecido, mas com diferentes visões ou necessidades pelos diferentes players, recentemente em um planejamento estratégico 2019.

Os números representam minutos, que somados totalizam 60 minutos, a primeira meia hora garante a criação de uma lista consolidada, a segunda meia hora é suficiente para um rápido debate para manutenção, exclusão e eventuais novos.

É claro que depende de uma acordo inicial e engajamento, mas a técnica ajuda a direcionar de uma forma muito eficiente, operacionalmente falando. Faça o acordo e mantenha os participantes cientes do tempo que transcorre.

Os primeiros 15 minutos não tem debate e visa garantir a maior massa de proposições:

5 minutos – Os primeiros 5 minutos são para descarregar o buffer, cada um gera uma lista em uma folha, alguns já trouxeram listas e lembretes, cinco minutos são suficientes para lembrarem ou organizarem suas necessidades e proposições;

10 minutos – Nos 10 minutos seguintes eles criam os postits, de forma que um primeiro integrante dita a sua lista e um ou mais contribuem redigindo os postits, a cada ítem, os outros vão riscando da sua lista se coincidir. É possível imediatamente colocar palitinhos ou brotoejas para representar quantos propuseram. Assim que o primeiro acabar de ditar sua lista, os outros ditam o que não foi dito nas listas dos outros;

Os 45 seguintes há dois momentos para debate contido e o seguinte com maior tempo aberto:

15 minutos – O grupo debate o entendimento do que ali está, pode ser que algum dos itens lembrou de outro que não foi proposto, se discordam da manutenção de outro, se dois deveriam ser fundidos, um dividido, etc;

30 minutos – em apenas 30 minutos temos uma lista geral organizada, com algum entendimento, agora temos 30 minutos para perguntas e respostas, discutindo ideias e validade, mas já partindo de uma lista consistente;

Para ideias do zero há técnicas variadas como o crazy eight ou o uso da combinação inicial com um 5w2h e depois respostas, um storytelling com How Might We seguido de brainstorming cadenciando respostas, há canvas e direcionadores, mas o 5-10-15-30 é muito efetivo e produtivo em situações mais conhecidas.

Lembre-se que é muito importante quando do convite de participação gerar as provocações necessárias, elas gerarão um start de trabalhos aquecidos por reflexões, pesquisa, debates e talvez materializações prévias …

Recentemente usei em uma facilitação e a técnica foi usada para mapear direcionadores no início da manhã e inicativas no início da tarde, após cada uma delas usamos técnicas diferentes para geração de rankings e alinhar informações complementares.

Na prática o 5-10-15-30 é uma técnica de aceleração, como é o Crazy Eight para ideias, tenho conseguido bons resultados esporadicamente quando a uso  o/

1

11/10 – Debate entre especialistas sobre DDD

É HOJE, quinta-feira, 11/10 das 19:30 as 21:00, três grandes profissionais, um debate sobre DDD (Domain Driven Design) na Escola Politécnica promovido pelo grupo TecnoTalks aqui do TecnoPUC e apoiado pela DBServer.

Não é uma aula, é um debate entre especialistas, um programa que entra em seu terceiro ano, discutindo temas de interesse da galera de desenvolvimento de software, o Antônio, Fabrício e Mauro debaterão temas como:

– O que é DDD? Quando usar/Quando não usar?
– Quem do time deve adotar?
– Design Discussions
– DDD é só conceito ou código?
– Como transformar linguagem ubíqua em código?
– Design Estratégico e Tático
– Lógica de aplicação e domínio
– Como tratar de forma ágil as refatorações do código com sua evolução ao longo do projeto?
– DDD com linguagens dinâmicas (Ruby, Python,…)
– DDD com funcional existe?

https://www.facebook.com/events/873715292819477/

 

A cada semestre rola um programa de Debate Entre Especialistas, convidando não só profissionais de muita experiência para montar um painel ou storytelling sobre um tema de grande interesse, como BDD (Behavior Driven Development), DDD (Domain Driven Design), DevOps e GP em projetos ágeis.

O objetivo é aproximar alunos e profissionais experientes para uma hora de interação, troca de percepções, muito aprendizado vicariante. As contribuições são em 360º, além dos debatedores ou palestrante, a aula é aberta, mesclando alunos com profissionais da comunidade TecnoTalks de empresas do parque TecnoPUC.

Não só em 2018, mas em anos anteriores sempre tive a oportunidade de contar com grandes profissionais, contando com a presença e contribuição do Sr Lincolm Aguiar, Matheus Alagia, Paula Martins, Patrícia Garay, a cada ano conforme o tema e interesse das turmas nas disciplinas de GP e Tópicos Especiais em Engenharia de SW.

Sobre DDD, na apresentação do livro do Evans na Amazon, referência base de quem pratica, temos:

“A comunidade de desenvolvimento de softwares reconhece que a modelagem de domínios é fundamental para o design de softwares. Através de modelos de domínios, os desenvolvedores de software conseguem expressar valiosas funcionalidades e traduzi-las em uma implementação de software que realmente atenda às necessidades de seus usuários. Mas, apesar de sua óbvia importância, existem poucos recursos práticos que explicam como incorporar uma modelagem de domínios eficiente no processo de desenvolvimento de softwares. O Domain-Driven Design atende essa necessidade. Este não é um livro sobre tecnologias específicas. Ele oferece aos leitores uma abordagem sistemática com relação ao domain-driven design, ou DDD, apresentando um conjunto abrangente de práticas ideais de design, técnicas baseadas em experiências e princípios fundamentais que facilitam o desenvolvimento de projetos de software que enfrentam domínios complexos. Reunindo práticas de design e implementação, este livro incorpora vários exemplos baseados em projetos que ilustram a aplicação do design dirigido por domínios no desenvolvimento de softwares na vida real. Com este livro em mãos, desenvolvedores orientados a objetos, analistas de sistema e designers terão a orientação de que precisam para organizar e concentrar seu trabalho, criar modelos de domínio valiosos e úteis, e transformar esses modelos em implementações de software duradouras e de alta qualidade.”

0

Princípios e regras do jogo DESAFIO TOOLBOX 360°

O jogo tem como missão compartilhar mais de uma centena de técnicas, boas práticas e abordagens em um viés reflexivo e pedagógico, fazendo seus jogadores se questionarem sobre a “sua” própria Toolbox, quer pela riqueza das técnicas e boas práticas que conhece e pratica, quer pelo valor que agrega em diferentes contextos.

Tabuleiro e baralho com 115 cartas, variadas opções de boas práticas em estratégia, ideação, modelagem, validação, planejamento, trabalho em equipe, entendimento, construção e entrega, lições aprendidas e gestão do conhecimento. A variedade oportuniza a percepção de que há diferentes formas e opções para cada desafio.

Para a galera que tem as versões anteriores do Desafio Toolbox, as mesmas regras da edição atual podem ser utilizadas, evoluiram a partir de Play Tests e observações em empresas e pessoas que utilizam o jogo. A nova regra pode ser utilizada nas 4 versões, desde a 1ª em lona resinada, dado e fichas individuais, a 2ª com regras tipo Master e fichas individuais e a terceira já simplificada, uma só ficha e mais clean. A quarta versão tem o objetivo de ficar 100% direcionada ao objetivo pedagógico do jogo …

tabuleiros

O jogo tem regras simples voltadas a instigar debate e negociação em torno do atendimento de um cenário real ou fictício a ser resolvido, oferece 6 (seis) cartas com exemplos, mas os jogadores podem propor cenários com desafios reais de projetos, equipes, mercado, produtos, problemas, empreendedorismo, etc.

A seguir apresento as regras e sugestões para o uso do jogo: INICIAÇÃO > CENÁRIO > CARTAS > NEGOCIAÇÃO > ENCERRAMENTO > DICAS & VARIAÇÃO.

O custo para mandar imprimir o tabuleiro e 115 cartas avulsas em gramatura 300, colorido frente e verso e recortes é quase o valor de venda do jogo (R$100 entregue em casa), para receber é só mandar email para toolbox.audy.360@gmail.com dizendo que quer o jogo e informando o seu endereço completo.

INICIAÇÃO

1. As equipes devem ser de 5 jogadores, um ponto de equilíbrio para gerar e permitir o debate e argumentação;
2. Cada equipe escolhe um mestre, ele terá a responsabilidade de resolver impasses e fazer fluir o jogo;
3. O mestre também joga, como os outros jogadores, ele se diferencia apenas quando o jogo não estiver avançando;

CENÁRIO

4. A equipe sorteia ou escolhe uma das seis cartas-exemplo de cenários, mas pode propor um cenário real;
5. O objetivo de todos, como um time, é escolher as melhores cartas para atender o melhor possível o cenário;

CARTAS

6. O mestre mistura o baralho de cartas de técnicas e depois distribui cinco cartas aleatórias a cada jogador;
7. Os jogadores analisam suas cinco cartas e o mão (primeiro a esquerda do mestre) inicia com a sua melhor carta;
8. O jogador ao propor uma carta, a justifica brevemente e indica qual acha que é a sua posição (de 1 a 6) no tabuleiro. Por exemplo, provavelmente uma carta de planejamento é mais para o início e lições aprendidas é mais para o fim.
9. Em sentido horário, a partir do primeiro, um jogador por vez propõe uma carta ou passa a vez se não tiver mais nenhuma carta útil;

NEGOCIAÇÃO

10. Após as seis posições do tabuleiro ocupadas, a cada nova jogada é possível propor trocas (retirar uma das já propostas por uma melhor), pode-se propor a retirada de uma das cartas justificando porque aquela carta não é útil e/ou propor trocas de posições entre as 6 cartas para que a sequência faça melhor sentido para execução;
11. Um a um, em sequência jogam novas cartas, propondo mudanças ou passando a vez;
12. Assim que concordarem que as cartas no tabuleiro são as melhores jogadas até o momento com o objetivo de atender o melhor possível o cenário proposto no início, encerra-se a jogada;

ENCERRAMENTO

13. Somente após encerrada a jogada é que todos mostram as cartas restantes em mãos, é uma oportunidade de aprender um pouco mais ao perceberem que haviam boas cartas que poderiam ter sido usadas;
14. Encerrado o breve debate que pode acontecer ao terem sido definidas as 6 melhores cartas para atender o cenário e terem sido apresentadas todas as cartas em mão, recolhem-se todas as 25 cartas da rodada e as colocam bem embaixo do baralho para que o jogo seguinte se utilize de novas cartas;
15. Reiniciar o jogo com a definição de um cenário em comum acordo e distribuição de novas cartas.

DICAS & VARIAÇÕES

A. O objetivo do jogo, em sua origem, é pedagógico e busca proporcionar e instigar o debate sobre técnicas e abordagens. A existência do mestre é para evitar que o foco se perca e acabem gastando mais tempo discutindo opiniões detalhes ou sutilezas, ao invés de oportunidades e abstração;

B. É importante perceber que muitas técnicas possuem grande versatilidade, podendo serem utilizadas em diferentes momentos e contextos, mas podem ser adaptadas, utilizadas, por isso é de bom tom instigar a reinterpretação do uso de suas boas práticas, desde que façam sentido e aparentemente gerem valor no uso.

C. O baralho pode ser usado para montar um primeiro mural de boas práticas, pode ser usado de forma versátil como fonte de consulta e organização, principalmente como uma técnica de gestão do conhecimento, a galera cola postits verdes naquilo que pode ajudar, amarelos naquilo que quer aprender ou precisa de ajuda.

D. É possível fazer mais de uma rodada com o mesmo cenário, buscando provocar o debate sobre o melhor atendimento com diferentes cartas, contando com 25 cartas novas a cada vez e assim abrindo diferentes percepções de uso e aprendizados sobre a existência de variadas opções para cada fim;

E. É possível distribuir até 3 notas ou moedas fictícias de R$100 para cada jogador, que na sua vez de jogar pode se utilizar delas para comprar ao custo de R$100 uma nova carta por vez. Esta variação permite ao final da rodada a reflexão se era realmente necessário ter gasto dinheiro atrás de outras técnicas ou não;

F. É possível retirar do baralho aquelas cartas de técnicas fora de contexto, bem como incluir novas cartas que podem ser impressas e recortadas em uma gráfica expressa, reorganizando o baralho e utilizando-o como uma técnica de planejamento, distribuindo todas as cartas com o objetivo de encontrar a melhor composição possível.

0

Vem pro 2° workshop Toolbox 360° em São Paulo

Workshop Toolbox 360° em São Paulo – Estarei na segunda-feira de 08/10 a tarde em São Paulo e quero aproveitar para rodar mais uma turma do Workshop Toolbox 360° – http://bit.ly/toolbox-out-sp. Se você é de SP, compartilha e fecharemos o quórum \o/

Todos os inscritos ganham o kit do jogo contendo o tabuleiro A3 e o baralho fartamente ilustrados e coloridos, contendo 115 técnicas e boas práticas desde estratégia, ideação, planejamento, validação, brainstormings, gestão do conhecimento e mais.

Uma tarde inteira de interação, com o jogo, mural e debates sobre variadas técnicas disponíveis no baralho que cada um levará. Estou abrindo inscrições, dependerá de quórum mínimo para sair, confirmarei se será no WeWork Berrini.

https://jorgeaudy.com/2018/09/17/workshop-toolbox-360-a-cada-passo-um-novo-se-descortina/