0

Lean Space Conference | Floripa | SoftPlan

O Lean Space Conference será o maior evento gratuito sobre Lean & Agile do Brasil, as vagas esgotaram rapidamente, instigado pela galera da SoftPlan que empreende a algum tempo um processo de adaptação de seus processos à princípios Lean de fluxo contínuo em meio a um processo pró-ativo de melhoria contínua.

https://www.sympla.com.br/lean-space-conference__384096

AGENDA:

9h00 às 10h00 – Dr. Rupy Sawhney – University of Tennessee – USA
Tema: People driven Lean Systems : A model for Sustanability

10h00 às 11h00 – Luiz Cláudio Parzianello – Surya
Tema: Lean Business: Muito além de uma análise enxuta!

11h00 às 12h00 – Samuel Crescêncio – Lean it 101
Tema: Tendências tecnológicas para 2019 e o seu impacto nos modelos existentes

14h00 às 15h00 – Luiz (Lula) Rodrigues – Knowledge 21
Tema: Introduzindo o Lean Kanban: Uma abordagem sistêmica

15h00 às 16h00 – Jorge Horácio Audy – DBServer
Tema: Carreira em tempos de mudança! Interativa, incremental e articulada

16h30 às 17h30 – Erasto Meneses – Softplan
Tema: Lean na veia, uma história real

————————————————–

Rupy Sawhney:
Atualmente é professor de Engenharia Industrial e de Sistemas no Universidade do Tennessee, Knoxville; Heath Fellow em Negócios e Engenharia; Professor em Programa Interdisciplinar em Energia; Nomeação conjunta com o Complexo de Segurança Nacional Y12; e professor visitante na Universidade de Loughborough, no Reino Unido. Ele era um professor de Weston Fulton e Chefe de Departamento durante 2010-2013. Sua pesquisa atual se concentra em idéias inovadoras para melhorar
excelência operacional em sistemas complexos. Ele decompôs sua pesquisa em três componentes (i) inteligência de fabricação, (ii) inteligência organizacional e (iii) design baseado em pessoas. Já trabalhou com mais de 200 empresas e é ganhador de vários prêmios (Boeing Welliver Fellow, Prêmio Faculdade Alcoa, IIE Lean Teaching Award, Reuben Harris Award e Accenture Teaching Excellence Award)

Luiz Cláudio Parzianello :
Engenheiro Eletricista pela PUCRS e Mestre em Engenharia Biomédica pela USP, acumulou experiências profissionais durante 30 anos em Tecnologia da Informação, Gestão de Negócios, Pessoas, Projetos, Produtos Digitais e Processos Ágeis. Durante esse período, atuou para grandes empresas e fundou a Surya. Foi um dos pioneiros na adoção e disseminação dos valores, princípios e práticas do Manifesto Ágil no Brasil. Coautor da Agile Extension to the BABOK (Business Analysis Body of Knowledge), um projeto conjunto entre o International Institute of Business Analysis e a Agile Alliance, também é autor e promotor das abordagens Lean Business Analysis e Scrum for Business no Brasil.

Samuel Crescêncio:
Engenheiro de software, autor, instrutor, empreendedor e executivo experiente, com mais de 23 anos de experiência prática. A experiência completa de Samuel ajuda-o a estruturar sistemas de entrega contínua totalmente automatizados, com automação de testes completa construída a partir do zero, levando a arquiteturas verdadeiramente evolutivas e de alta qualidade.

Luiz (Lula) Rodrigues:
Luiz Rodrigues​, ou Lula, desenvolve sistemas desde 2008. É um facilitador hábil, com uma mente aguçada que consegue atuar de uma forma leve e serena. Coordenou projetos de software para o mercado financeiro durante quatro anos, com o desafio de tornar mais ágil um setor historicamente tradicional. Apaixonado pela comunidade ágil, é atuante em discussões abertas, palestrante e voluntário em grandes eventos de tecnologia e agilidade. Segue fortemente valores e princípios que norteiam não só as decisões no seu trabalho, mas também em todas as camadas da sua vida.

Jorge Horácio Audy :
Agilista e escotista 24 horas por dia ! Sou Agile Coach pela DBServer, professor na FACIN/PUCRS nas disciplinas de Tópicos Especiais em Eng de SW e Gerenciamento de Projetos. Mestre na linha de pesquisa de Gestão da Informação pela FACE/PUCRS, ativo organizador, participante e palestrante na comunidade ágil brasileira. Já coordenou projetos de maturidade de software, treinamento e coaching para formação de equipes, mentoria a startups, autor de livros sobre SCRUM, Team Building Games e Toolbox, além de blogueiro.

Erasto Meneses:
Profissional com 20 anos de experiência profissional, sendo os últimos 7 anos em gerenciamento de projetos, coaching ágil, gerenciamento de mudanças, analista de sistemas, testes de software e garantia de qualidade, mais 5 anos de experiência em gerenciamento de grandes contas e coordenação de pessoal e 5 anos de experiência na área. área comercial e atendimento ao cliente. Certificado em processos Kaizen / Lean com uma longa experiência em melhoria contínua e transição / transformação ágil a partir de métodos tradicionais de desenvolvimento.

0

Debate Entre Especialistas – DevOps e Pipeline

Um debate com a presença de integrantes da equipe de plataforma e arquitetura da DBServer protagonizaram um debate sobre Pipeline e DevOps na disciplina de Tópicos Especiais em Engenharia de Software do curso de Sistemas de Informação na Politécnica da PUCRS.

Este é o quinto Debate Entre Especialistas de 2018/2, após Domain Driven Design (DDD), Behavior Driven Development (BDD), GP + Scrum Master + PMO + Agile Coach, Product Owner (PO) e por último este sobre DevOps e Pipeline.

O material utilizado está em https://www.slideshare.net/secret/spy80GbsPNOnKg.

0

Game Mapping – Um passo-a-passo no planejamento de jogos

Racionalizando a escolha de jogos, quer seja quebra-gelos, aquecimentos e Agile Games, podemos usar postits explicitando a oportunidade, objetivo, local, pessoas e contexto, para então selecionar e justificar pelo valor que agrega, quais os recursos necessários, antecipação necessária e a forma de execução.

Não para colocar na parede, mas é um exercício a ser internalizado, para escolher um ou mais Team Building Games para serem usados em um evento, treinamento, retrospectiva, planejamento, etc, pensar claramente nos mediadores e moderadores que nos levam a escolhê-lo(s) para cada contexto e objetivos.

A parte mais a esquerda ilustra todas as informações disponíveis que irão nos ajudar a tomar as melhores decisões:

1.1. Qual a oportunidade? Para qual evento ou reunião queremos selecionar um ou mais jogos, um nome que o identifique, a data e horário;

1.2. Objetivo? Qual o objetivo do evento ou reunião, importante para a nossa escolha provocar um viés que colabore para o clima e objetivos;

1.3. Qual o local? Se o local já está definido, onde é, como é, quais os recursos disponíveis. Se não está, quais as opções conhecidas;

1.4. Pessoas envolvidas? Qual o mix de presenças conhecidas, papéis, protagonismo, se alguém vem de longe, perceber os participantes;

1.5. Principalmente, qual o contexto? Qual o momento do projeto, operação, equipe ou grupo, Tuckman, inclusive como veem jogos.

A parte mais a direita oportuniza até quatro opções de jogos, quebra-gelos, aquecimentos ou Agile Games:

2.1. Qual o valor que cada jogo se propõe a agregar? Cada jogo possui variantes em seus objetivos, contribuindo de forma primária e subjacente;

2.2. Quais os recursos necessários? Quais os materiais, equipamentos, espaço e ambiente necessários para que seja executado na forma ou variantes;

2.3. Qual a antecipação necessária? Desde aquisição, preparação, arrumação do local, separação, organização de material, etc;

2.4. Como é a sua execução? Características essenciais, pontos de atenção, ganchos e gatilhos, oportunidades durante o seu andamento.

Pode ser usado para registro de todas as informações disponíveis e necessárias na escolha de jogos, para um debate entre organizadores ou facilitadores de um evento, para ensino ou mesmo debater lições aprendidas.

0

10/11 – Workshop de Jogos e Toolbox no mesmo dia

Serão dois workshops no dia 10/11/18, Sábado, pela manhã Jogos 360° (Team Building Games) e à tarde Toolbox 360°. O objetivo de fazer os dois no mesmo dia é facilitar para quem é de fora de Porto Alegre poder participar dos dois. Outro motivo fundamental é fotografar e fazer takes para vídeos explicativos, posto que na semana seguinte espero começar a formar facilitadores Brasilsão afora.

Manhã: Jogos 360° – R$150,00
http://bit.ly/jogos360-101118
Cada participante irá debater fundamentos e exercitar dezenas de jogos de quebra-gelos, aquecimento e Agile Games. Ao final ganha o livro Jogos 360° e um A3 com um canvas para planejamento de jogos.

Tarde: Toolbox360° – R$250,00
http://bit.ly/Toolbox360-101118
Cada participante debaterá dezenas de técnicas, vamos jogar o Desafio Toolbox, experimentar a técnica de Toolbox Wall, muita interação em grupo. Ao final todos levam o kit do jogo com o tabuleiro e o baralho com 115 técnicas.

Alguns depoimentos:

“Trabalho na área de Marketing Digital, e é incrível aprender coisas novas e poder adaptar para o meu contexto. O Workshop proporcionou conhecimentos e reflexões não só sobre processos de trabalhos, mas também sobre carreira. É incrível ver como todos os problemas e desafios se tornam mais leves e simples de se resolverem quando pensamos de forma sistemática, organizada e com propósito, entregando valor.” – Carolina Ullian – Analista de Marketing Digital na RedeHost (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“O workshop Toolbox 360° possibilitou ter contato com dezenas de ferramentas que muito úteis em minha atividade profissional. Recomendo, em especial para quem trabalha com grupos e deseja conhecer formas disruptivas de conduzir e engajar equipes.” – Barbara Silva Costa – Sistemica desenvolmento educacional (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Percebi que projetos que estava desenvolvendo poderiam ser muito mais colaborativos e com mais sentido para as minhas equipes de trabalho. Alterei uma metodologia de um projeto já na segunda-feira e obtivemos um resultado com um propósito muito mais alinhado com a missão deste projeto. A forma apenas começou a ser mudada e já vemos um horizonte muito mais eficiente. Acho que está é a forma de criarmos algo realmente novo no mundo corporativo.” – Alexandre Ascal – Consultor e Coaching Executivo. (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Vivenciar esse momento no sábado foi muito gratificante, além de todo o conhecimento absorvido com foco em desenvolvimento de projetos, o professor Jorge nos auxilia no planejamento da nossa carreira, eu que de certa forma me sentia “perdida” nessa jornada profissional saí de lá cheia de respostas. Só tenho a agradecer pela tarde de valor imensurável.” – Pamela Moraes da Rosa – analista de Suprimentos Gerdau (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Eu pessoalmente já tenho em mente utilizar a Janela de Johari no meu ambiente pessoal para me tornar uma pessoa melhor com meus familiares, amigos, enfim, pessoas próximas.” – Vinicius Bittencourt Ramos – Analista de testes (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Participar do workshop para mim foi muito mais que aprender e discutir ferramentas, conheci novas pessoas e pude ver a aplicação das técnicas através de outros olhos. Excelente experiência!” – Camila da Silva Capellão – Analista de Negócios CWI (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Tirou minhas ideias do lugar e me pôs a pensar…” – Mara Lúcia Barbosa da Silva – Educadora Escola Convexo (Ed 02/06 – TecnoPUC)

“Foi útil, divertido e traduziu o sentido da aprendizagem 3.0, que valoriza o conhecimento dos indivíduos e constrói novos conhecimentos a partir da troca de experiências. A condução foi consistente e fluída, combinou jogos, teoria e exemplos práticos de aplicação. Além disso, a conexão das pessoas potencializou a criatividade, a visão crítica e a flexibilidade cognitiva, características relevantes na sociedade do século XXI.” – Fabiane Castro – Inteligência Competitiva e de Mercado | Escola de Negócios da PUCRS (Ed 14/07 – TecnoPUC)

“A experiência foi sensacional. Tive inúmeros insights de erros que costumamos cometer sem nos darmos conta e consegui pensar em inúmeras aplicações de jogos em ambientes de sala de aula visando a maximização do processo de aprendizagem. ” – Barbara Silva Costa – Professora Unisinos (Ed 14/07 – TecnoPUC)

“Foi uma tarde maravilhosa, muito aprendizado, troca e carinho! Por mais dias como este! Gratidão imensa por estar con vc e os outros amigos!” – Déborah Zavistanavicius Zapata – Agile Think Consultoria (Edição SP)

“Aprendemos de forma bem prática sobre o uso das técnicas, como encaixá-las nos diversos cenários e como adaptar. Adaptar sempre!” – Gabriela Corrêa – BRQ IT Services (Edição SP)

“Sábado de mais aprendizado! Tollbox 360° Wall … Foi show!” – Edilaine Miguel – Vagas.com (Edição SP)

“Foi um grande prazer participar desse workshop, simplesmente sensacional!” – Camila Fonseca – Santander (Edição SP)

0

Uma visita ao Pelotas Parque Tecnológico

Em Outubro/2018 estive em Pelotas com a Tatiana Ximenes para interagir com a galera do Parque Tecnológico Pelotas em um dia especial, pois no saguão ao lado acontecia uma feira de ciências estudantil com stands de projetos e iniciativas de professores e alunos com quem pudemos interagir e trocar conhecimentos.

O prédio é uma preciosidade arquitetônica, reformado de forma a oferecer grandes espaços comuns, um saguão ímpar, espaço de coworking, murais de tirar o fôlego e tudo o mais esperado para um lugar que inspira a interação, sinergia e criatividade, HWang curtiria o ecossistema formado  \o/

A edição de Toolbox 360° by DBServer foi a maior até então, contando com 10 mesas e mais de 50 pessoas presentes. Profissionais, professores, alunos, integrantes das startups do parque, tudo isso pareando com profissionais da equipe do próprio parque, com a Tati e com a colega Luciane Zamban Schilling.

Ao chegarmos fomos recebidos pela equipe do parque – Leandro Gausmann, Rosani Boeira Ribeir, Milena Rota Sena e o Felipe. Durante toda nossa estada nos acompanharam na interação com os diferentes players e espaços, dentro do possível, porque para conhecer tudo e todos precisaríamos mais que um dia e uma noite.

http://pelotasparquetecnologico.com.br – “O Pelotas Parque Tecnológico tem como foco principal o desenvolvimento de produtos e soluções inovadoras para nós e para o mundo.Para que isso seja possível, foram escolhidas três grandes áreas de atuação nas quais o município já se destaca como polo: tecnologia da informação e comunicação; tecnologia em saúde e indústria criativa”

“O Pelotas Parque Tecnológico é o ambiente para convergência de interesses comuns. Local onde a sinergia entre os players consolidará o ecossistema de inovação e cooperação da cidade e da região, onde instituições públicas e privadas trabalharão em conjunto para o desenvolvimento. Nosso foco principal é o desenvolvimento de produtos e soluções inovadoras para nós e para o mundo.”

Há um grupo no Facebook exclusivo do Pelotas Parque Tecnológico em https://www.facebook.com/groups/183711252024683/

Av. Domingos de Almeida, 1785 – Areal – CEP 96085470 – Fone (53)32257755 – contato@pelotasparquetecnologico.com.br

 

 

0

31/10 – PO – Debate Entre Especialistas

Na noite do dia 31/10/2018, das 19:30 as 22:00 na sala multiuso Talento Empreendedor do TecnoPUC, rolou um debate sobre o papel de PO (Product Owner) com um time eclético, diferenciado na atuação em equipes, produtos e projetos de diferentes ranges.

1. Caroline Moura Ferreira – Product Owner no SICREDI em projetos de referência em Agile, MBA em finanças na USCS.
2. Karina Kohl – Head de Operações Globo.com, PO de Live Coverage e Doutoranda em Ciência da Computação.
3. Rodrigo Souza – Scrum Master e MBA em Gestão de projetos na Here Technologies, Local Change Detection.
4. Willian Ribeiro – MBA em Gestão de Negócios e TI, analista de negócios na DBServer em projetos ágeis.
5. Alessandro Ott Reinhardt – PO América Latina no time de integração automática de dados na Here Technologies.

A Karina é uma referência na coordenação das trilhas de produto dos últimos Agile Brazil, TDC e Trends, a Carol e o William são talentos da nova geração, ela uma das melhores PO’s com quem já trabalhei e ele analista de negócios na DBServer com experiência em projetos internacionais em equipes distribuídas. O Rodrigo e o Alessandro apresentaram suas vivências em projetos e tornou conhecida para a maioria de nós a empresa Here Technologies, um multinacional líder na área de GPS e mapas, embarcados nas maiores marcas da indústria automobilística.

A estratégia do debate seguiu uma linha temporal desde a estratégia às entregas, perpassando pelos passos de gestão do product backlog, planejamento, daily, refinamento, review, retrospectiva, com muitas dicas sobre dinâmica de negócio e time, ferramentas, ambiente, papéis e cultura.

Se você nunca participou de um evento TecnoTalks, aqui está o link do grupo no Facebook. É um espaço para criar ou compartilhar eventos e conhecimento. Desde 2012 já foram mais de 60 eventos organizados, sempre com propósito singular, muitos sobre Agile, carreira e cultura organizacional é verdade, mas também arte, jogos, tecnologia – https://www.facebook.com/groups/tecnotalks/

0

Já mandei o kit com tabuleiro e baralho para todos os cantos do Brasil

Estou mandando os baralhos para várias cidades do Brasil, a pedido em breve vou largar um vídeo explicando visulamente o jogo, o tabuleiro e o baralho:

Para adquirir o kit, envie para toolbox.audy.360@gmail.com seu endereço completo, o que quer e quantidade, eu postarei registrado via correios. Posto uma vez por semana e a média para chegar em capitais é de até uma semana. Assim que postar envio mais orientações.

1 kit = R$ 100,00 (baralhos extras por R$75 cada)
3 kits = R$ 250,00 (baralhos extras por R$65 cada)
5 kits = R$ 375,00 (baralhos extras por R$55 cada)

KIT COM TABULEIRO E BARALHO TOOLBOX 360°

O novo baralho possui 115 cartas, cada kit com o tabuleiro pode ser usado por uma equipe ou grupos de 5 pessoas por vez. Muitas empresas possuem 5 kits, permitindo realizar dinâmicas com até 5 grupos de 5 pessoas. Sua natureza e propósito é voltado a instigar o aprendizado, inovação e protagonismo.

O jogo Desafio Toolbox é uma criação minha, uma dinâmica com vocação para ser usada para disseminação, ensino e aprendizado de técnicas e boas práticas de mercado.Eu o uso recorrentemente em workshops, equipes, eventos e em sala de aula na Politécnica da PUCRS.

As regras do jogo são simples e muito descontraídas, fico a disposição, mas estou preparando vídeos explicativos ao uso do mural e do jogo/tabuleiro para que todos possam tirar o máximo de valor agregado em todas as suas variações de uso e aproveitamento.

Um jogo para ser usado a partir de um desafio ou cenário, quer para aquecimento da galera ou planejamento, para afiar sinapses sobre fazer diferente, experimentar novas técnicas, no dia-a-dia, em retrospectivas, em futurespectivas.

O jogo tem regras simples voltadas a instigar debate e negociação em torno do atendimento de um cenário real ou fictício a ser resolvido, oferece 6 (seis) cartas com exemplos, mas os jogadores podem propor cenários com desafios reais de projetos, equipes, mercado, produtos, problemas, empreendedorismo, etc.

A seguir apresento as regras e sugestões para o uso do jogo: INICIAÇÃO > CENÁRIO > CARTAS > NEGOCIAÇÃO > ENCERRAMENTO > DICAS & VARIAÇÃO.

O custo para mandar imprimir o tabuleiro e 115 cartas avulsas em gramatura 300, colorido frente e verso e recortes é quase o valor de venda do jogo (R$100 entregue em casa), para receber é só mandar email para toolbox.audy.360@gmail.com dizendo que quer o jogo e informando o seu endereço completo.

INICIAÇÃO

1. As equipes devem ser de 5 jogadores, um ponto de equilíbrio para gerar e permitir o debate e argumentação;
2. Cada equipe escolhe um mestre, ele terá a responsabilidade de resolver impasses e fazer fluir o jogo;
3. O mestre também joga, como os outros jogadores, ele se diferencia apenas quando o jogo não estiver avançando;

CENÁRIO

4. A equipe sorteia ou escolhe uma das seis cartas-exemplo de cenários, mas pode propor um cenário real;
5. O objetivo de todos, como um time, é escolher as melhores cartas para atender o melhor possível o cenário;

CARTAS

6. O mestre mistura o baralho de cartas de técnicas e depois distribui cinco cartas aleatórias a cada jogador;
7. Os jogadores analisam suas cinco cartas e o mão (primeiro a esquerda do mestre) inicia com a sua melhor carta;
8. O jogador ao propor uma carta, a justifica brevemente e indica qual acha que é a sua posição (de 1 a 6) no tabuleiro. Por exemplo, provavelmente uma carta de planejamento é mais para o início e lições aprendidas é mais para o fim.
9. Em sentido horário, a partir do primeiro, um jogador por vez propõe uma carta ou passa a vez se não tiver mais nenhuma carta útil;

NEGOCIAÇÃO

10. Após as seis posições do tabuleiro ocupadas, a cada nova jogada é possível propor trocas (retirar uma das já propostas por uma melhor), pode-se propor a retirada de uma das cartas justificando porque aquela carta não é útil e/ou propor trocas de posições entre as 6 cartas para que a sequência faça melhor sentido para execução;
11. Um a um, em sequência jogam novas cartas, propondo mudanças ou passando a vez;
12. Assim que concordarem que as cartas no tabuleiro são as melhores jogadas até o momento com o objetivo de atender o melhor possível o cenário proposto no início, encerra-se a jogada;

ENCERRAMENTO

13. Somente após encerrada a jogada é que todos mostram as cartas restantes em mãos, é uma oportunidade de aprender um pouco mais ao perceberem que haviam boas cartas que poderiam ter sido usadas;
14. Encerrado o breve debate que pode acontecer ao terem sido definidas as 6 melhores cartas para atender o cenário e terem sido apresentadas todas as cartas em mão, recolhem-se todas as 25 cartas da rodada e as colocam bem embaixo do baralho para que o jogo seguinte se utilize de novas cartas;
15. Reiniciar o jogo com a definição de um cenário em comum acordo e distribuição de novas cartas.

DICAS & VARIAÇÕES

A. O objetivo do jogo, em sua origem, é pedagógico e busca proporcionar e instigar o debate sobre técnicas e abordagens. A existência do mestre é para evitar que o foco se perca e acabem gastando mais tempo discutindo opiniões detalhes ou sutilezas, ao invés de oportunidades e abstração;

B. É importante perceber que muitas técnicas possuem grande versatilidade, podendo serem utilizadas em diferentes momentos e contextos, mas podem ser adaptadas, utilizadas, por isso é de bom tom instigar a reinterpretação do uso de suas boas práticas, desde que façam sentido e aparentemente gerem valor no uso.

C. O baralho pode ser usado para montar um primeiro mural de boas práticas, pode ser usado de forma versátil como fonte de consulta e organização, principalmente como uma técnica de gestão do conhecimento, a galera cola postits verdes naquilo que pode ajudar, amarelos naquilo que quer aprender ou precisa de ajuda.

D. É possível fazer mais de uma rodada com o mesmo cenário, buscando provocar o debate sobre o melhor atendimento com diferentes cartas, contando com 25 cartas novas a cada vez e assim abrindo diferentes percepções de uso e aprendizados sobre a existência de variadas opções para cada fim;

E. É possível distribuir até 3 notas ou moedas fictícias de R$100 para cada jogador, que na sua vez de jogar pode se utilizar delas para comprar ao custo de R$100 uma nova carta por vez. Esta variação permite ao final da rodada a reflexão se era realmente necessário ter gasto dinheiro atrás de outras técnicas ou não;

F. É possível retirar do baralho aquelas cartas de técnicas fora de contexto, bem como incluir novas cartas que podem ser impressas e recortadas em uma gráfica expressa, reorganizando o baralho e utilizando-o como uma técnica de planejamento, distribuindo todas as cartas com o objetivo de encontrar a melhor composição possível.

Vale a pena dar uma olhada no registro do último workshop com fotos, informações e depoimentos acumulados de várias edições – https://jorgeaudy.com/2018/09/17/workshop-toolbox-360-a-cada-passo-um-novo-se-descortina/