0

Quem foi rei, não quer perder a majestade!

Para mudar ou melhorar, é preciso questionar velhas receitas, experimentar novas, aprender com elas e prosseguir neste ciclo virtuoso! Se você já sabe tudo e não abre mão disso … fica mais difícil 🙂

Ao migrarmos para métodos ágeis como SCRUM ou Kanban alguns conceitos são basilares, como o fundamento de auto-organização e premissa de confiança, delegação ou negociação. Todos os envolvidos aprenderão a trabalhar sob um paradigma racional de trabalho colaborativo, geração de valor, eliminação de desperdícios, baseados em comunicação e argumentação.

Para muitos profissionais o desafio maior é abrir mão do individualismo, competição e falsa sensação de poder ou controle. Isso vale especialmente a quem não estava acostumado a ter que embasar e justificar sua decisão, seu trabalho ou conduta. Muitas vezes são exatamente aqueles profissionais mais sênior, viciados em ribalta e poder.

A estes caberá entenderem que serão tão ou mais valorizados quanto melhor o resultado de todos, do time, do projeto, que inexiste a “sua” parte, mas sim o resultado do conjunto. Em determinados momentos sua colaboração transversal será muito mais percebida que “suas” tarefas. Basicamente, se cada um fizer a “sua” parte, provavelmente não vai dar certo.

Um gestor ou líder que não sabe delegar, que não consegue confiar em seu time, que trata problemas de seus times como se ele mesmo não tivesse nada a ver com isso. Mandos e desmandos, relações com pouca transparência, falta de feedback seguido de muito teatro e reações pouquíssimo “ágeis” e colaborativas, focadas ainda em buscar culpados ao invés de soluções.

Profissionais que buscam a ribalta, estão acostumados nos processos antigos em estarem na ribalta sozinhos, muitas vezes competitivos dentro do próprio time, disputando com o cliente ter a razão e eximindo-se sempre que possível da co-responsabilidade. Brinco que em muitas oportunidades meu maior desafio é mudar o mindset do mais senior e não dos mais juniores.

Aquele cliente que acha que pressionando, reclamando, exigindo ou isentando-se, gera um clima em que todos farão mais que fariam caso o ambiente fosse amigável e construtivo. Acreditando que é o cliente, sempre tem razão, “está pagando”. No seu entendimento, não confia, não envolve suas equipes, decide tudo sozinho, o fornecedor é um problema e não uma solução

Empresas acostumadas ao paradigma de negócios ganha-perde, sempre buscando uma brecha, reinando, usando sua experiência para aplicar a Lei do Gerson, a Lei Ricúpero, tirando vantagem de parceiros, colaboradores, fornecedores ou clientes. Muito teatro e artes cênicas nos seus relacionamentos e interações.

Conclusão

Todo e qualquer método ágil inspira-se em colaboração cliente-fornecedor, equipes auto-organizadas, geração de valor em equidade, eliminação de todos os tipos de desperdícios em um trabalho e relacionamento profícuo, harmônico, cadenciado, onde todos os envolvidos engajam-se em agir da melhor forma em prol de sinergia.

Daí surgem nos meios organizacionais termos como ecossistema, auto-eficácia, equipes de alta performance, líder-servidor, colaboração pró-ativa, melhoria contínua e tantos outros termos e temas que precisam ser entendidos, internalizados e praticados diariamente.

0

Já ouviu falar em carreira Proteana? Mais atual que nunca!

Carreira Proteana é um conceito onde tudo o que temos discutido faz sentido, pois ao contrário do século XX, cada profissional é responsável e gestor de sua carreira. O critério de sucesso não é salário, sucesso é satisfação e busca pela plenitude, onde ela estiver, salário é consequência.

É preciso parar de procurar receitas e começar a aprender a cozinhar!

Douglas T Hall foi assertivo na percepção de mudança na orientação da carreira organizacional linear do século XX, dizia ele que o desenvolvimento profissional passaria a ser obtido por meio de aprendizado contínuo, auto-direcionado, movido por desafios e na busca constante pela satisfação pessoal.

Os ingredientes para o sucesso em carreiras Proteanas, disse Hall, seria a mudança de foco do know-how para o learning-how, da segurança do emprego para a construção de um status de empregabilidade, sempre voltada a integralidade do ser, em uma visão holística pessoal e não por pura necessidade organizacional.

Entre amigos e parceiros de viagem sempre digo que o medo de perder o emprego não pode ser nunca maior que perder a empregabilidade, o desafio não é abrir mão de tudo pelo salário, mas dedicar-se a atender as expectativas atuais enquanto permanentemente desenvolve-se em seu CHA, como profissional e pessoa.


Tabela: Protean Career: Theoretical Review and Bibliometric Analysis (Neves, Trevisan e João, 2013)

Quarenta anos depois, com a geração millenial no mercado de trabalho, lembrando muito Agile e os conceitos de carreira de shape T e Pi, com experiências variadas, aprendizado contínuo, trabalho desafiador e prazeroso. Tudo isso sempre a ver com lócus interno, em uma trajetória prospectiva, multidirecional.

O termo de carreira proteana inspirou-se no personagem Proteus da mitologia grega, deidade marinha que podia mudar de forma, com o dom da metamorfose. Assim, cada profissional deve fazer aquilo que é melhor para SEU plano de carreira e não apenas seguir o desejo da organização onde está, priorizando sua relação de emprego e salário em detrimento de sua empregabilidade e sonhos.

Se no passado era um mal sinal a troca de empresa ou mesmo função, ligados aos conceitos de especialização máxima da revolução industrial, no século XXI, hoje os consultores de RH questionam a permanência excessiva no mesmo cargo e na mesma empresa, fazendo a mesma coisa da mesma forma por anos.

Minha esposa diz que eu tenho ciclos de 5 anos, é o tempo para me desenvolver e seguir para novos desafios, fui concursado na Procempa na década de 80, empresário na de 90, coordenador de desenvolvimento corporativo na ADP Brasil e Grupo RBS nos anos 2000, consultor, professor e agile coach nos anos 2010. Ao mesmo tempo, na vida pessoal, passei por clubes, maçonaria, escotismo, ong’s, GU’s e Cop’s.

A vida é tão maravilhosa em oportunidades em tantos níveis e dimensões, que é um desperdício simplesmente deixar o tempo passar em banho-maria, incomodados, reclamando do destino em nossas zonas de conforto. Ao ler artigos sobre carreiras proteanas vemos muitas características atribuídas a dita geração Millenial, gente como eu e você que busca:

  • Valores pessoais acima dos valores organizacionais;
  • Busca de qualidade de vida no cotidiano, não no futuro;
  • Flexibilidade à mudança e busca por desafios;
  • Busca pela auto-eficácia e auto-estima;
  • Priorização da sensação de sentido e valor;
  • Posicionamento, significado e realização.

É impossível ler matérias sobre o tema e não enxergar profissionais com inspiração em princípios ágeis, inovação e empreendedorismo, capacidade absortiva, colaborativos, multi-disciplinares, adaptáveis, bem como visualizar características relacionadas a protagonismo baseados em conceitos Lean, como Gemba e Kaizen.

Carreira Proteana, um conceito original do final da década de 70, mas quarenta anos depois tanto empresas quanto profissionais ainda tem muito a aprender. De lá para cá, novos métodos e processos, novos conceitos de gestão e de profissionais, desenvolvimento de disciplinas essenciais em gestão por competências e gestão do conhecimento, mesmo assim ainda estamos engatinhando.

O Gustavo N Reis, grande parceiro de estrada, nestes ideais, me mandou uma tirinha ótima do Ricardo Siri Liniers – https://www.facebook.com/porliniers

Acima de tudo, além de todo e qualquer conceito, método ou recurso – https://jorgeaudy.com/2016/07/29/voce-e-a-media-das-5-pessoas-com-quem-mais-interage/

0

Desafio ToolBox – POA e São Leo – 14/07/17

14/07/17 – DBTALKS Porto Alegre – TecnoPUC Sala 204 / 99a – Ao todo eramos cinquenta pessoas contando com a galera da DBserver, que chegou cedo para reorganizar asala em torno das mesas que trouxemos da 206, compondo 10 equipes de 5 integrantes. Muitos companheiros de viagem, de outras jornadas, que durante duas horas proporcionaram um ambiente barulhento enquanto negociavam suas cartas e preenchiam os tabuleiros. O feedback foi muito bom e novos insights para melhorar o jogo.

14/07/17 – TecnoSinos, Prédio UniTec 2, Mini auditório – Um evento organizado pela GVDASA, aberto ao ecossistema TecnoSinos-Unisinos. Foram mais de três horas com abertura do Marcos Arnoldo, a participação do Jonathan Stein, a parceria da Mayra Rodrigues de Souza. Muita energia, novamente cada grupo ao redor do tabuleiro debatendo, argumentando, todos entraram no jogo, ensinaram e aprenderam a medida que as rodadas iam distribuindo as cartas, cobrindo suas mais de 70 técnicas, frameworks e boas práticas.

 

0

Workshop de Inovação e Criatividade – Mentes Audazes

Conheci o Jackes Heck a um ano e acabamos nos encontrando no Desafio Toolbox 360º no DBTalks de 15/07/17 no TecnoPUC, com a chancela de ser professor de pós na Faculdade SENAC-RS, onde conheço tantos amigos e profissionais que admiro. Ele se define como um Design Thinker, Colaborativo, Criativo e Cocriativo.

SORTEIO – Quem compartilhar este post citando o Jackes Heck concorrerá a dois sorteios com inscrição gratuita no workshop … é só compartilhar e torcer 🙂

Daqui a uma semana, no Sábado de 22/07/17 entre 8:00 e 12:00 na sede do SESCON-RS na Rua Augusto Severo, 168, perto do Bourbon da Assis Brasil, vai rolar um workshop em meio a um projeto seu chamado de Academia de Mentes Audazes – https://www.facebook.com/mentesaudazes/

Eu achei a proposta legal e o workshop tem um investimento de R$139, para quem esta querendo repensar ou empreender ideias em seus projetos pessoais ou profissionais, ele garante que você não sai o mesmo de lá, após abordagens, dinâmicas e jogos colaborativos … gostei do nome: Mentes Audazes  🙂

Eu apoiei na realização do lançamento do programa e formação em coaching criativo da Gislene Guimarães com o TecnoTalks e DBServer, também curti e por isso compartilho mais esta oportunidade, porque é minha paixão colaborar no desenvolvimento de pessoas: Melhores pessoas, Melhores profissionais!

Inscrição, clique aqui: http://bit.ly/2sviMlj

3

Enxerguei mais longe porque estava sobre os ombros de gigantes (Isaac Newton)

Desde 2012 tenho compartilhado resenhas e minhas interpretações de teorias, modelos, pesquisas científicas e livros, conceitos que eu vou incorporando de forma cumulativa à minha ToolBox como agilista e Agile Coach.

Por hobby, selecionei 40 e montei um eBook para registro, útil a quem quiser ler sobre quarenta diferentes teorias e modelos que muito me ajudaram a entender melhor a psicologia por trás de equipes e empresas.

Mas atenção, todas tem um viés, opinião, tento demonstrar de que forma elas me ajudaram a entender melhor pessoas, trabalho em equipe, organizações, porque de muitas atitudes, conscientes ou inconscientes. Isso ajuda você a ajudar.

Espero que a leitura seja útil, fico a disposição para receber dicas de outras teorias e modelos importantes, criticas e sugestões. O link para baixar é do DropBox e agradeço muito desde já qualquer feedback sobre o conteúdo.

Clique aqui para baixar no dropbox!

APRESENTAÇÃO
400 AC – A ALEGORIA DA CAVERNA
400 AC – POIESIS
1350 – HUMANISMO
1791 – UTILITARISMO
1885 – CURVA DE EBBINGHAUS
1908 – LEI DE YERKES-DODSON
1946 – PETER DRUKER
1950- CONSTRUTIVISMO
1950 – TEORIA SÓCIO-TÉCNICA
1950 – PDCA – CICLO ITERATIVO
1950 – TRILOGIA DE JURAN
1963 – APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA
1964 – EQUIDADE E EXPECTÂNCIA
1965 – CURVA DE TUCKMAN
1969 – JANELAS QUEBRADAS
1972 – TEORIA DA AGÊNCIA
1972 – TEORIA CONTINGENCIAL
1974 – AS 8 LEIS DE LEHMAN
1977 – TEORIA INSTITUCIONAL
1977 – APRENDIZADO VICÁRIO E AUTO-EFICÁCIA
1979 – JSM, JOB STRAIN MODEL
1983 – MASSA CRÍTICA
1984 – TEORIA DAS RESTRIÇÕES
1984 – STRUCTURATION THEORY
1984 – APRENDIZADO EXPERIENCIAL
1990 – CAPACIDADE ABSORTIVA
1991 – EXPLOITATION EXPLORATION
1991 – COMUNIDADES DE PRÁTICA
1995 – CULTURA ORGANIZACIONAL
1996 – A ORGANIZAÇÃO APRENDE
1997 – ESTRUTURA EM HIPERTEXTO
1998 – CONCEPT OF BA
1999 – TEORIA DO FLUXO
2000 – CYNEFIN E COMPLEXIDADE
2002 – GESTÃO POR COMPETÊNCIAS
2002 – SOX E GOVERNANÇA
2008 – GAME THINKING
2014 – COP DE COP’S
2015 – CONCEPT OF BA OFFICE

frase-se-eu-vi-mais-longe-foi-por-estar-de-pe-sobre-ombros-de-gigantes-isaac-newton-103508 (1)

0

Quando o esforço é garantir o nada mais explícitamente possível

No trabalho, na sala de aula, em casa, muitos amadores e alguns profissionais na arte de gastar toda a energia e esforço necessários para demonstrar o máximo de descontentamento e garantir-se bloquear qualquer tipo de aproveitamento.

Não é característica Millenials, eu tenho 30 anos de mercado e já incorri no erro de assumir este papel, até me dar conta e mudar. Jovens e veteranos podem cair nessa arapuca, a arte é disciplinar-se a não se deixar levar pela birra.

Todo mundo passa por algum momentos assim, consciente ou inconsciente se quer estar em outro lugar ou em lugar nenhum, mas precisamos estar em uma sala de aula, trabalho, reunião, evento, … mas é preciso perceber, mudar e melhorar.

Na prática, sempre que somos surpreendidos por algo que não nos satisfaz, há casos em que é possível ir embora, fazer outra coisa, mas há situações em que devemos ficar, porque faz parte de um acordo, compromisso ou necessidade.

Quando em aula ou no trabalho, desperdiçar este tempo é o mesmo que ir a um jogo de futebol, colocar o uniforme, entrar em campo para então ficar de braços cruzados e emburrado na lateral direita só porque não concorda com a escalação … pense nisso!

Opção #1: De limão a limonada

O que eu digo para meus alunos e nem sempre sou ouvido é que se por uma hora e meia estaremos juntos para ensinar e aprender, o melhor é desencanar e tentar tirar dali algo de útil. Ficar emburrado e explicitamente descontente só piora.

É a mais pura comprovação da Lei da Relatividade, curtir o que faz gera sinapses e faz o tempo voar, não curtir e não tentar pelo menos interagir, co-criar, mas sim emburrar faz o oposto e uma hora vai parecer uma eternidade no purgatório.

Alguns optam por piorar ao máximo e retroalimentar sua insatisfação, garantindo a si mesmo que o resultado daquele “martírio” seja o nada absoluto, é a antítese do que diz a PNL, é esforço para uma DPNL (Des-Programação Neuro Linguistica).

Opção #2: Lei dos dois pés

Eu aprendi nessa vida que sempre que há opção de não ficar e de fato eu não quero ficar, todos os envolvidos se beneficiam se assim for, irei para outro lugar onde eu e quem la estiver aproveitaremos mais e melhor o momento.

Quem não conhece a Lei Universal dos Dois Pés, clique aqui e leia assim que puder. Tem a ver com um mix de emoções, tal como aceitação, opção, respeito, vergonha na cara, pró-atividade, auto-estima, … senão, nem Freud explica.

Mas a Lei do Dois Pés não é sempre uma opção, muitas vezes é uma questão de compromisso, responsabilidade, contratos, acordos, quando não há opção, de nada adianta empacar como um burro emburrado, aí é relaxar e tenta tirar algo de útil.

Profissionais e Amadores

O mais interessante quando começamos a ler sobre teorias e modelos da psicologia e sociologia é que aprendemos a compreender alguns porquês, onde o problema não é ter certa atitude, mas sim persistir com essa atitude equivocada.

Já conheci muitos profissionais famosos pelo mau humor e rabugentisse, que se sustentavam por sua grande capacidade técnica ou conhecimento … mas isso sempre é uma questão de tempo até cruzarem a linha do aceitável.

De nada adianta se utilizar recorrentemente de mau humor e displicência, ultrapassando o limite do bom senso e boa convivência, porque mesmo que houvesse de início alguma razão, perdemos ela ao piorar e sustentar a situação.

Na verdade, na maior parte das vezes, emburrar é falta de argumentação ou alternativa, então entramos em modo “dissonância cognitiva”, tentando negar, racionalizar, transferir, projetar, piorando mais e mais e perdendo qualquer razão.

criança emburrada - 1

Tem um tanto de humano, varia de cultura para cultura, potencializando ou mitigando, mas está presente em todo o mundo. Entretanto, é certo que em alguns países a birra deixa de ser coisa de criança para ser um traço cultural, há especialistas nisso.

Você sabe o que eu quero dizer, é como pessoas de grande intelecto, belas, artistas, astros e estrelas, não só é aceito como incentivado como uma forma de se diferenciarem, como um direito divino, passando o recado que ética, moral e educação é para os comuns.

E você? Em pleno século XXI, em tempos de economia colaborativa, sustentabilidade, consciência coletiva, geração Millenial e veteranos pilhados, você tem planos, aproveita cada oportunidade, é agente de mudança, se adapta, cresce, melhora? Ou com 20, 30, 40, 50 e ainda acha que birra é estratégia.

0

Acertos e erros em Open Spaces, com e sem o Conceito de Ba

Alguns ambientes de trabalho privilegiam certos aspectos, alguns privilegiam outros, difícil é privilegiar todos … Há quem escolha privacidade, cubículos e espaços com poucas pessoas, há quem privilegie espaços amplos com múltiplas opções de uso e configurações. Não é uma questão de gosto, mas de crenças, de opção, cada um investindo naqueles aspectos considerados mais importantes.

Em Open Space, a chave não é a palavra Open, pode ser Open e apenas ser um depósitos de gente. Pelo contrário, o que vemos no Google, Face, Wallmart.com, Globo.com. TW, SoftPlan, TI da Boticário, DIMED, DBServer, etc, são grandes espaços bem distribuídos, com áreas de transição, alternando com salas de reuniões e espaços diferenciados, cor e descontração … nada é por acaso.

Em 2016 a Johnson & Johnson materializou muito de minhas crenças em um post sobre seus estudos e investimentos no que chamaram de “Programa de inovação do local de trabalho“. Um Conceito de Open Workspace com espaços amplos em equilíbrio com áreas de transição e espaços privados temporários, diferenciados, semelhante a vários exemplos que compartilho mais adiante.

Aproveitando, da uma olhada nessa matéria na Harward Business Review, ela discute o assunto de “workspaces-that-move-people“, um artigo denso, longo e multi-facetado … Para ser publicado na HBR isso é o mínimo que podemos esperar … fala sobre o uso de espaços abertos ou não, promover interações entre as pessoas, fala de zonas de conforto, mudança em adaptação a novos paradigmas.

HBR-2

Há dezenas de combinações entre ambientes de trabalho e cultura organizacional, há depósitos de profissionais enfileirados uns ao lado dos outros sob uma gestão 1.0 (comando-controle), variando até outro extremo com amplas áreas de trabalho, equipes auto-organizadas em bancadas moduláveis, com espaço e alternativas, contando com uma gestão 3.0, colaborativa e valorosa.

Então, para quem não conhece minha abordagem no que chamo de Ba Offices, inspirado no Concept Of Ba de Takeushi e Nonaka, sugiro ler um post antes de seguir – Uma sala é como uma embarcação, precisa ter um desenho adequado a sua missão, além de ter capitão e marinheiros cientes de como usa-la melhor.

Priorizar a interação e privilegiar a colaboração é um desafio concebido em novas crenças, princípios, metodologias e processos, onde as pessoas e equipes devem assumir o protagonismo, fazer estes espaços cumprirem sua missão, priorizando a interação, comunicação, compartilhamento, flexibilidade e transparência.

Sempre tem quem reclame da falta de privacidade, que sofra com o ruído de fundo existente em ambiente abertos, pontos a serem trabalhados, mas não dá para ter tudo, então prioriza-se algo, é como MVP de um produto, para muitos é uma sala ampla, dinâmica, reconfigurável, com múltiplas opções, com liberdade de uso e aproveitamento a medida que projetos iniciam e terminam.

Esta tendência não é nova, tem pelo menos 30 anos, grandes empresas a cada ano investem milhões em ambientes atraentes e instigantes, aderente a um mercado a procura de empresas, pessoas, produtos e serviços inquietos, dispostos a interagir e se reinventar mais que cumprir tarefas e entregas. Conheço centenas de pessoas que estão ou procuram estas empresas, estes ambientes, este modelo mental.

2017 – A nova sede da TOTVS em SP trouxe um pedaço do Vale do Silício para os trópicos e priorizou o incentivo a interação humana e inovação. Impossível ir trabalhar e não interagir, quer na sua vizinhança, quando vai na copa, ao usar qualquer dos muitos espaços diferenciados, privados ou de transição:

Google e Facebook são gigantes conhecidas pelos seus espaços de trabalho, mas mesmo já conhecendo, dá uma olhada no vídeo da matéria abaixo para entender quão modulável um ambiente pode realmente ser para adaptar-se a projetos, equipes, necessidades – Espaços modulados, adaptáveis, 100% auto-organizados:

Espaços abertos que seguem um conceito de Ba voltados a inquietude, não tem sua característica mais marcante no espaço, mas no mindset que o gerou e que ele retroalimenta. Com certeza espaços abertos e bermudas não geram inovação nem alta performance, mas os valores e boas práticas que os inspiram e mantém sim.

A sede da Wallmart.com em Alphaville é um oásis, mas na frequência de SanPa, coincidente, possui todas as características propostas pela Johnson & Johnson, percebidos em todos os ambientes que interajo aqui no TecnoPUC. A prioridade é por muita visibilidade, ver e ser visto, com muita interação, um ambiente que lembre diariamente que fazemos parte de algo muito maior: 

Como não poderia deixar de ser, a cultura e sede da Resultados Digitais tem destaque em SC, uma startup que cresce e compartilha cultura e feitos em eventos para milhares de pessoas em todo o Brasil:

Um case absolutamente de outro planeta e que também merece o destaque que vem ganhando na mídia é o novo prédio da SoftPlan junto a Canasvieiras, SC, uma gigante catarinense de tecnologia:

A cada ano surgem mais e mais ambientes assim, preocupados em chamar a atenção para a interação entre pessoas, com amplitude, bom espaço de circulação e áreas de transição, salas especiais e muita descontração.

Na prática, é fácil gastar uns trocos em um ambiente de trabalho totalmente modular e  inovador, isto atrai novos talentos, mas as salas não são suficientes para retê-los. Se não reinventar a cultura e reciclar os gestores, teremos milhares de salas coloridas e instigantes com um garrote gerando ao invés de inovação, grandes zonas de conforto e trincheiras, com dores de cabeça e clamor por espaço seguro, protegido e isolado … mas a culpa não é do puff amarelo nem do espaço aberto.

Tudo isso diz respeito a nossas prioridades, é possível gerar 500 m2 de pura adrenalina e provocação, desde que as pessoas que lá trabalham sejam provocadas a saber trabalhar nele colaborativamente, com direitos e deveres, com empatia e principalmente sinergia, adaptando o espaço continuamente a inovação, ativando e potencializando nossa capacidade absortiva e resultados.