0

Curso de Governança de TIC para Governo Digital

Tive o privilégio de assumir o módulo de gestão de projetos de um curso inovador entre govero do estado e a escola de negócios da PUCRS. Fui convidado pela Profª Edimara e o Prof Guilherme a compartilhar teoria e prática em governança de projetos, desde e ideação e portfólio.

Com média presencial de 25 gestores de TI do governo, realizado no vigésimo andar do Centro Administrativo do Estado do RS, tive o prazer de rever alguns conhecidos de projetos que me envolvi no passado recente e com certeza ganhei novos parceiros de viagem.

O substrato de todo o curso é governo digital, governo 3.0, smart cities, governança de TIC e governança de projetos, PMO, Agile, inovação e empreendedorismo, ambidestria organizacional.

Composto por oito módulos, um curso intensivo onde governo digital, governança, inovação, gestão de projetos e empreendedorismo foram a grande tônica … inspirados permanentemente pela lembrança da abordagem oferecida pelo novo governador eleito para 2019 – 2022.

  • Transformação Digital;
  • Governo 3.0;
  • Governança de TIC;
  • Gestão de Serviços de TIC;
  • Gestão de Projetos;
  • Segurança da Informação;
  • Data Analytics;
  • Atividade Integradora.

O meu módulo foi denso, com muito conhecimento e exemplos práticos, a cada tópico oferecendo uma visão o mais ampla e eclética possível, com uma última aula 100% prática, servindo de elo de ligação entre um módulo e outro, especialmente uma oficina integradora que encerrará o curso.

O feedback no fechamento foi prazeroso, tendo conseguido passar além de conhecimento e informação, também crenças e princípios que venho defendendo na última década, como consultor pela DBServer e professor da Escola Politécnica da PUCRS.

A tempo, a oportunidade de interagir desde 2013 pela DBserver em grandes projetos com empresas de TI da união, estadual e municipal, como SERPRO, PROCERGS, PROCEMPA, Defensoria Pública do RS e outras, me agregou muita experiência vicariante a compartilhar.

A expectativa de todos nós, gaúchos, é que a experiência exitosa do governo do Sr governador Eduardo Leite frente ao municipio de Pelotas, reconhecido meritóriamente pelo viés de tecnologia aplicada a favor do cidadão gerará uma espiral crescente de otimismo e empreendedorismo no estado.

Que venha 2019, será um ano de virada! \o/

0

Uma visita ao Pelotas Parque Tecnológico

Em Outubro/2018 estive em Pelotas com a Tatiana Ximenes para interagir com a galera do Parque Tecnológico Pelotas em um dia especial, pois no saguão ao lado acontecia uma feira de ciências estudantil com stands de projetos e iniciativas de professores e alunos com quem pudemos interagir e trocar conhecimentos.

O prédio é uma preciosidade arquitetônica, reformado de forma a oferecer grandes espaços comuns, um saguão ímpar, espaço de coworking, murais de tirar o fôlego e tudo o mais esperado para um lugar que inspira a interação, sinergia e criatividade, HWang curtiria o ecossistema formado  \o/

A edição de Toolbox 360° by DBServer foi a maior até então, contando com 10 mesas e mais de 50 pessoas presentes. Profissionais, professores, alunos, integrantes das startups do parque, tudo isso pareando com profissionais da equipe do próprio parque, com a Tati e com a colega Luciane Zamban Schilling.

Ao chegarmos fomos recebidos pela equipe do parque – Leandro Gausmann, Rosani Boeira Ribeir, Milena Rota Sena e o Felipe. Durante toda nossa estada nos acompanharam na interação com os diferentes players e espaços, dentro do possível, porque para conhecer tudo e todos precisaríamos mais que um dia e uma noite.

http://pelotasparquetecnologico.com.br – “O Pelotas Parque Tecnológico tem como foco principal o desenvolvimento de produtos e soluções inovadoras para nós e para o mundo.Para que isso seja possível, foram escolhidas três grandes áreas de atuação nas quais o município já se destaca como polo: tecnologia da informação e comunicação; tecnologia em saúde e indústria criativa”

“O Pelotas Parque Tecnológico é o ambiente para convergência de interesses comuns. Local onde a sinergia entre os players consolidará o ecossistema de inovação e cooperação da cidade e da região, onde instituições públicas e privadas trabalharão em conjunto para o desenvolvimento. Nosso foco principal é o desenvolvimento de produtos e soluções inovadoras para nós e para o mundo.”

Há um grupo no Facebook exclusivo do Pelotas Parque Tecnológico em https://www.facebook.com/groups/183711252024683/

Av. Domingos de Almeida, 1785 – Areal – CEP 96085470 – Fone (53)32257755 – contato@pelotasparquetecnologico.com.br

 

 

1

Debate GP + SM + PMO + Agile Game

Um debate sobre papéis, compartilhando experiência e aprendizados, com profissionais de diferentes vivências e skills, debatendo a atuação de Gerentes de Projetos, Scrum Masters, escritório de projetos e agile coach.

Todos profissionais com participação em grandes projetos, nacionais e internacionais, locais e distribuidos, que atraiu uma galera muito pilhada, sala cheia, muita gente querida, conhecida, que muito contribuiu com boas perguntas e melhores contribuições.

  • Carol Veeck
  • Felipe Diehl
  • Juliano Acauan
  • Willian Ribeiro
1

F5 GVDASA 2018 – Design Thinking e Toolbox 360°

A 7ª edição do evento F5 reuniu instituições de ensino básico e superior de todo o país para abordar temas relevantes para o mercado educacional em um dia de palestras, workshops, cases de sucesso, debates e muito networking.

O F5 2018 foi realizado no dia 16 de agosto, durante todo o dia no Hotel DeVille Prime e contou com várias trilhas em paralelo na área de eventos do hotel, com uma super-estrutura e com uma organização impecável.

Uma tarde ímpar no F5, com 5 trilhas e em uma delas eu e o Eduardo Meira Peres com uma oficina de Design Thinking com The crash Course e Toolbox na educação, com a presença de todas as grandes redes de ensino … clientes e parceiros.

Workshop Design Thinking na Educação

Para evoluir a educação é preciso fazer uma revolução nas escolas e universidades, ver o aluno como cliente na concepção daquele indivíduo único que receberá o maior valor – o conhecimento, e não apenas quem pagará valore$. Essa revolução do ensino já não depende de livros. Não existe uma fórmula mágica. Depende da cultura local, do perfil dos envolvidos e, acima de tudo, depende de método – Agile, Design Thinking, Gamestorming, Gamefication.

O objetivo desta oficina prática é trabalhar técnicas de Design Thinking sobre o tema Educação, experienciando o trabalho colaborativo para brainstorming e modelagem de soluções frente a um desafio típico do universo escolar que será definido pelos próprios participantes do workshop – técnica utilizada por empresas de referência e universidades do Vale do Silício, replicadas mundo afora.

O Workshop Design Thinking para Educação é uma iniciativa voltada a propôr alternativas mais abertas, colaborativas e construtivistas para uma educação mais participativa. O ensino baseado em linha de produção foi um primeiro passo, chegou a hora de seguir adiante. Vamos nessa?

 

Fonte: http://www.dtparaeducadores.org.br
Conheça os facilitadores do workshop:
Jorge Horácio Audy é uma persona marcante, dono de um estilo irreverente e divertido que faz os workshops ministrados por ele se tornarem um show a parte. Consultor sobre métodos ágeis na DBServer, Professor na Escola Politécnica da PUCRS, Mestre pela Escola de Negócios da PUCRS na linha de pesquisa sobre Gestão da Informação, blogueiro e autor dos livros SCRUM 360º, Toolbox 360° e Jogos 360°. Escoteiro e agilista 24 horas por dia.
Eduardo Meira Peres tem um perfil low profile e deixa a dose de extroversão por conta do seu colega Jorge Audy, apesar de ser do signo de gêmeos e trazer muitas personalidades dentro de si, como ele mesmo diz. Professor na Escola Politécnica da PUCRS com atuação em cursos de graduação e MBAs. Diretor da DBServer, onde coordena o time de Design e facilita atividades de inspiração, experimentação e implementação de projetos usando Design Thinking, Lean Startup e Métodos Ágeis. Graduado e Mestre em Ciência da Computação pela UFRGS.
0

Benchmark

É mais que analisar a concorrência, é tirar o máximo de proveito dos dados, informações e conhecimentos disponíveis sobre qualquer fonte, física ou virtual, primária ou secundária. No Design Thinking é a Pesquisa Desk, o Gartner oferece uma ideia de quadrante mágico, um eixo de inovação e execução, mas com frequência usamos planilhas comparativas de features, pontos fortes e fracos, valores e recursos necessários.

Ludicamente, é como um arquiteto ou estilistas que busca inspiração nas artes, nas ruas, revistas, hoje em dia a web é ponto de partida para tudo, mas com o cuidado de não se limitar, porque o mundo real desperta outros sentidos e percepções … eles chamam de repertorizar. Benchmark é evitar tentar reinventar a roda.

Se você teve uma ideia, o primeiro passo é pesquisar e ver quem mais a teve, a quanto tempo, quantos produtos semelhantes já estão no mercado, quais seus pontos fortes e fracos, características e estratégia adotada por suas empresas, matriz de funcionalidades, comercialização, …

Significado: “Benchmarking é um processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais, e é um importante instrumento de gestão das empresas. O benchmarking é realizado através de pesquisas para comparar as ações de cada empresa. Tem o objetivo de melhorar as funções e processos de uma determinada empresa, importante aliado para vencer a concorrência, uma vez que analisa as estratégias e possibilita criar e ter ideias novas em cima do que já é realizado.”

Sempre que já existem opções, como sistema atual, alternativas, concorrentes, é preciso conhecê-los e compará-los, quer seja para não cometer erros conhecidos, como para inspirar-se naquilo que o mercado já confirmou ou rejeitou. Abaixo algumas matrizes comparativas para efeito de ilustração, entretanto benchmark pode vir na forma de um relatório ou fichas descritivas:

0

Focus Group para assistir, pesquisar, consultar, avaliar

Focus Group é uma técnica de pesquisa qualitativa em que um grupo de pessoas é reunida em um ambiente exclusivo e interativo, questionados sobre suas percepções em relação à produto, serviço, conceito ou ideia ali apresentados. Neste contexto, assistido pelos facilitadores, visíveis ou ocultos, cada convidado é livre para falar com outros participantes, experimentar, opinar, debater.

Deve ser realizado em um ambiente adequado, descontraído, funcional, observável, registrando não só a opinião mas as interações entre os membros do grupo, o volume de dados gerados e riqueza de detalhes verbais e não verbais. Bem desenvolvido, geram um mar de oportunidades, analisados em tempo real e a posteriori por equipes multi-disciplinares que assistem a suas gravações.

focus-group

A análise dos dados dos grupos focais apresenta desafios e oportunidades quando comparado a outros tipos de dados qualitativos. Por ser uma experiência de grupo em ‘laboratório’, pode inibir ou potencializar, gerando características únicas e desafiadoras nos dados. Um facilitador inexperiente com certeza pode conduzir ou desperdiçar relevantes sutilezas e situações.

Existem variações para a realização de Focus Group, mas a mais comum trata-se do convite de grupos contendo de 6 a 12 participantes, onde um produto, serviço, conceito ou ideia é apresentada para opinião, podendo haver livre debate, apenas moderado a nível de dinâmica, mas jamais influenciando de alguma forma a opinião dos participantes.

Na minha dissertação de mestrado eu lancei desta técnica para convidar especialistas em implantação de metodologias ágeis para que de forma independente e sem influência externa cada um pudesse avaliar meu artefato de pesquisa e posicionar-se de forma a legitimá-lo e aprimorá-lo.

FOCUS GROUP ÁGIL

Em meados do mês de Outubro foi realizado um Focus Group organizado  pelo doutorando Guilherme Wiedenhoft e pela professora Edimara Luciano, que por acaso também é minha orientadora, com um formato a partir de dinâmica típica de um User Story Mapping. Uma semana antes debatemos o formato e eles optaram pelo uso de um Canvas semelhante ao quadrante mágico do Gartner com eixo X de Relevância (valor) e Y crescendo de específico para genérico.

Para ler mais sobre o tema de Efetividade em Governança de TI, linha de pesquisa da Profa Dra Edimara M Luciano, orientadora do Guilherme e minha:

O quadrante mágico eu uso a anos em workshops para gestão do tempo (importante x urgente), para princípios (crença x realização), para retrospectivas em debates no plano de ação de mudanças (valor x investimento). O principal benefício é favorecer a participação colaborativa e o uso de percepção visual, auditiva, motora, instigando a atenção, argumentação e convergência.

DSC06461p

O Focus Group iria discutir a relevância e validade de um pack de mais de 50 indicadores de efetividade da Governança de TI. Dados que vieram sendo levantados pelo Guilherme em meio a seus estudos, em uma revisão teórica sobre o tema e junto a especialistas. Ele concluiu o mestrado recentemente e hoje cursa o doutorado no PPGAd / FACE / PUCRS.

A dinâmica teve a oportunidade de acontecer em uma sala muito descolada, forrada de fórmica branca em todas as suas paredes, bem iluminada, agradável e que permitiu muita interação entre todos os participantes.

Iniciou com uma explanação feita pelos facilitadores, explicando a dinâmica e realizando um pacto a favor da colaboração franca e participativa. Os quadros, da esquerda para a direita, cfe segue:

  • Um quadro com a legenda de cores para cada critério (ilustrativo);
  • Um quadro contendo todos os indicadores sugeridos para cada critério, a serem discutidos e remanejados no transcorrer do debate;
  • Um canvas com os eixos crescentes de relevância (X) e utilidade (de nicho até os mais generalista);
  • Um quadro para os postits dos indicadores que o grupo concluísse como NÃO sendo indicadores ou inválidos para governança de TI.

canvas-focus-1

Durante o Focus Group, no transcorrer dos debates, os postits foram sendo movidos para os quadrantes do Canvas principal de valor e utilidade ou considerados inválidos. O legal desta dinâmica é que a cada nova movimentação somos obrigados a rever e validar os anteriores, reposicionando-os, reavaliando quando necessário um ou mais dos anteriores frente a novas percepções, pois na medida que se desenvolve vamos mais entendendo e nos apropriando.

canvas-focus-2Como qualquer outra técnica produtiva, o tempo deve ser planejado em mínimos ou máximos (timeboxes), pois se for rápido demais é porque não houve a devida reflexão, se for demorado demais, cansa e torna-se improdutivo. O tempo foi cumprido, uma hora e meia de debates, inicialmente contidos e um pouco caótico como sempre, seguido de um crescente de entendimento e posicionamento de parte a parte … muito legal.

Como sempre, uma pilha de lições aprendidas, coisas a iniciar, a manter e a melhorar … mas uma experiência interessante a ser compartilhada e repetida. Os eixos do Canvas são ajustáveis a cada tipo de pesquisa, assim como há vários outros formatos de Canvas, este é apenas um a ser considerado.

focus-3

0

Debates em Open Space

Open Space é uma técnica excelente para debates em grandes grupos, usualmente com tema(s) escolhido(s) pela galera e debatido em sub-grupos de forma a chegar a um bom termo em intervalos combinados de tempo e com apresentações dialogadas ao final.

No Agiles 2011 em Buenos Ayres a tarde do último dia foi realizada em várias salas, a partir da proposta de temas e votação da galera … durante dois dias a galera propôs e votou nos temas, que ganharam salas e horários, para que cada um escolhesse de quais participar.

Lembro que na entrada de cada sala havia um cartaz com a Lei dos Dois Pés em espanhol, dizendo que se você não está aproveitando nem ajudando, use seus dois pés e vá para um lugar que faça isso … esse é o espírito do Open Space, participação e debate.

Eu uso muito este formato de debate em grandes grupos, dividindo o grupo em equipes, cada sub-grupo discutindo e chegando a algo (conclusões, planos de ação, posições), que eram ao final compartilhado com os demais. Com certa frequência compilando coletivamente o melhor de cada grupo.

Como exemplo, no link abaixo tenho o relato do primeiro Open Space do grupo TecnoTalks que organizei em Julho de 2012 para estabelecer as regras e normas básicas para a nossa comunidade de prática sendo criada – https://jorgeaudy.com/2012/07/19/balanco-do-open-space/

Existe farto material sobre esta dinâmica, da uma olhada na Wikipedia – https://en.wikipedia.org/wiki/Open_Space_Technology

E o cara, um depoimento por Martin Fowler sobre estas dinâmicas – https://martinfowler.com/bliki/OpenSpace.html