KeyNote Amyr Klink – PMIRS

Quando o Amyr Klink começou a palestra falando de pinguins, colônias de centenas de milhares deles, como se reconheciam e como ele admirava os bichinhos, relatando suas experiências, quase dava para sentir o cheiro e o aparente caos em meio aquela multião de animais virtualmente idênticos, eu cheguei a pensar que a palestra seria mero entretenimento.

Não poderia estar mais enganado, na sequencia o tempo vôou em meio a relatos de vida 100% aderentes a um seminário de gerenciamento de projetos, incrivel como em meio a vivencias tão ímpares, entre mais de cem viagens oceanicas, experiencias únicas em meio a imensidão do gelo antartico, um universo de projetos, resultando em 28 anos de viagens seguras, sem acidentes.

“Em um de seus projetos, ficou 15 meses sozinho, em meio ao gelo, quando percebeu quea cada minuto temos centenas de pessoas se preocupando com coisas que não nos preocupamos – água, energia, esgoto, trânsito, bens de consumo. Dos 15 meses que poderia fazer o que quisesse, a maior parte do tempo teve que fazer o básico para sua sobrevivência”. Citou um exemplo de desperdício, ficou 33 horas descongelando e estocando água, para não ter que fazer isto diariamente, mas durante a noite, tudo congelou nos compartimentos.

Após alguns anos e muitas aventuras, concebeu um projeto de vida que fosse um desdobramento de sua visão de mundo, sempre inovador, usando a teoria acadêmica e a experiencia prática de quem faz, em um estaleiro que viria a desenvolver técnicas e soluções que desafiaram a história das embarcações a vela e da navegação, de olho no futuro, em novos materiais e em habitações sustentáveis sobre a água.

“O grande desafio hoje é conseguir unir o conhecimento acadêmico com a experiência aplicada, a soma gera inovação.”

Avesso a patrocínios, sereno ao falar da busca e eliminação de desperdícios, na conciência da importância de ter um time de atitude, recusar-se a ter um não baseado na teoria, atento a oportunidades de eliminar pressupostos e construir algo inovador, com parceiros que tenham orgulho do que estão construindo, valores e objetivos claros e interiorizados, enfim, sem sombra de dúvida, creio que assistimos a um grande agilista.

“Arrogância é uma atitude péssima em um projeto, não podemos acreditar que somos tão bons e auto-suficientes, que seja desnecessário validar nossos planos … a surpresa pode ser o fracasso!”

Em especial, deteve-se a elogiar a gente brasileira, que Brasil afora temos mais de 350 tipos de embarcações típicas, ribeirinhas, algumas com soluções impressionantes, na Bahia em Guaraqueçaba relatou um tipo de embarcação feita de um único tronco que chega a 26 nós (+/- 50 km/hora) … bem como da habilidade de seus construtores, que mesmo sem formação acadêmica, possuem um profundo conhecimento de hidrodinâmica e técnicas náuticas.

“O importante em um projeto é manter uma janela sempre aberta para uma visão externa, as vezes não vemos algo que esta bem a nossa frente e mesmo alguém com menos experiência lhe abrirá os olhos!”

Sobre o acidente da base antartica brasileira, que pegou fogo e levou a óbito duas pessoas, disse que não é possível aceitar um projeto baseado em puxadinhos, pois isso era nossa estação, um reinado dos puxadinhos. Quanto ao prazo de 5 anos para montar uma nova, garantiu que no máximo demandaria 5 semanas, sendo o prazo governamental (e provavelmente o custo) absurdos – se couber a carapuça, isso deve servir de alerta a muitos GP, né ?

“A grandeza que o ser humano não tem controle e nunca terá é o TEMPO!”
“Evite relaxar na última milha de um projeto, é quando dá errado!”
“A festa da cumieira é um erro, devemos festejar a chave na porta!”

Fica a maior dica: Um projeto não deve ater-se apenas ao seu ponto princípal, o seu cotidiano ou momentos (partes) menos nobres são igualmente importantes, as vezes são a chave para o sucesso. Quantas vezes em projetos web não nos preocupamos com o site e acabamos penalizando e gerando um imenso problema no nosso backoffice … para quantos sites de estética elegante e inovadora, geramos um processo de manutenção caótico … porque usar 7 camadas, estado da arte, para um simples hotsite, tornando sua manutanção onerosa e dolorosa  😦

“Não basta ter o suprassumo da tecnologia, da gestão, precisamos ter a atitude certa das pessoas!”

“A gente acha que tesouro é algo que irá cair do céu, mas na verdade, é aquilo que desejamos e perseguimos, trabalhando para fazer por merecer.”

Um comentário sobre “KeyNote Amyr Klink – PMIRS

  1. Pingback: Um ano e meio de blog – Obrigado galera! | Jorge Horácio "Kotick" Audy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s