BA DAY – Turno da Manhã

O BA Day (*) é organizado anualmente pelo Chapter de Porto Alegre do IIBA (*) para disseminar conceitos e práticas de análise de negócios, posto que a próxima edição do BA Brasil será em São Paulo, o IIBA investiu este ano no BA Day, realizado hoje (24/11/2012) no prédio da FACE (*) na PUCRS.

(*) BA Day = Business Analysis Day
IIBA = Instituto Internacional de Análise de Negócios
FACE = Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia

08:30 – Abertura foi feita pelo colega Luiz Cláudio Parzianello e Filipe Sardi, respectivamente presidente e diretor de tecnologia do Chapter do IIBA Porto Alegreque, apresentaram o IIBA e sua contextualização no Mundo e Brasil.

09:00 – Marcelo Neves, presidente do Chapter IIBA RJ, falando sobre o passado, presente e futuro da Análise de Negócios, que não é só registrar os requisitos ditados pelo cliente, tirando um pedido e construindo aquilo que ele pediu, é sim o ato de entender o problema, a necessidade, desenhando o seu contexto, para indicar a melhor alternativa, atuando como coach neste processo, ampliando as percepções do cliente e convergindo com ele e envolvidos para solução, usando para isso:

  • Foco – Pessoas, Eventos, Ferramentas e Informação
  • Ponto de Vista – Estratégia, Tática, Logística e Prática

Há quatro ingredientes principais e ele aprofundaria os dois primeiros:

  • Escopo da mudança
  • Escopo da Análise de Negócios
  • Metodologias e Técnicas
  • Competências Fundamentais

Ele deixou claro uma peculiaridade histórica, o BABOK 2 foi construído com um mix predominante de profissionais oriundos de TI, assim, teve um viés muito forte de AN dentro da TI, enquanto o BABOK 3 que será lançado nos próximos dias teve um mix bastante generalista, com uma minoria de profissionais de TI, que lhe proporcionou uma abordagem mais organizacional e estratégica:

  • Abordagem Agile
  • Não centrado em projetos
  • AN feita por outros profissionais, além de analistas de negócios

O primeiro ingrediente aprofundado foi o Escopo da Mudança:

  • Amplitude da mudança
  • Intensidade da mudança
  • Valor e soluções entregues
  • Abordagem das entregas
  • Premissas (espectro)

O segundo ingrediente aprofundado foi o de Análise de Negócios:

  • Patrocinador (~ Sponsor)
  • Change Targets (~ StakeHolders)
  • Business Analyst Position
  • Resultados

Algumas perspectivas apresentadas foram a Agile, a TI Analítica, BPM, TI e EBA, tendo esta última uma rápida explanação. O Enterprise Business Analyst trabalha mais a nível estratégico, pela integração do negócio como um todo – estratégia, investimento, recursos, processos, executivo e top-down. Pontuou o ciclo de Business Transformation e o foco em amplificar o valor da organização.

Devo destacar a Target Trust, uma das patrocinadoras, que nos seus 5 minutos deu um bom exemplo de parceria, apresentando a empresa e seus serviços de forma completa, sucsinta e interessante, logo em seguida, entre as 10:00 e 10:30 houve o Coffee-break e muito networking …

10:30 – Carolina Mobus, da diretoria do PMI-RS, falou sobre a Análise de Negócios na gestão do Portfólio de Projetos, instigando uma visão sobre a análise de negócios em TI como fundamental para viabilizar a estratégia da organização. A gestão de portfólio vem apoiar o ciclo positivo composto por [Estratégia + Projetos + Resultados].

Portfólio compreende “um conjunto de projetos ou programas e outros trabalhos agrupados para facilitar o gerenciamento eficaz desse trabalho a fim de atender aos objetivos de negócios estratégicos”.

“Mais importante que construir a ponte é construir a ponte na direção certa”
“Mais importante que fazer certo o projeto é fazer o projeto certo”
“Evite ser metralhadora, atirar para todo lado, esperando acertar em algo”

Sete aspectos para o sucesso – alinhamento, valor, estratégia, solucionar impasses, prazos e resultados, balanceamento e dimensionamento.

Aspectos do cenário atual – falta visibilidade, falta alinhamento, muitos projetos em andamento, projetos errados,  falta priorização e falta balanceamento.

As áreas de conhecimento são duas, governança de portfólio e gerência de riscos em portfólio, enquanto também temos dois grupos de porcessos, alinhamento e monitoramento/controle. Isto tudo, considerando que temos um planejamento estratégico como pré-requisito para uma efetiva gestão de portfólio:

  • Identificar e elencar os componentes
  • Categorizar conforme relevância para a organização
  • Avaliar através da coleta de informações
  • Selecionar uma lista reduzida conforme critérios estratégicos
  • Balancear a lista
  • Comunicação
  • Autorização para alocação
  • Revisar e relatar o andamento e os resultados
  • Monitorar as mudanças na estratégia
  • Desenvolver gerenciamento de riscos

Há limitadores, como por exemplo a capacidade da organização e a qualidade da informação, que devem ser embasadas e qualificada, assim potencializando [Analise de negócios + gestão de protfólio + gerencia de projetos].

Clique aqui, achei um material bem legal sobre gerência de portfólio (PMI).

11:10 – Eduardo Fayh, general manager da ThoughtWorks POA, apresentando a facinante cultura da ThoughtWorks e como ela desenvolve Consultores (analistas de negócios) que ainda não conhecem o mundo de TI (nutricionista, professora de Inglês, comércio exterior, …).

Privilégio ter alguns dos colegas de empresa nomeados como signatários do manifesto ágil, a galera da TW sabe o que isto significa, pois contam com Martin Fowler e Jim Highsmith, que já visitaram o escritório deles aqui de POA.

A ThoughtWorks possui tres pilares em sua missão:

  • Run a sustainable business
  • Revolutionize IT; champion software excellence
  • Advocate passionately for social and economic justice

Seus valores são baseados nas seguintes premissas:

  • Customer commitment – Delighting our customers;
  • Social responsibility – Creating a better world;
  • Uncompromising principles – Respect. Openness. Humanity;
  • Best people – An exceptional community;
  • Fun – Have fun. Be passionate;
  • Entrepreneurialism – Imagine. Pursue;
  • Global – A transnational team.

O tema mais esmiuçado é o conceito da TW University, que passa 4 semanas de imerção na sede deles na Índia, realizando estudos, workshops, entendendo a cultura de uma empresa multinacional que valoriza o Aprender Fazendo, oportunizando para isto um projeto real, usualmente algo comunitário e sustentável.

O que procuram na etapa de seleção, que pode envolver mais de 10 entrevistas, na busca por pessoas questionadoras, empreendedoras, com atitude e habilidades inter-pessoais de conciliação, negociação, valorizando os que pensam fora do padrão, que tenham vivências inusitadas, …

Refletiu que no passado havia um analista de negócios para vários times de desenvolvedores, hoje sabemos que esta proporção equilibrou-se, podendo haver vários analistas de negócios para igual número de desenvolvedores.

Após este post, clique aqui e leia o relato do turno da tarde.

1 comentário

  1. Jorge, muito obrigado pelos relatos. Muito legal saber o que rolou, coisas novas e visões interessantes. Para a visão de portfólio do PMI ficar perfeita só falta abandonar projetos e passar a pensar em produtos. Acho que isso não acontece tão cedo 🙂

    O BABOK 3 parece muito promissor. Espero que ajude a resolver o problema da imagem do AN preso dentro de projetos ou preso dentro da TI.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s