Equipe Ágil ou Negócio Ágil ?

Uma equipe é apenas um dos elos da corrente

Pois é, começamos, entendemos o recado, estamos no caminho, os resultados são visíveis, estamos melhores que antes, mas após alguns meses começamos a querer mais, queremos que as outras áreas alinhem-se ao novo modelo, entendam o que é valor iterativo, transparência, “kaizen”, realismo, “baby steps”, mínimo produto viável, etc

No curso de Kanban com o Allison Valle, a frase de um colega chamou minha atenção, eles disseram que para eles o movimento inicial em agilidade foi “subversivo”, isolado, demorou anos para que as gerências e outras áreas percebessem que valia a pena entender e replicar … antes tarde do que nunca!

Se conseguirmos melhorar em 100% os resultados de uma equipe-meio, estão melhoraremos todo o conjunto em talvez 10% ou 15%, pois uma equipe depende de insumos e endereçamentos feitos pelas demais áreas da empresa e de fora dela – clientes, fornecedores, parceiros, os famosos stakeholders.

O colega Luiz Parzianello, referência em agilidade no Brasil e no mundo, nos falava muito em “negócio ágil”, em desenvolver todo o ecosistema em que estamos inseridos dentro de princípios ágeis. Desde então, compartilhamos nossas experiências com áreas diversas, de backoffice a negócio, garantindo ganhos de comunicação, transparência, inspeção diária e adaptação.

As equipes de áreas mais tradicionais, por exemplo as administrativo-financeiras, possuem maior resistência a sequer querem abrir esta discução, mesmo que o diagnóstico inicial seja sempre o mesmo e provavelmente também seja o feedback positivo ao final :

  • melhorar a comunicação;
  • mais autonomia, com responsabilidade;
  • ter orgulho do time e de sua execução;
  • transparência e realismo a cada passo;
  • reconhecer e ser reconhecido;
  • ousar, inovar, surpreender;
  • realizar-se e ser feliz.

Há um rol de técnicas que potencializam este esforço, algumas delas afeitas a toda e qualquer área em que se trabalhe em equipes, outras adaptáveis conforme características e talvez algumas poucas específicas para certos contextos :

  • pactos de time (acordo explícito de convívio inter-pessoal);
  • lições aprendidas (reuniões para identificar pontos de melhorias);
  • quadro de tarefas (gestão visual das principais tarefas em curso);
  • reuniões diárias (reuniões relâmpagos para colaboração e decisão);
  • planejamento (reuniões para planejar as próximas entregas);
  • sonhos (brainstormings com foco em relevância e priorizações);
  • revisões (reuniões de entrega do trabalho realizado);
  • etc

Uma premissa ágil é “não fazer estoques” de idéias, de pressupostos, coloque para rodar, experimente, comece com algo sensato e vá refatorando e melhorando continuamente. Na trilogia “Senhor dos Anéis” tem uma frase que eu gosto muito : “É perigoso sair porta afora, Frodo. Você pisa na estrada, e se não controlar seus pés, não há como saber até onde você pode ser levado.” (Bilbo Bolseiro)

Um comentário sobre “Equipe Ágil ou Negócio Ágil ?

  1. Pingback: Um ano e meio de blog – Obrigado galera! | Jorge Horácio "Kotick" Audy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s