0

Sua Toolbox também precisa ser ágil

Chamo de Toolbox a capacidade cognitiva em buscar, experienciar, aprender e ser capaz de ter uma análise crítica, comparativa e ponderada sobre diferentes técnicas e boas práticas quanto a sua efetividade e potencial.

Opção #1: Ter apenas sempre as mesmas ferramenta é um perigo, porque vamos querer usá-las para resolver tudo o que vier pela frente. Afinal, para quem só tem um martelo, tudo adiante será tratado como prego;

Opção #2: Sem critérios, ter as ferramentas erradas é um problema, pois custa adquiri-las, pesa carrega-las e provavelmente serão mal usadas ou sequer terão utilidade prática, ficando como enfeite;

Opção #3: Ser ágil na agilidade, apoiando a gestão do conhecimento, nos times, nas áreas, na organização, experimentando novas práticas, disseminando-as e expurgando-as quando não agregarem valor.

Parece brincadeira, mas conheço muita gente boa que fecha os olhos para novas técnicas, descartando-as antes de experimentar, bem como quem adota técnicas por modismos, mesmo que não gerem valor, só para tirar fotos e postar.

Desde 2012 venho compartilhando mais de uma centena de técnicas, primeiramente pelo meu blog (http://jorgeaudy.com), no livro Toolbox 360º, no jogo Desafio Toolbox e disseminando uma técnica que chamei de Toolbox Wall.

Estratégia, ideação, modelagem, planejamento, discovery, delivery, engenharia, gestão do conhecimento. Há hoje no blog, no jogo e no mural mais de 120 técnicas explicadas, ilustradas, linkadas e com opinião.

Mas isso é só o ponto de partida, pois o esperado é que técnicas sejam incluídas, mantidas ou expurgadas de forma auto-organizada, conforme sejam realmente úteis e mereçam estar na sua Toolbox.

Já interagi e incentivei estas técnicas com grandes empresas e startups, compartilhei nos principais eventos sobre agilidade e de TI, mas ainda tenho a sensação de que há muito por fazer.

O blog http://toolbox360graus.wordpress.com tem em formato portfólio as cartinhas do jogo e do wall, cada uma delas clicável, com pelo menos uma lauda de descrição, imagens e referências.

Por enquanto está no MVP, a ideia é evoluir após a validação deste primeiro MVP e seus feedbacks, mas já tem um índice em toolbox360graus.wordpress.com/indice. Enquanto não sair o MVP2, se tiver interesse no livro, no game ou no wall … é só falar 🙂

Takeushi e Nonaka foram também colaboradores da Teoria da Empresa que Aprende, daí surgiu o modelo SECI de gestão do conhecimento, o Conceito de Bá, a estrutura em hipertexto, semelhante a dual de Kotter, mas propondo uma terceira camada além da formal, rede, uma dedicada a GC.

0

Agile Trends 2018 – pontos de referência

Uma palestra que batizei de Breadcrumb, alusão a marcar a trilha, pontos de referência, porque nem só nos guias de alguns poucos frameworks está o traçado que devemos estar atentos nessa caminhada ágil.

Primeiro, os princípios ágeis, boas práticas e frameworks não se sustentam sozinhos, é preciso construir estruturas em rede, como proposto por Takeushi e Nonaka na estrutura em hipertexto para empresas que aprendem e na Dual de Kotter (clique aqui para ler sobre hipertexto e dual).

Eles não propuseram uma holocracia (1) nem anarquia (2), mas o estabelecimento e coexistência de uma estrutura formal e organizada que apoie sub-estruturas dinâmicas e auto-organizadas em múltiplas redes com propósitos específicos.

(1) Holocracia é uma forma de administrar que substitui a estrutura hierárquica por uma com auto-distribuição da autoridade.

(2) A Anarquia é humanista e defende que grupos humanos são capazes de se organizar de forma não hierárquica, descentralizada e dinâmica.

Segundo, é a desmistificação de que existe um só Agile para todos, o próprio mindset e princípios se ressignificam frente a diferentes contextos, conforme estrutura, complexidade organizacional, tecnologia. Outro mito de alto risco, é uma TI apenas Bi-Modal, que percebe ou algo previsível e controlado, ou inovador e auto-organizado.

A ideia Bi-Modal foi útil e colaborou para a introdução do Agile em grandes organizações, mas está na hora de deixá-la para trás e buscar novos passos. O substrato é um só, precisamos de empresas mais ágeis, flexíveis, absortivas (leia mais sobre Teoria da Absorção aqui), se utilizando de uma grande Toolbox em prol de uma organização Lean.

Terceiro, inexiste profissional com sua carreira, startup com suas hipóteses, até grandes organizações com suas áreas, produtos e serviços que possam prescindir de um bom portfólio baseado em sua missão, visão e objetivos, que mesmo dinâmicos, nos oferecem um norte para avaliação, seleção e priorização de nossos investimentos de qualquer natureza.

A existência de um Norte é base para a manutenção de portfólio, sub-portfólios, projetos ou operações que nos impulsionam a frente. Assim como a Alice, se não sabemos ou pressupomos onde queremos ir, corremos o risco de gerar grandes desperdícios, inclusive o de não estar atentos a oportunidades de antecipação, mudança, otimização ou potencialização de resultados e valor.

Quarto, uma gestão visual sobre as atribuições, projetos, operação, planejamento e prioridades de equipes de uma área, gestão ou negócio é essencial para a construção do senso de pertença e coletivo. Uma visão transversal ativa a comunicação e contribuição além da própria tarefa e objetivos singulares.

Além disso, o papel da liderança ainda será essencial por muito tempo, vai além da auto-organização e redes, um processo de desenvolvimento de pessoas, equipes, áreas e organizações (intra e inter) gerará cada vez mais autonomia e agilidade, mas o papel dos líderes no apoio e balizamento em aspecto de estratégia e equalização transversal é vital.

Quinto é o senso de causa-efeito, se queremos ser exponenciais, inicia pela consciência de que cada opção, decisão ou ação hoje geram consequências no futuro de curto, médio e longo prazo … Like efeito borboleta.

A base de tudo é auto-conhecimento, pessoas, carreiras, equipes, quais são forças e fraquezas, oportunidades e ameaças. Isso materializa senso de responsabilidade individual e coletivo, tudo tem causa e efeito, as soluções são em single e double loop (Cris Argyris).

Sexto é cadência, fluxo contínuo, ritmo, quer no encadeamento e sincronismo entre discovery e delivery, entre DoR e DoD, nos esforçando por ter a especificação antes de iniciar o desenvolvimento, atingindo o done, já validado, ok.

Aqui entra o esforço de DevOps, automação, fluxo contínuo, eliminar delays e sla, impossivel tornar-se uma equipe de alta performanca com perda de tempo (e dinheiro) por falta de fluides no processo, com tecnologia e esforço para eliminar todo e qualquer desperdício.

Por exemplo, nada mais inócuo e ilusório que pressão inconsequente, baseada na busca e geração de factóides, gerando todo tipo de retrabalho e desperdício. Value Stream Mapping, a busca pelo fluxo contínuo de valor um pouco a cada decisão, dia, sprint, ação consciente e coletiva.

Sétimo, o segredo de uma empresa que aprende está no uso de boas praticas de gestão do conhecimento. Você pode inspirar-se em comunidades de pratica ou de conhecimento, tribos e guildas, em conceitos de GC, Art of Hosting ou Dragon Dreaming.

A mitigação mais efetiva para desvios e postergações é o coletivo, é a parceria, a psicologia nos mostra que um grupo bem orientado e bem intensionado tende a minimizar alguns mecanismos inconscientes que nos levam a nossas zonas de conforto.

O Silas, colega de DB em SP transmitiu pelo meu celular um face live em duas partes, por deficiência da rede ficou bem truncado, mas esta aqui – link do primeiro vídeo – link do segundo vídeo. E abaixo tem algumas fotos pra ilustrar:

No meu bloco eu pareei com a Cristiane Coca Pitzer (Paddy Power Betfair), que falou sobre sua experiência nacional e internacional como Agile Coach.

AT 2018 – breadcrumb – vs08

0

Uma solução “Para todos nós”

Recentemente tive a oportunidade de conhecer o pessoal da 4All e da Uhuu, onde reencontrei ex-colegas, ex-alunos e grandes nomes da comunidade Startup do RS e Brasil. No salão de eventos ali na Furriel pudemos bater um papo sobre Agile, equipes, projetos, operações, princípios e pessoas.

Não há brasileiro ligado em tecnologia, inovação e empreendedorismo que não tenha ouvido falar do lançamento da 4All, startup com a grife do fundador da GetNet, José Renato Hopf. O desafio é ter um grande mix de funções em um só app – estacionamento, restaurante, serviço, transporte, eventos, esporte, etc.

É só baixar, tenho ele no meu celular a bastante tempo!

O argumento é convergência e escala, o meio é tecnologia e disrupção, a facilidade é uma experiência única e de valor, com uso intensivo de ferramentas de geo, machine learning, segmentação, computação cognitiva, etc. Para isso, conta com grandes nomes da TI e da comunidade de startups e empreendedorismo.

Em pauta a difusão e consolidação de uma cultura vibrante baseada em novos paradigmas profissionais esperados para o século XXI, mindset e princípios Lean, frameworks que vão desde Lean Startup, Scrum, Kanban. Foram bate-papos com muita interação, sem receitas ou amarras, buscando alinhar vivências e percepções de todos.



Teve inclusive um convite para a galera ir em um Sábado ao TecnoPUC exercitar o conceito de Toolbox Wall, quando trocamos presentes, eu ganhei uma camiseta do meu Grêmio com patrocínio da 4All e eu ofereci um kit do Desafio Toolbox.

Agradecimento, um dos guris sugeriu a digitalização das cartinhas com mergulhos, provocação que foi a gênese do blog Toolbox360graus dedicado a (hoje) mais de 120 técnicas e boas práticas. Essa iniciativa fechou um ciclo, pois tudo começou com o blog, que virou livro, que virou workshops, que virou um Agile Game, que virou uma técnica de GC, que virou um novo blog, agora especializado. \o/


São rodadas de alinhamento metodológico, um papo multilateral com grupos multidisciplinares, duração de um turno, sempre muito interativa e pragmáticas, baseada em diferentes modelos, paradigmas, disrupção, papo-cabeça mesmo, divertido e descontraído.

  • Histórico
  • Motivadores
  • Lean Thinking
  • Empresa & Carreiras
  • Frameworks
  • Toolbox
  • Scrum
  • Kanban
  • ScrumBan

Quer na Furriel ou TecnoPUC, a gente dá uma bagunçada no espaço, formando ilhas ou em espinha de peixe, sem a necessidade de cumprir um roteiro, com liberdade de derivar, focar e desfocar. Galera pilhada, querida, com muita sinergia e paixão, amo muito tudo isso!

0

Empresas e Projetos, como a vida, são Multimodais

Modelos normalmente são simples, com objetivo de passar um conceito, mas a vida real é sempre mais complexa. Isto não é uma crítica a modelos básicos e diagramáticos, é um elogio, pois eles conseguem simplificar e passar o recado em uma imagem una ou binária, fácil de ser assimilada.

O poder de materializar algo complexo em um modelo com alto nível de abstração e síntese é um poderoso artifício de comunicação, entretanto traz em si o risco inerente de que pessoas o interpretem de forma simplista, passando a negar seus desdobramentos, suas nuances e complexidade.

TI Bi-Modal do Gartner

Grandes modelos, aqueles de grande impacto e desdobramentos, assim como a TI Bi-Modal do Gartner, são obras a serem entendidas em seu tempo, efetividade e valor histórico. Neste caso, no início deste século, grandes empresas precisavam ser mais flexíveis e adaptáveis, mas queriam fazê-lo de forma “controlada”.

Hoje, grandes empresas ainda se apegam ao sonho da disrupção cultural tanto quanto à hierarquia e controle, mantendo processos tradicionais, híbridos e ágeis. A explicação vem de Schein, mudanças culturais geram angústia enquanto desapegamos do passado conhecido rumo a um futuro desejado mas desconhecido.

Bimodal-IT_Gartner

Design Thinking, Lean Startup e Agile

Há uma década o Gartner propôs com perspicácia e oportunismo singular uma opção estratégica para a adoção de métodos ágeis pelas grandes organizações, recentemente posicionou-se em uma visão holística sobre novos produtos e negócios, fundindo inovação e empreendedorismo a gerenciamento de projetos ágeis.

A cada mês sabemos de mais organizações que vem adotando e experienciando Agile, Design Sprints, gestão visual e colaborativa de portfólio, concepções criativas, inceptions, frameworks e boas práticas ágeis. Fato, temos a disposição uma grande toolbox, mas cada vez mais todos sob princípios Lean.

Princípios sustentam frameworks, que são apenas guias

Na minha crença, princípios e substrato Lean são os fatores críticos de sucesso na busca por organizações exponenciais, transformação digital, organizações que aprendem, estruturas duais (Kotter), capacidade absortiva orgânica, inovação e empreendedorismo, gerenciamento de projetos de negócios digitais.

Gosto de brincar com os conceitos visuais de MVP’s e de Pivot’s, uso eles na abordagem de que modelos simples passam um recado complexo, se você entendeu simplesmente um modelo simples, provavelmente ficou só na casca, é preciso quebrá-la como um ovo e tentar compreender a utilidade da membrana, clara, gema, proteínas. Com atenção, porque ao quebrar pode ser que não tenha nada disso, só um pinto amarelo 🙂

ahmed-sidky-keynote-14-638

Por outro prisma – frameworks

No meu entendimento, é preciso que optemos por um modelo, framework ou paradigma, para então ajustá-lo, agregar técnicas e boas práticas que ele não endereça.  Em um exemplo ilustrativo, eu agrego acima do Agile Subway Map da Agile Alliance o método, porque antes de sair pinçando técnicas é importante saber qual método, framework ou modelo estruturará meu processo, para então enriquecê-lo com o que ele não cobre:

agile subway map II

Breve abrirão as inscrições para discutir a TI Bi-Modal. O que mudou desde seu lançamento? Qual o momento das organizações? Qual o novo paradigma proposto, estratégias, cultura, frameworks? Se tiver interesse, será no dia 28/03/2018 as 19:00, divulgaremos lá no grupo TecnoTalks e ocorrerá no TecnoPUC – https://www.facebook.com/groups/tecnotalks/

0

Planejar sem um bom briefing é sabotagem

Não acredito em iniciar com paredes vazias, fosse assim e Lavoisier não teria entrado para a história, começo aproveitando o que se tem, mesmo querendo inovar, mesmo querendo ser disruptivo. Uma fonte para reflexão é a aprendizagem significativa de Ausubel.

Ausubel indicou o uso de subsunçores para a ancoragem do novo, facilitando a nova aprendizagem, segundo o autor o nosso cérebro identifica e entende o novo ou a inovação ancorando-os em algo conhecido, ou seja, a quebra de paradigmas precisa do paradigma a ser quebrado.

Sempre quero iniciar com um bom briefing de negócio, driver, ROI, status quo, personas, expectativas, jornadas, estabelecendo um debate sobre tudo aquilo que é relevante saber sobre tudo o que temos até chegar àquele momento, o que nos trouxe é a chave para seguir adiante.

Domínio e responsabilidade, é nossa obrigação em desafios de ideação ou planejamento primeiro aportar tudo o que já temos, não sonegar nada, jamais começar com uma parede vazia. Negar waterfall quer dizer não investir semanas se preparando, mas não é sonegar o que já temos.

Não interessa se é Modo 1 ou Modo 2, ambos podem ou não contar com a disponibilidade de mapas mentais, processos, dados de pesquisa, benchmarking, sistemas atuais ou concorrentes com seus mapas de funcionalidades, isso não é antecipar, isso é assertividade.

Dica: Jamais sonegue ou sabote seu próprio time das informações disponíveis, elas atuarão como substrato, como acelerador de sinapses, ponto de partida e provocação. Se não quer usar o que tem porque isso pode influenciar negativamente, seu problema é muito maior que esse.

Cada um de nós, precisamos ter em conjunto uma Toolbox proporcional ao nosso tempo, uma grande caixa de ferramenta com técnicas, frameworks, boas práticas, … para mim é inadmissível em 2018 achar que podemos somente ter um martelo, porque pro martelo tudo é prego!

Cada vez mais vejo empresas adaptando seus projetos, sustentação e processos de trabalho para ajustar-se a um framework ou técnica apenas porque alguém disse que é assim que tem que ser, por ser óbvio, lembra a fábula da roupa do rei, era de ouro mas só o rei poderia ver.

Repito o que tem sido meu mantra nos últimos três anos: Qual é a sua Toolbox? Quais as opções que você se permite para uma reunião de concepção, design sprint, ideação, modelagem, planejamento, … o seu uso é compulsório ou há uma escolha consciente dentre boas opções?

Se quiser saber mais sobre o conceito ToolBox 360°, o game pedagógico Desafio Toolbox e a técnica Toolbox Wall, são mais de 100 boas práticas, um grande buffet, recomendo um dos posts que fiz em 2017 com esta provocação ou o blog http://toolbox360graus.wordpress.com.

0

Um quadro estratégico e tático inter-equipes

Em uma consultoria recente os PO’s e analistas me pediram ajuda para organizar um product backlog compartilhado entre 6 equipes especialistas em suites de uma solução digital corporativa – financeiro, contábil, backoffice, etc.

Me baseei em um quadro de features por equipes do framework SAFe, onde temos cada equipe com suas features para o Train, garantindo uma visão tática por equipe x feature que dá suporte para algumas reuniões táticas e escaladas.

A necessidade era baseada em um backlog sendo priorizado por diferentes clientes e pela própria empresa para evolução e manutenção do produto. Queriamos um artefato que os ajudasse a ter uma visão clara transversal estratégica e tática para distribuição e acompanhamento.

Eu já havia ajudado a introduzir há alguns meses Scrum e Scrum of Scrums, que vinham trazendo bons resultados, mas agora os PO’s e analistas precisavam algo mais visual para o backlog nos próximos meses.

Diagramaticamente, reorganizamos os postits utilizados por eles em uma reunião recente de priorização com clientes, quando usaram um quadro de valor x esforço, com cores para 5 diferentes naturezas de ítens.

Simbolizei na imagem a principal diferenciação destacada, pois para cada time temos duas trilhas, uma para projetos (azul) e outra para sustentação (reserva técnica). O quadro visual é apenas para priorização e abstração em uma escala de tempo mensal.

O quadro ficará em um desses cavaletes com rodinhas, a granularidade dos tickets será por conveniência, coisas muito pequenas não serão representadas individualmente e o formato privilegiará selos com marcos, riscos e lembretes.

Cada postits azul representando projetos, no momento apropriado, terão sua própria inception e seu quadro de Release Plan junto ao(s) time(s) envolvidos, ficando aqui registrado apenas seus MVP’s e Releases.

O número de meses/sprints representados no quadro será um ponto de equilíbrio com foco em que o quadro facilite reuniões de estratégia com as equipes, diretoria e clientes. Também será um facilitador na mudança em curso para Agile no que diz respeito a gestão visual transversal, no plano estratégico e tático, compartilhada entre todos os envolvidos e interessados, inclusive stakeholders.

Relato GVDASA

Uma empresa de atuação nacional que vem fazendo sua transformação digital, com total apoio da alta direção, da gestão e equipes ágeis praticando Scrum, Kanban e realizando reuniões transversais seguindo Scrum of Scrums.

A mais de ano, cada equipe, desde a adoção, contando com profissionais que vem se empenhando em serem ágeis, agregar valor, evoluindo a cada ciclo, melhorando suas práticas ágeis através de experimentação x resultados.

“Já queria te dar um primeiro feedback. Recebemos um pedido de priorização de outra área, o item estava em 7º lugar no backlog, marquei um momento para discussão com os envolvidos e direção e utilizamos a técnica de comparação, ou seja o item a ser priorizado é mais importante que o 1º, 2º, 3º e assim sucessivamente. O resultado foi que todos concordaram que a priorização estava correta e deram um feedback positivo a respeito da clareza e transparência das prioridades que estão sendo trabalhadas.”

Vinicius Iager – coordenado de desenvolvimento GVDASA – Gestão educacional integrada, solução completa para a otimização dos processos acadêmicos e administrativos da sua instituição – http://gvdasa.com.br/

logotipo GVDasa

Conclusão

Não só as equipes envolvidas, mas a participação de clientes, líderes e executivos sempre é muito positivo ao se depararem com um quadro de portfólio, programa, ciclo ou Release Plan. Eles veem ali materializado seus objetivos, desejos, sonhos e expectativas.

Muito da alta pressão, “natural” em projetos de TI, é existir diferentes percepções e entendimentos relativos a prioridades e possibilidades. Ao estabelecer um quadro estratégico ou tático, toda a discussão sobre priorização (e mudanças) geram um único entendimento.

Não há regras pétrias de ticketagem (postits) ao iniciar o uso, tanto granularidade quanto diferenciação irão adaptar-se a realidade do tipo de portfólio, programa, ciclo, tecnologia, complexidade, volumes, equipes, pessoas, etc … Dê o primeiro passo, explicite e deixe que as retrospectivas se encarregarão de melhora-lo cada vez mais.

0

O mindset do Design Thinking na Educação

Inicie pensando Design Thinking na educação pela sua cláusula mais pétria, a empatia, enxergando o aluno como nosso cliente, com o qual é preciso estabelecer sinergia. Inexiste ensino sem aprendizado, logo entender seu cliente é essencial, assim como em métodos ágeis, é obrigação do facilitador, mentor ou coach, encontrar a técnica mais adequada a média e a cada cliente, sua cultura, subsunçores (âncoras ou conhecimento prévio), ensino tem duas vias para retroalimentar-se e melhorar continuamente.

Novas gerações

Não acredito em gerações pela data de nascimento, não é uma maldição, todos nós evoluímos, há pessoas jovens e velhas presas ao passado, tanto quanto jovens e velhos vivendo intensamente o presente. Entretanto, estes estudos nos ajudam a entender períodos de tempo.

Geração Y (Millenials), estão a noite em aula após o dia inteiro trabalhando em empresas que buscam novos paradigmas, Agile, DT, Fábrica 4.0, organizações exponenciais e duais, em aula buscam algo que ative sua curiosidade e exercitem na prática, não só na teoria.

Geração Z, multi-threads, multimídia, uma meninada que nasceu com um iPAD nas mãos, que escolhe o assunto, o filme, o jogo, tudo é on demand, a tentativa de exigir atenção em aulas padronizadas é quase o oposto de seu mindset, crenças e valores.

318574_518259324865092_1276841163_n

Novos tempos + novos alunos = novos professores

Ano de 2018 e tem muito professor que vê o aluno como um recipiendário, alguém que deve curvar-se a sua sapiência e receber um conhecimento de forma respeitosa, reverencial e se possível inerte, sem questionar, desconstruir e reconstruir. Na maior parte das vezes, professores cavam suas trincheiras em torno de um conhecimento estático, em meio a um mundo em movimento, impondo suas regras em aulas formatadas de forma a permitir apenas que o aluno escute, aprenda e agradeça.

Quanto a fazer diferente, tem gente que ainda acredita que aulas invertidas são disruptivas, mas aulas invertidas eram inovação na década de 80 do século XX, entretanto, no ano de 2018 do século XXI é inócuo apenas inverter, é preciso interagir e envolver, é preciso se utilizar de teorias e modelos da psicologia e sociologia para entender o aluno a sua frente e co-criar com ele o formato de aula que os mantenha atentos, interessados, alertas, reiteradamente resgatando sua vontade em experimentar.

Um resgate das escolas Gregas, cada indivíduo como único

Nenhum dos conceitos por mim defendidos é novo, ao contrário, não estou propondo uma revolução ou mudança a frente, o que proponho é um resgate, uma mudança atras, inspirando-se nas escolas gregas, com mentores e aprendizes, cada qual com muito a agregar a si mesmo (maiêutica-2016), a propôr e criar (poiesis-2015), a interagir e co-criar (pensadores do ensino e do aprendizado-2015).

Alguns posts são essenciais, um sobre Design Thinking (DT na educação-2015) e outro sobre os estudos de uma pesquisadora sobre o uso dos princípios ágeis na faculdade, não como conteúdo, mas como framework-base para disciplinas e aulas (Dra Yael-2006), com menos desperdício e mais valor agregado. É essencial termos ementas, mas instanciadas por MVP passível de ser ajustado, adaptado ao perfil e características de cada turma … na prática é a troca de professores estáticos por professores mais dinâmicos e adaptativos a seu tempo e seus alunos.

ensino-aprendizagem-rede

Espaços físicos e filosóficos para geração de conhecimento

Desde 2012 escrevo sobre o universo de Piaget (construtivismo educacional-2012), tanto quanto o Conceito de Ba (Takeushi e Nonaka-2013) como meio para a criação de salas de aula em seu sentido filosófico, um ambiente gerador de experiências e conhecimento, alinhado ao aprendizado significativo (Ausubel-2015) e ao aprendizado experiencial (Kolb-2015), chegando inclusive a lembrar o Conceito de Ba em relação ao ambiente proposto pelo DT e Agile, em salas diferentes daquelas propostas há 500 anos atrás (layout e grafitti-2017).

É preciso desapegar de educação e aprendizado ligado a seriedade e reverências a sapiência secular, é para ser divertido e interessante em todos os sentidos, em 11/06/16 fiz esta provocação, afinal, até o século XX, rir na igreja, trabalho ou escola era inadequado. Finalmente, eu tento adotar em minhas aulas princípios inspirados na Curva de EbbinghausAprendizado Experiencial (exemplos: 1ª aula, 2ª aula, 3ª aula, 4ª aula, 5ª aula, 6ª/7ª aula). Cometo erros, mas muito disso dá muito certo, de um semestre para o outro mudam não só os alunos, mas suas necessidades.

Novas escolas e modelos para educadores e alunos

Como mudar o status quo de sua escola, faculdade, cursos variados? Há uma infinidade de experimentos mundo afora, um mundo cada vez mais compartilhado na web e nas redes, antes de reinventar a roda é bom saber o que está rolando mundo afora.

Na Finlândia em 2015 houve farta divulgação por aqui sobre uma experiência na escola estatal em que deixariam de ter disciplinas, posto que cada aluno precisaria ter uma visão trans-disciplinar sobre o conhecimento que teria que ajudar a organizar e aprender. Há críticas, mas o que o governo busca é um equilíbrio entre o tradicional e o novo, oferecendo conteúdo estruturado e co-criação em um ou dois ciclos anuais.

Ao falarmos da China após as conquistas de melhores alunos em matemática em competição internacional e também dos Tigres Asiáticos, há o contraste em sistemas rígidos e conteudistas, centrados em conhecimento e não em criatividade e inovação, envolvendo jovens imersos em um sistema político e cultural que valoriza competições e domínio, mas nada afeito a questionamentos e auto-organização.

Nos Estados Unidos, diferentes iniciativas baseadas em Design Thinking vem se consolidando como um meio de auto-organização, de forma que dirigentes, professores e alunos contribuam por igual na construção de novos ambientes e modelos educativos para aprendizado ativo. O site abaixo é uma versão traduzida de uma destas propostas, focada em unir as partes envolvidas em um processo criativo para esta mudança.

DT-Educação

O vale do silício atrai alunos e profissionais pelo ecossistema aberto tanto a competição quanto a coopetição e colaboração, assim como Austrália e Canadá, Irlanda e Alemanha, são regiões que se anteciparam na leitura das crianças e jovens conectados do século XXI, que buscam algo que lhes ofereça liberdade com criatividade, apoio para que construam seu próprio caminho, aprendizado, propósito e satisfação em fazer parte.

Para encerrar, uma reflexão poderosa como mola propulsora para nosso esforço e mudança: Estamos-perdendo-uma-geracao-de-talentos (2017)