Qual é o seu QE? (quoeficiente de inteligência emocional)

Um termo cunhado em 1966 por Hanskare Leuner, psicólogo, acadêmico e pesquisador americano. Leuner publicou um artigo científico em que analisava causa e efeito entre a personalidade de um profissional e seu comportamento frente a desafios e atividades cotidianas no trabalho.

Howard Gardner em 1983 chamou a atenção para o tema acadêmico em sua teoria das inteligências múltiplas, introduzindo uma nova proposta com os conceitos de inteligência intrapessoal quanto de inteligência interpessoal.

Em 1990, os psicólogos Peter Salovey e John D. Mayer publicaram um artigo chamado Emotional Intelligence, na revista Imagination, Cognition and Personality. Foi Daniel Goleman que disseminou o termo e conceito no livro “Inteligência Emocional” de 1995, seguidos de artigos e entrevistas.

 “… capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e com nossos relacionamentos.” (Goleman, 1998)

Escritor, psicólogo e PhD por Harvard, trabalhou as diferenças entre um quoeficiente de inteligência (QI) e a inteligência emocional ou quoeficiente de inteligência emocional (QE). Seu trabalho ganhou relevância a medida em que assumiu uma abordagem mais acessível.

Goleman explica o termo como a capacidade que um indivíduo tem de gerenciar as suas emoções! Significa ser capaz de reconhecer e controlar o que se sente de tal forma que as suas emoções não interfiram negativamente no seu dia a dia.

TESTES E ENTREVISTAS

Os testes de QE não substituem avaliações de perfil e entrevistas, mas agregam estrutura ao processo e o tornam mais sistemático. Especialmente em profissionais ainda sem um currículo mais denso, análises DISC e de inteligência emocional podem ajudar.

Assim como no perfil DISC, há inúmeros testes de qualificação de QE (quoeficiente de inteligência emocional), não há certo ou errado, mas aquele que melhor atende o objetivo de tal avaliação. A área de gestão de pessoas pode usar em recrutamento ou desenvolvimento humano.

Segundo a teoria, quase 60% da performance individual e coletiva no trabalho depende de nossa inteligência emocional. Na mesma proporção, profissionais com muita inteligência emocional superam no intra e no interpessoal aqueles de alto QI.

1
https://www.bookofjoe.com/2018/08/emotional-intelligence-eq-test.html

BOAS PRÁTICAS

Seria possível elencar centenas de cenários comportamentais onde a inteligência emocional tende a gerar melhores resultados, gerando um ambiente mais sinérgico e relações de confiança positivas. O site da consultoria Vittude indica oito comportamentos importantes:

  1. Gerencie as suas emoções negativas
  2. Comunique-se de forma clara e persuasiva
  3. Pratique a empatia
  4. Conheça seus fatores de estresse
  5. Saiba se recuperar das adversidades
  6. Evite reagir durante conflitos
  7. Utilize habilidades de escuta ativa
  8. Aprenda a receber críticas
Let's Focus On Our Emotional Intelligence - Metiza

Outros posts:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s