0

Novos conhecimentos: Objetividade com ou sem parênteses?

Vale a pena conhecer a autopoiese de Humberto Maturana, biólogo chileno que deixou sua marca no século XX, retroalimentando conceitos pelos quais tenho apreço, onde o conhecimento é construido internamente. Em resumo, incentivos externos são gatilhos que proporcionam um conhecimento autoconstruído.

A autopoiese proposta por Maturana caracteriza um sistema cognitivo que se autoconstrói a partir de si mesmo. Lembra Sócrates, Piaget, os subsunçores de Ausubel, pois estímulos e informações são elementos externos que dependem de relações internas para a autoconstrução do conhecimento.

Socrates propôs a Maiêutica, questionadora, a cada resposta novas perguntas, até chegarmos ao melhor entendimento, limitada pelo nosso intelecto;

Ausubel na aprendizagem significativa temos subsunçores, conhecimentos prévios que serão utilizados para que o processo de aprendizado aconteça;

Piaget debruçou-se sobre o protagonismo da criança no seu aprendizado, na autoconstrução do conhecimento ao invés de escuta e repetição imposta.

Maturana reflete sobre diferentes abordagens, mas especialmente valoriza cada indivíduo e seu sistema cognitivo para a construção de cada novo saber. O agente externo geraria provocações, transformando-se em gatilhos ou incentivos à autopoiese, a autoconstrução da “explicação”.

Explicação ou Objetividade, com ou sem parênteses

A explicação entre parênteses é quando a realidade depende do observador questioná-la e construir seu entendimento, assimilando-a, estabelece-se uma negociação, teórica ou experiencial, que agregará o substrato de cada observador ao questionar-se em seu processo cognitivo interno.

A explicação sem parênteses é quando a realidade é imposta ao observador, independente de sua capacidade em questionr e assimilar como conhecimento, a realidade é posta por um agente, independe do observador, logo, há a tentativa de imposição de uma realidade creditada.

A pirâmide do aprendizado de William Glasser

William Glasser nasceu em 1925, americano, psicólogo, propôs uma teoria que nega o valor do aprendizado baseado na memorização pela repetição, a imposição tende a garantir apenas temporariamente a memorização.

Glasser chamou-a de Teoria da Escolha (1998)! A partir desta premissa, Glasser propôs um grau de aprendizagem decorrente da técnica utilizada neste processo:

Facilitadores, professores, coachs

Em nosso papel como agentes externos ou provocadores da autopoiese, não cabe impôr verdades, mas instigar e proporcionar um processo de maiêutica, para autoconstrução de cada realidade. Nós professores há muito buscamos em múltiplas técnicas de inversão de aula uma foma mais efetiva de ensino e aprendizado.

Memorização não é conhecimento, alguém com um mínimo de atenção e estudo é capaz de certificar-se em qualquer assunto ao qual dedique tempo o suficiente de preparação, desde que seja avaliado na sequência. Mas, sem prática e experimentação, trata-se de informação, de repetição, espelhamento, não é conhecimento.

1

As 10 disciplinas corporativas, Pareto e o modelo Cynefin

O modelo Cynefin nunca esteve tão na moda, mas como tudo o mais é preciso entender sua essência para depois treinar seu mecanismo e aproveitamento. Quando falo de essência, é possível aprender muito e realizar diferentes exercícios nele, enfatizando e refletindo sobre Pareto, MVP, alçada, timing, muito sobre Lean Thinking. O utilizo há 10 anos em transformação cultural, adoção de novas metodologias, no treinamento de equipes com mindset ainda muito tradicional.

Nos meus workshops eu o utilizo para debater formas racionais de fracionamento, priorização, antecipação, frequencia e entrega continua de valor. Frente a percepção de um desafio Complexo, vivenciar a arte de extrair dele aquilo passível de ser Complicado e deste o que pode ser considerado Simples. Frente a algo complexo, o mote é mitigar uma tendência natural à Dissonância Cognitiva e suas defesas psiquicas, assumindo a estratégia de Baby Steps, retroalimentando nossa energia à frente.

Uma abordagem assertiva para discutir disciplinas essenciais – Pessoas, Equipes, Líderes e Conexões – usando técnicas singulares em cada uma delas, aderentes a estas pessoas, (macro e micro) cultura organizacional, momento e características. Por exemplo, poderíamos usar um 5w2h, matriz CSD, uma matriz de Team Building, desenhar Jornadas ou mesmo técnicas de retrospectivas como a estrela de cinco pontas ou um storytelling com HMW.

O objetivo é materializar nossos desafios, quer baseados em retrospectivas ou futurespectivas. Na sequência podemos usar o mindset de Lean Thinking, típico em seleção para um MVP, como em User Story Mappings, quadrante mágico ou seguindo a linha de raciocínio do MVP Canvas. A meta é termos uma espécie de Product Backlog gerado pelo time reunido com suas necessidades priorizadas por valor, conversão, timing – usável, factível e valioso!

De posse do primeiro ítem mais valioso e efetivo para enquadramento, seguindo o substrato conceitual do Small Project Philosophy do Standish Group, queremos analisar nossos desafios como sendo passíveis de serem fracionados, analisando suas partes de forma a trazer algumas delas de complexo para complicado e de complicado para óbvio. O objetivo principal é mostrar que quase sempre algo complexo pode ser quebrado em partes consideradas mais fáceis ou previsíveis.

A pergunta que fica estampada quando fazemos este exercício é – porque estamos demorando tanto para coisas simples e de domínio, que só dependem de nós, ou complicadas que com algum esforço são possíveis de serem executadas. É fácil postergar algo grande e complexo, mas com frequência é também fácil fracionar e executar partes valorosas e que já colocam algo complexo em marcha, com entregas imediatas ou frequentes.

Não é uma análise aleatória ou displicente, mas de grande responsabilidade, por isso usamos a força do coletivo em técnicas colaborativas de debate e tomadas de decisão, técnicas oriundas do Design Thinking, UX, Lean Startup, Agile. Importante não subestimar os conceitos de latência do lean Project Canvas, evitando gerar desperdício ao executar partes simples e complicadas de algo complexo, caso explicitamente gerem estoque inútil e sem valor devido a dependências ou desdobramentos (latência).

Gosto de dizer que a habilidade e o treino em perceber partes simples ou complicadas, passíveis de serem antecipadas, em meio a algo grande e complexo, é uma forma intensa de gerar a energia cinética que vai nos ajudar a iniciar, manter e ter sucesso em muitas empreitadas. Vale para o trabalho e vale para a vida, em ambos a força do coletivo, debate, capital intelectual, antecipação de riscos e oportunidades.

São abordagens que precisam ser introjetadas e quanto mais exercitarmos, assim como movimentos em um Dojo de artes marciais, mais as seguiremos sem ter que lembrar delas, negociá-las e facilitá-las … é um mindset que tem que estar nos hábitos do nosso dia-a-dia, do café ao projeto, de reuniões a operações. Pense nisso e boa sorte!

0

Fazer mestrado, MBA, especialização ou comprar uma bicicleta

Uma amiga me perguntou o que poderia eu ajudar a entender melhor o caminho para um mestrado, expliquei a ela qual foi a minha estrada em um passo-a-passo que acho que pode ajudar outros jovens a direcionar seus esforços pós-graduando … vou compartilhar algo e se quiser saber algo mais, pergunta o/

A tempo, durante o mestrado um professor comentou que na cultura européia é muito comum executivos terem títulos de mestre ou doutores, etapa que lhes permitiu ter uma visão de mundo mais ampla, seguindo o bordão no PPGA da PUCRS, título de um dos meus livros, frase atribuida a Newton – “Sobre os ombros de gigantes!”.

Mestrado no Brasil se apresenta e tem foco na formação de professores e pesquisadores, normalmente há bolsas integrais ou parciais, um MBA é mais focado em carreira e mercado. Em um mestrado terás uma centena de leituras e debates sobre artigos, dos atuais aos seminais, de grandes pesquisadores, enquanto o MBA possui um viés mais de mercado, pragmático, le-se mais livros e fundamentação voltado a prática.

Benchmarking

Pesquise com calma e sem paixões os programas disponíveis e especialmente os mais aderentes a sua pretenção, orientadores, linhas de pesquisa, previsão de bolsas disponíveis, instalações, localização. Eu visitei os que considerei serem os melhores e mapeei prós e contras, inclusive logística.

É muito importante analisar as disciplinas obrigatórias, facultativas, transversais, elas dizem muito sobre o curso, prós e contras. Se possível, eu tive esse privilégio, poste nas suas redes e bata um papo com outras pessoas que já fizeram os cursos.

Visitas Mestrado, MBA ou especialização

Eu me reuni com coordenadores de programas de mestrado, MBA’s e especializações para depois decidir qual tinha maior valor para mim, levando em consideração a entrada, curso e após concluído. Perguntei sobre tudo, inclusive bolsas de mestrado, custos dos outros.

É importante entender as disciplinas, tanto quanto ritmo de trabalhos, leituras, TCC ou condições gerais da construção da dissertação. Estas questões são do maior interesse e o programa quer que você entenda, não se apresse, nem você nem eles querem que alguém depois abandone.

Linhas de Pesquisa

Eu acessei o site do programa de pós preferencial e pesquisei quais foram as últimas dissertações e seus orientadores nos últimos três anos, baixei as que mais tinham a ver comigo, dei uma olhada no resumo e na sugestão de pesquisas futuras, fiz isso em umas duas horas e algum tempo depois muitos colegas me pediram cópias.

Se uma linha em questão lhe chamar atenção, ligue para a secretaria e marque um papo com o orientador, converse sobre você e sobre ele, onde você trabalha, seus objetivos com o curso, também sobre ele … Se houver química entre vocês, com certeza tudo dará certo e ele também se esforçará para que você entre.

Aluno Especial

Se for possível, a estratégia de ser aluno especial e fazer algumas disciplinas do programa de mestrado mesmo antes de decidir fazê-lo ou saber se será selecionado e ganhará bolsa é ótima, assim conhecerá melhor os professores, gerará vínculos com o orientador desejado e mostrará seu potencial.

Os colegas que tinham sido aluno especial no semestre anterior, além de já anteciparam leituras e estudos, ao entrarem oficialmente no programa estavam bem a frente dos demais, já tinham muito domínio do ambiente, professores, disciplinas e um relacionamento mais seguro com o orientador.

Bolsas

Os programas que eu me envolvi tinham provas de proeficiencia, a administração possui a ANPAD, a informática tem o PÓSCOMP, são provas básicas apenas para mostrar que você vai entender o básico e não vai ficar completamente perdido nas aulas por falta de embasamento essencial, é barbadinha.

Mas tem uma coisa, alguns programas usam as provas de proeficiencia como eliminatórias ou como ranking para as bolsas, então vale a pena baixar edições anteriores, estudar, pedir dicas a conhecidos que já fizeram. Não é importante, mas é legal saber as médias no último ranking do programa que você quer entrar, isso tranquiliza.

Não é concorrência

Tem muita gente que faz as provas de proeficiência por fazer, não altere seu humor porque vai ter um monte de gente fazendo, jovens e veteranos, apenas estude e fique tranquilo para dar o seu melhor, não é difícil nem é um bicho de sete cabeças … mas não seja dos que fazem por fazer, pesquise, estude, se prepare do seu jeito.

Se entrar no curso, faça amigos no 1° dia, será uma jornada extenuante e se puder contar com parceiros para estudos, leituras e aulas a jornada será muito mais fácil. Não caia na piada de mal gosto que é preciso quase morrer para chegar ao fim, use a cabeça, gere sinergia, faça um plano de estudos e aproveite.

Aulas, leituras, debates e trabalhos

Tudo, absolutamente tudo que usamos profissionalmente você usa em um mestrado, MBA ou especialização, quer dizer – planeje-se, faça um swot, siga Pareto e CYNEFIN, não se deixe levar pelas baboseiras de que não é possível dormir, visitar a mãe ou ir no aniversário da filha … tudo é uma questão de organização e equilíbrio.

A não ser que busque laurea, procure ser racional no que ler, profundidade, porque também tem que descansar a mente, isso diz respeito a felicidade, acredito em curtir a viagem e não sofrer em dobro porque só o que interessa é o destino (inspire mais que tranpire).

Dissertação

No programa de mestrado que cursei, o tema de sua dissertação é fruto de muita leitura e de paixão durante todo o primeiro semestre. Pesquisa, navegação, muitos resumos e mais ainda pesquisas futuras, registre tudo em mapas mentais para não perder na poeira o melhor e ter que procurar denovo pelo que já tinha achado.

No meu caso, usei linhas de tempo em mapas mentais com artigos, isso ajudou uma barbaridade para pinçar o melhor tema, com citações matadoras de hoje até o artigo seminal ou pelo menos mais relevantes e maiores índices, como por exemplo, abaixo um dos últimos foi o que sustentou minha dissertação.

Boa sorte!

2

TED e TEDx – disseminando o pensamento crítico e livre

O TED é uma organização sem fins lucrativos dedicada a disseminar idéias desde 1984, inicialmente na forma de conferências sobre Tecnologia, Entretenimento e Design, mas com o tempo passou a debater questões globais em mais de 100 idiomas através de eventos locais mundo afora, os TEDx.

Criado por Richard Saul Wurman e Harry Marks sem a pretenção de tornar-se uma comunidade de dimensões globais, multi-disciplinar, multi-cultural e descentralizado, muito além de eventos presenciais ou online, mas um grande ecossistema, inquieto e questionador.

A Ana Goelzer criou o TEDxLaçador em 2010, com o papel de disseminar ideias e ideais de otimismo, compartilhando exemplos, conhecimentos e boas iniciativas. Uma tarefa continuada, milhares de eventos pelo mundo instigando o pensamento livre, independente, questionador e construtivo.

Não sei bem se sou digno desta honraria, por ideal sou um outlier, me orgulho disto, tento fazer coisas que outros não fazem … se outros já fazem eu ajudo a compartilhar ou disseminar, mas me dedico a algo que preencha lacunas, espaços faltantes.

Enquanto escotista praticava conceitos alinhados aos princípios ágeis, menos hierarquia, mais autonomia, grupos devem dialogar e encontrar a melhor maneira de fazer o que é o melhor, uma arquitetura social invertida onde o grupo delibera democraticamente norteado por valores morais e sociais.

Não me considero um exemplo, o que faço é compulsivo, mas cheio de defeitos, não me preocupa mídia, dinheiro, hipocrisia ou oportunismo. Quero uma vida digna, para mim, minha família e com quem mais puder haver empatia. Sempre outlier, fora do sistema, com erros e acertos!  🙂

O mundo tem zilhões de necessidades, se posso contribuir, foco no nosso entorno, ao nosso redor. É muito fácil ajudar a Asia ou Africa Central, porque o fazemos no computador, difícil é o olho-no-olho na vizinhança de nossa casa, na periferia de nossa cidade, junto a jovens questionadores.

Nós somos o que nos tornamos pela nossa história

Fui concursado na Procempa nos anos 80, empresário nos anos 90, coordenador de desenvolvimento de SW na ADP Brasil e no Grupo RBS nos anos 2000 e desde o início desta década sou consultor na DB e professor na politécnica da PUCRS.

Enquanto escoteiro e maçon, descobri que a disputa por poder e controle é sempre uma característica humana, deixei tudo isso para me dedicar a ser professor, compartilhar ideias e ideais, participar de ONG’s, gerar pequenos eventos úteis e construtivos para quem quiser debatê-los.

Vida, carreira, família, sociedade, construções que influenciaram empresas e organizações, que agora tem muito a retribuir em mindset, boas práticas, técnicas, … oriundas do Agile, Art of Hosting, Design Thinking, Lean Startup, entre outras. A vida pode ser um grande barato!

Debatendo a beleza da vida com os mais jovens

Participo de eventos sempre que convidado, participo ou organizo eventos locais de comunidade sobre assuntos que julgo serem construtivos, como os de gestão, sobre novas lentes para liderança ou RH, sobre educação e outros temas.

Privilegio e priorizo eventos regionais a nacionais, locais a regionais, não quero saber de ir longe para falar algo que acredito e que aqui no quintal de casa ainda não foi percebido. Por isso aceitei tal honraria, apesar de ter dito que não me achava a altura.

Em especial, como professor e nos eventos TecnoTalks, priorizando o debate e compartilhamento de visões diferentes, contraditórios, tentando mostrar que a vida é complexa, mas por isso mesmo devemos evitar a idealização e vivê-la o melhor possível, um dia por vez.

Não me imagino fazendo frases de efeito dizendo que quero salvar algo, acredito que estamos de passagem por este planeta, apenas nos resta fazer aquilo que nos orgulhe, aprender a sermos melhores … e é isso, depois reiniciaremos outras jornadas pela eternidade.

0

Entre Kotter e Robertson – Dual ou Holacracy?

Há alguns anos apresento e defendo modelos de estruturas organizacionais semelhantes ao hypertexto, proposto por Nonaka e Takeushi ou à estrutura Dual System de Kotter. Mas, recentemente em um workshop fui interpelado quanto a minha opinião sobre a Halocracia de Robertson, citando a iniciativa da Zappos.

Eu acredito realmente que cada empresa, organização ou grupo humano tem opções para se organizar da melhor forma possível conforme suas características, missão, visão, valores, objetivos de curto, médio e longo prazos. Creio que cada modelo tem seu propósito em um contexto tal que o beneficie e potencialize.

Mais ou menos hierarquia e cargos? Qual a “distância do poder” (Hofstede) ideal? Nos modelos hypertexto e Dual é possível uma busca permanente pelo equilíbrio entre a estrutura formal e as redes suportadas por ela, que se beneficiarão do substrato, apoio, mecanismos e orientações, restrições e visão estratégica ubiqua.

PÓS-BUROCRACIA

HIPERTEXTO – Nonaka e Takeushi propuseram este modelo nos idos dos anos 80 do século XX, no bojo de suas contribuições à teoria das organizações que aprendem. Eles sustentavam um nível hierarquico formal, uma rede de estruturas auto-organizadas conforme necessário e uma terceira dedicada a gestão do conhecimento.

DUAL OPERATING SYSTEM – A estrutura proposta por Kotter em 2012 foi assim batizada em analogia a dois sistemas operacionais coexistindo no mesmo equipamento. Nela, uma estrutura hierarquica formal apoia uma rede de estruturas auto-organizadas com autonomia até onde é possível para seus fins.

HALOCRACIA – Robertson propôs em 2007 uma estrutura com círculos (grupos) afíns de interesse, desafiados por um círculo de executivos por resultados, contando com eventos organizacionais para alinhamentos frequentes e deliberações, com papéis determinados a terem as alçadas necessárias para certas decisões.

HALOCRACIA na ZAPPOS

Todo mundo leu matérias quando da adoção da Halocracia pela Zappos, mas muito pouca gente acompanha seus vários anos de experimentação e desafios. O artigo de 2015 da ReuvenGorsht (traduzido pela Endeavor) é elucidativa, o da Forbes e da Harward Business Review questionam e a da Quartz Membership critica:

A halocracia se propõe a dar mais agilidade na tomada de decisões, tornando a empresa mais flexível e responsiva a riscos, ooprtunidades, time-to-market, pois cada círculo possui autonomia pela sua tática e execução frente à metas ou objetivos traçados pelo círculo executivo.

HIPERTEXTO (Takeushi & Nonaka)

Proposta por Takeuchi e Nonaka, pais do Scrum, do Modelo SECI e do Conceito de Ba para Gestão do Conhecimento. Privilegia uma organização orientada a projetos, mas com equipes ágeis – um nível formal funcional leve e enxuto, um segundo nível com equipes multidisciplinares e auto-organizadas, um terceiro nível dedicado a gestão do conhecimento e aprendizados.

O modelo em hipertexto instancia os princípios ágeis, seguindo fundamentos debatidos desde a decada de 80, que mostrou ser possível agilizar certas decisões, flexibilizando o modelo linear hierárquico tradicional, constituindo equipes ágeis com certa alçada para fazerem mais e melhor, valorizando a inovação e empreendedorismo na dinâmica interna das equipes.

DUAL OPERATING SYSTEM (Kotter)

O conceito de Dual Operating System de John Kotter apresenta uma forma de estrutura organizacional ainda mais ousada que a hipertexto, também mantem uma estrutura funcional mínima, ao mesmo tempo em que propõe sub-estruturas em rede, interligada à funcional.

Em uma matéria na Harward Business Review, a mesma publicação onde Takeushi e Nonaka são colaboradores a mais de 30 anos, Kotter apontou alguns princípios da estrutura em Dual Operating System:

1. Todos ou muitos podem ser Agentes de Mudanças, não por projeto ou função, mas no cotidiano, promovendo inovação e empreendedorismo no seu dia-a-dia, melhorando seu trabalho, aproveitando oportunidades, evitando problemas, …;

2. É fundamental as pessoas se sentirem capazes e empoderadas em fazer a diferença, para serem Agentes de Mudanças. Bandura em seu conceito de Auto-Eficácia, afirma que somos capazes tão mais quanto acreditarmos que somos e podemos;

3. Ele fala em cabeça e coração, sob uma abordagem típica do século XXI e sua geração Millenial ganhando espaço, é preciso que haja nas pessoas um propósito em fazer além, na disrupção, inovação e empreendedorismo diários, mesmo nas pequenas coisas;

4. Finalmente, ele bate na questão de que precisamos mais líderes e menos gerentes, para se trabalhar em rede o modelo mental de gerenciamento presente e responsabilização não funciona, mas sim o de visão, inspiração, agilidade, ação inspirada e celebração.

0

Mecanismos mínimos para Empresas Livres de Assédio (Empresas Seguras)

Que tal um evento para debater mecanismos mínimos para “empresas seguras”, livres de assédio? O objetivo seria uma espécie de manifesto sobre as características mínimas para empresas que querem ser mais transparentes no esforço de mudança e adequação a padrões éticos.

Creio que não deveríamos nos reunir para discutir a empresa, pessoas ou cases, não é um tribunal de exceção, a proposta é estabelecer qual deveria ser o mínimo explícito que caracterize uma Empresa Livre de Assédio, uma Empresa Segura. No paradigma de um manifesto, algo simples, objetivo, factível, algumas poucas linhas contendo o ciclo virtuoso da empresa segura para todos. Isso posto, as correções se endereçariam!

No escotismo somos convidados a fazer uma prova psicológica e social em que devemos refletir e dizer como seria sua atitude e comportamento frente a cases de situações passíveis de acontecer em grupos humanos, ainda mais envolvendo crianças e jovens, das mais variadas, envolvendo indícios, situações indevidas, desvios, etc.

Na minha opinião, a discussão deveria ser propôr mecanismos que viabilize algo prático, que garantam um mínimo:

  • Um código de Ética vivo – De nada adianta palavras ocas em um panfleto, é preciso protagonismo junto a entidades de classe, talvez um selo de “Empresa Segura” pelos conselhos regionais, na minha opinião a CIPA é segurança física e psiquica, muito além de cartazes e EPI;
  • Conscientização Permanente – Inicia na entrada do novo colaborador, reciclagens, incentivo a comunidades de prática auto-organizada e com protagonismo responsável para sugerir planos de ações para melhorias no ambiente, cultura organizacional, etc;
  • Ouvidoria Ativa – Se não tiver a quem recorrer além do(a) assediador(es), de nada adianta, é preciso abrir um canal seguro para receber e encaminhar averiguação e desdobramentos, mas de nada adianta criar uma e não fazer nada, ou pior, piorar ainda mais a situação;
  • Feedback Responsável – Tanto o assediador quanto o assediado, devem receber feedback de forma responsável, resguardando, não na forma de report, mas de coaching, de apoio, talvez ambos precisem de ajuda, lembrando que pode ser um mal entendido, mas também pode ser caso de polícia;
  • Melhoria Contínua – Um ecossistema, um habitat saudável, humano, capaz de gerar coisas boas e ruins, mas que saiba assimilar, corrigir, melhorar.

Pode acontecer em qualquer lugar e se nada for feito pode parar em qualquer lugar, o mais comum é perder-se o brilho nos olhos, mas as consequências pode ser bem maiores – http://www.osul.com.br/funcionarios-do-google-organizam-protesto-contra-o-assedio-sexual-na-empresa

Quais os mecanismos mínimos para evitar códigos de ética inúteis, direitos e deveres ocultos, inexistência de um canal para relatar assédio, garantias de sigilo e feedback, principalmente o apoio continuado à mudança da cultura organizacional para melhor?

A palavra ética vem do grego ethos e significa aquilo que pertence ao “bom costume”, “portador de caráter”. Entre o marketing e a prática, estamos em 2019 e muitos(as) “optam” por não reclamar quando assediados(as), simplesmente porque sabem que dá em nada e pode piorar.

Assédio Moral: “Conduta abusiva que se manifesta por comportamentos, palavras, atos ou gestos que podem causar danos à personalidade, dignidade, integridade física ou psíquica, colocando em risco seu(s) emprego(s) e degradando o clima de trabalho.” (Hirigoyen, 1998).

Assédio vertical é quando alguém com posição hierárquica ascendente submete subalterno a constrangimento ou situação vexatória, quer frente ao grupo ou isoladamente – pressão desmedida, agressão verbal, palavras chulas, rebaixamento cognitivo, entre outros.

Assédio horizontal ocorre entre colegas, motivado por diferenças, inveja, competição, discriminação racial, gênero, costumes, via de regra praticados de forma silenciosa, através de boatos, sabotagem, expondo, cercando ou isolando, entre seus pares.

Eu, como todo mundo, tenho dezenas de histórias de assédio em grandes, médias e pequenas empresas, mas não precisa ser assim, a solução para isso não deveria ser o aeroporto, mas um esforço conjunto por estabelecer patamares mínimos para uma mudança de paradigma.

Em diferentes leis municipais brasileiras: “Considera-se assédio moral todo tipo de ação, gesto ou palavra que atinja, pela repetição, a auto-estima e a segurança de um indivíduo, fazendo-o duvidar de si e de sua competência, implicando em dano ao ambiente de trabalho, à evolução da carreira ou estabilidade do vínculo empregatício:”

. subestimar esforços;
. criticar com persistência;
. espalhar rumores maliciosos;
. tomar créditos de idéias de outros;
. sonegar informações de forma insistente;
. fixação de objetivos e prazos inatingíveis;
. Perder responsabilidade para funções triviais;
. Ataques persistentes ao rendimento profissional;
. Atacar a reputação por rumores e ridicularização;
. Ignorar, excluir, se dirigir através de terceiros;
. Ofender ou desprezar sistematicamente.

O primeiro passo é o entendimento sem idealizações, debater e obter a conscientização do mínimo possível para qualquer empresa que queira começar a mudar. Em 2025 teremos 50% de Millenials na força ativa, uma empresa que queira contratar talentos, desenvolvê-los e mantê-los terá que fazer mais que pagar salários.

Já existem casos bem práticos, como o da ABRINQ, outras entidades de classe como os Conselhos Regionais por exemplo, deveriam promover algo semelhante, um selo de Empresa Segura, não só para crianças, mas para jovens, adultos e corôas como eu.

Selo de “Empresa livre de assédio vertical, horizontal, moral e sexual!”, você ainda vai ter um!

 

0

Scrum Prêt à Porter para DBServantes

O Agile Game do Scrum Prêt à Porter ficou ao mesmo tempo muito didático e muito fofo, estou adorando e a cada edição melhorando, não sei se vou voltar a aplicar os meus do Banco Intergáctico ou Pokedéx, acho que já ficaram na história.

O Prêt à Porter desde o quebra gelo, o storytelling, a construção do manequim, o planejamento para o Oscar e a execução das sprints gera todos os ganchos que necessito de uma forma mais lúdica e muito mais intensa em relação ao recado a passar.

Assim como o banco intergaláctico e a Pokedéx, contei com a arte e sensibilidade da Luisa e da Marinês para os desenhos do storytelling, os ATM’s do Banco Intergaláctico são uma obra de arte e agora a Mari vai montar meus manequins em escala com um material mais durável e chique.

Os que fiz e faço até aqui são recortes de caixas de servidores da Dell, sempre que acho uma a deriva para ser jogado fora lá no quinto do 99A eu pego e separo, porque eles se estragam e lá vou eu noite adentro fazer mais alguns para eliminar os que se danificam … Acho divertido essa parada de usar caixas, desenhá-las e recortar.

Os modelitos criados foram muito divertidos, nesta teve superman, modelitos pós-modernos like Andy Warhol anos 60, roupinhas casuais e um vestido com a saia toda rendada muito chique. Um Agile Game que exige preparação, organização, uma hora para start e uma hora para desmobilizar, mas vale cada minuto dedicado.

Sempre justifico um jogo pelo valor que agrega, os Agile Games que criei são lúdicos, para fixação, mas tem um papel fundamental para descontração em um workshop denso e pegado, com muita informação e compartilhamento de aprendizados por minuto … sem eles seria muito tenso, mas não deixam espairecer demais.

Estar entre colegas é diferente, já ministrei cursos os mais variados para milhares e milhares de profissionais, mas não estou acostumado a treinar colegas, isso me faz lembrar o tempo de RBS, porque treinar colegas é bem diferente de treinar clientes ou realizar workshops abertos … tem outra batida, links e contrapontos.

Ao contrário de outros workshops meus, neste eu foco mais em trabalho, avesso a meu estilo, não entro em mediadores e moderadores, modelos e teorias … todas vão aparecendo como observações a medida que avançamos, mas não tem páginas e imagens explícitas … o foco é SCRUM em 360°, acoplando tudo o mais necessário.