The Art of Action – Stephen Bungay

Stephen Bungay é diretor do Ashridge Strategic Management Centre em Londres. Graduado em Oxford, trabalhou para o Boston Consulting Group em Londres e Munique. The Art of Action é um novo olhar sobre como os gerentes podem transformar o planejamento e a execução descentralizados.

No livro, Stephen Bungay analisa o Exército Prussiano do século XIX, que construiu sua agilidade via delegação a oficiais juniores altamente capacitados. Uma forma de mostrar aos líderes empresariais como eles podem construir organizações mais eficazes e produtivas com uma abordagem de comando por missão.

https://www.amazon.com/Art-Action-Leaders-between-Actions/dp/1857885597

Sempre acho estranho quando alguém sugere um livro onde o autor busca em um exércitos sua inspiração. Não tenho restrições, sempre aceito o desafio de desapegar e abstrair conceitos propostos em bons livros, apesar da opinião que qualquer exército TEM mindset comando-controle a partir de alguma patente.

A arte da guerra segundo Bungay

O exército citado é o prussiano, depois de derrotado por Napoleão e o quanto ele conseguiu se reinventar, tornando-se um exemplo de estratégia e execução. Segundo Bungay, caberia aos comandantes definirem a estratégia, deixando a seus oficiais tomarem decisões consequentes e subsequentes.

Nas organizações e na guerra há uma “névoa” que suprime o acesso a todas as informações. Nenhum plano de batalha sobrevive ao contato inicial com o inimigo. Este é o desafio que muitos líderes empresariais enfrentam ao tentar criar e implementar estratégias no complexo mundo de hoje.

Assim, cabe ao alto escalão do exército definir a estratégia ou intensão. Os chefes de divisão devem entendê-la, para a partir desta compreensão tomar suas próprias decisões sobre como executá-la. A tempo, isto se viabilizaria por meio de um sistema de objetivos por escrito, briefing e back-briefing.

Três lacunas de atrito

Em seu livro The Art of Action, Bungay identifica três lacunas que impedem que nossa estratégia tenha o efeito desejado. A resposta tradicional é gerar ainda mais comando-controle, o que leva a atrasos, menos inovação e menos motivação, é preciso definir o porque e o que, delegando o como.

É preciso ter clareza no planejamento, com estratégia, gerador das ações necessárias para torná-lo realidade e gerar os resultados desejados. Entre cada uma destas três disciplinas é preciso que os envolvidos preencham as lacunas, tomem decisões, façam acontecer.

A lacuna do Planejamento

Lacuna entre o que gostaríamos de saber e o que realmente sabemos, o que estamos tentando alcançar e como planejamos alcançá-lo. Nossa reação típica ao tentar preencher a lacuna de conhecimento é buscar mais e mais informações, centralizando para encontrar a resposta definitiva para o nosso problema. 

É preciso concentrar na comunicação clara da intenção e esclarecer o que e por quê em vez do como queremos. Assim, liberamos o conhecimento de quem entrega nossos produtos e serviços para fazer o que é certo para cumprimento nosso objetivo, em vez de seguir cegamente planos.

A lacuna das Ações

Esta é a lacuna entre o que queremos que as pessoas façam e o que realmente fazem. Nossa reação típica ao tentar preencher a lacuna de alinhamento é fornecer instruções cada vez mais detalhadas. Como afirma Bungay, “é o risco de confundir clareza com detalhes”, podendo assim não fazer sentido frente a realidade.

Aqueles que irão implementar a estratégia devem definir as ações, explicá-las e receber uma devolutiva de acordo. Esse ciclo de comunicação é fundamental para garantir que as equipes saibam cruzar o objetivo com suas percepções e tomadas de ação, gerando confiança em seus planos para realizá-los.

A lacuna dos Resultados

Essa é a lacuna entre o que esperamos que nossos planos alcancem e o que eles realmente alcançam. Nossa reação típica à lacuna de resultados é impor controles cada vez mais rígidos. É o risco de confundir resultados com métricas, a insegurança gera medir e controlar cada vez mais e perder de vista nossos objetivos finais. 

Dar ao nosso pessoal a liberdade de operar dentro de limites específicos e o compromisso em cumprir nossa intenção é mais eficaz do que tentar um controle total centralizado. Para isso ser possível, cada um deve ter as habilidades e recursos para fazer o que é necessário e o espaço para tomar decisões necessárias.

Conclusão

Contra o mito da estratégia perfeita, enquanto líder, mais importante é ser assertivo na intenção. Desta forma, damos espaço à tomada de decisões mais rápidas, com espaço para mais inovação e espaço para maior engajamento e motivação. Assim, temos que estar preparados para delegar e fazer diferente.

Como em metodologias ágeis, há uma estratégia e tática decidida pelo cliente e product owner, cabendo ao time tomar todas as decisões operacionais para levar a cabo a construção do produto planejado. A cada dia, sob princípios de sistemas complexos, seguindo sistemas puxados, empíricos, um passo de cada vez.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s