De Tempos Liquidos de Bauman ao Mundo VUCA de Bennis e Nanus

Já tinha postado minhas interpretações sobre o livro e reflexão de Tempos Liquidos de Zygmunt Bauman, mas reitero esta percepção frente a um termo que tenho visto ganhar destaque, o mundo V.U.C.A. de Warren Bennis e Burt Nanus – Volatility, Uncertainty, Complexity and Ambiguity. Me impressiona tantas empresas levadas a falência pela inépcia em se adaptar a um mercado cada vez mais fluido, tanto quanto profissionais que se deixam tornarem-se obsoletos enquanto insistem em manter-se fiéis a uma receita que no passado foi lucrativa ou satisfatória, talvez tenham sido até inovadoras.

É impensável imaginar hoje, ano de 2019, manter-se planejamentos estratégicos engessados para cinco anos como se fazia na década de 70 ou 80, impensável imaginar profissionais ou mesmo executivos seguindo um plano escrito há anos atrás, mantendo reuniões anuais, não para adaptação, mas para garantir a execução do plano, seguindo dotações orçamentárias, penalizando oportunidades e persistindo em erros. Em tempos e mercados líquidos, precisamos seguir modelos iterativo-incrementais-articulados, frente a verdades voláteis, incertas, complexas e ambíguas.

MUndo.VUCA

Em artigo de 1995, dois signatários do manifesto ágil publicaram “Scrum And The Perfect Storm”, refletindo sobre as desventuras do barco Andrea Gail, diferenciando confiar apenas na leitura dos instrumentos (plano e métricas) e a importância de sempre se olhar pela janela do deck. Antes disto, Takeushi & Nonaka, fonte de inspiração para o Scrum ao citar a analogia ao Rugbi no antológico artigo “The New New Product Development Game” de 1986 na HBR dissertando sobre times auto-organizados, permanentemente reorganizando-se a medida que o jogo segue.

Somando Bauman, Bennis e Nanus, temos bons livros que nos fazem pensar em um tempo LIQUIDO e em uma realidade MU.V.U.C.A. (mundo VUCA), em permanente mudança, que nos exige multi-ajustes de rumo e posicionamento, que nos exige reposicionar na escala de horas, dias, semanas, não mais em meses ou anos, nossos planos, ou como disseram Ken e Jeff, mantenedores do framework SCRUM, ajustar o rumo de nosso barco de acordo com as ondas, o vento, a chuva e a nós mesmos … quer seja nosso barco uma organização, empresa, negócio, produto, serviço, projeto ou nossas carreiras.

O livro “Liquid Times” de Bauman é assim descrito:

“A modernidade imediata é leve, líquida, fluida, e infinitamente mais dinâmica que a modernidade sólida que suplantou. A passagem de uma a outra acarretou profundas mudanças em todos os aspectos da vida humana. Zygmunt Bauman esclarece como se deu essa transição e nos auxilia a repensar os conceitos e esquemas cognitivos usados para descrever a experiência individual humana e sua história conjunta. Modernidade líquida complementa e conclui a análise realizada pelo autor em Globalização: as conseqüências humanas e Em busca da política.”

O livro “Leaders: Strategies for Taking Charge” de Bennis e Nanus:

“Neste estudo esclarecedor sobre liderança, o renomado guru de liderança Warren Bennis e seu coautor, Burt Nanus, revelam os quatro princípios-chave que todo gerente deve conhecer: Atenção por meio da visão, significado através da comunicação, confiança através do posicionamento e a implantação de si mesmo. Nesta era de enxugamento e reestruturação afetando muitos processos, as empresas caíram na armadilha da falta de comunicação e desconfiança, por isso a visão e a liderança são necessárias mais do que nunca.”

Fecho com uma reflexão, um pensamento bem mais antigo, categórico ;o)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s