PDCL ágil – Esqueça todos os rótulos!

Pois bem, vinha estudando e postando sobre o manifesto ágil e os diferentes métodos ágeis, para finalmente fazer este post e chamar a atenção que a base é sempre a mesma, o que tem a mais e o que varia é o tocante a TI, mas o cerne de todos é universal, o fluxo contínuo de PDCL é o verdadeiro framework ágil.

No ritmo que vai, em breve ninguém vai perguntar se voce é ágil ou não, pois não haverá mais sentido nesta pergunta, todos seremos ágeis. Se voce é de TI, voce tem que ler e avaliar Scrum, XP, LSD, FDD, DDD, TDD, Crystal, etc, mas se não é, esta com sorte, basta entender os princípios e o que é PDCL, um framework enxuto e ágil por natureza, depois, meter a mão na massa!   🙂

1. Estratégia clara para todos, com missão, papéis, objetivos e valores;
2. Equipes com pessoas comprometidas consigo e com o seu valor ao negócio;
3. Operação com ciclos iterativo-incrementais, sustentaveis e evolutivos;
4. Execução baseada em realismo, transparência, inspeção e adaptação.
5. Criação de um ecossistema justo e ético, do qual nos orgulhemos;

Leituras prévias fundamentais tem foco nos fundamentos da agilidade, como a filosofia, as pessoas, suas carreiras e paixões, se voce não sabe do que eu estou falando, sugestão, não continue sem antes ler pelo menos alguns dos posts abaixo (eles abrirão em uma nova aba no browser) :

Vamos imaginar um ciclo PDCL (Plan, Do, Check e Learn) ágil, e analisar se ele seria suficiente para melhorar o trabalho de qualquer área (tesouraria, redação, distribuição, marketing, planejamento, departamento de pessoal, financeiro, multimídia, etc), em qualquer empresa, seguindo um modelo básico e enxuto em cada um dos seus passos:

Vamos analisar cada uma das fases de nosso PDCL “ágil” :

1º. P (PLan) – Planejamento – Em períodos recorrentes de no máximo 1 mês, é preciso parar e planejar o próximo período, parar e antever o que temos pela frente, equipe, atividades, datas-marcos, riscos e oportunidades, … agregar o que aprendemos , além de oferecer sentimento de propriedade ao time, de posse das informações e cientes de seu papel e envolvimento:

  • De 2 a 4 horas, com TODA a equipe reunida
  • Sugiro o uso de um quadro branco ou várias folhas A1 na parede
  • Cada área/equipe precisa desenhar seu modelo e granularidade
  • Atividades muito fragmentadas devem ser agrupadas
  • É interessante separar visualmente o que é projeto de operação
  • É importante orçar ou definir metas para depois poder acompanhar
  • É importante esclarecer as prioridades (sugestão em ter 3 níveis)
  • Sugestão de leitura – Planejamento visual (abre em nova tela)

2°. D (Do) – Realização – A execução das atividades e tarefas planejadas e mesmo extras deve ser diariamente acompanhada de uma breve reflexão se estamos no caminho certo para cumprir datas e objetivos acordados. Todo o time deve diariamente buscar antecipar entregas ou corrigir desvios, fluindo estas informações aos demais interessados, evitando surpresas:

  • Focar na auto-organização permanente para atingir os objetivos
  • Reunião diária de 15 minutos para posicionamento
  • Uso de quadro de tarefas (customizado às caracteristicas do time)
  • Manter visível quadros de impedimentos, oportunidades e riscos
  • Importante ter uma daily tracking com o relato diário de cada um
  • Todos falam em média por um minuto, respondendo 3 questões:
  • ? O que fiz desde a última reunião diária ?
  • ? O que pretendo fazer até a próxima reunião diária ?
  • ? Há algum impedimento, oportunidade ou risco visível ?
  • Sugestão de leitura – Daily e Quadro (abre em nova tela)

3º. C (Check) – Acompanhamento – A opção por um quadro de tarefas, de status, de métricas ou o tipo que mais se adequar para a gestão visual do andamento da realização em curso, conforme planejado ou não, é fundamental para que se exerça diariamente o modelo-mental de compartilhar os objetivos, realismo, transparência, inspeção e adaptação, eliminando estoque e surpresas.

  • O quadro deve ser modelado especialmente para a equipe
  • Importante que não fique congestionado (perda de foco e valor)
  • Importante que transpareça a realidade e que cada um se veja nele
  • Não fique esperando o modelo ideal, começe e refatore, evolua
  • É importante o uso de selos especiais para atrasos, problemas, etc
  • Poderá ter linhas por pessoa, por projeto, por prioridade, etc
  • Sugestao de leitura – Post BackOffice ágil (abre em nova tela)

4º. L (learn) – Retrospectivas – A cada fechamento de período a equipe deve se reunir para aprender com o acumulo de suas experiências, é fundamental para a premissa de melhoria contínua de um processo iterativo-incremental como este, refletir e permitir que o próprio time organize-se quanto a continuar, corrigir, começar ou abandonar práticas, de acordo com o que estas agregam.

  • Até 2 horas, com TODA a equipe reunida
  • Reserve e use um local diferente, evite as salas de trabalho
  • Invista 1/4 do tempo em jogos e dinâmicas de integração
  • Faça uma análise organizada, a partir dos artefatos trabalhados
  • Se possível, registre as ocorrências para formar um histórico
  • Sugestao de leitura – Post sobre retrospectivas (abre em nova tela)

QUADRO DE TAREFAS OU STATUS – É em torno dele que giram todos os passos do nosso PDCL ágil, o Planejamento encerra com o quadro montado, que será intensamente usado todos os dias de Realização e Acompanhamento, sendo dissecado durante a retrospectiva, na eterna busca por pontos de melhoria.

Sugestão, clique aqui e leia o post sobre “Escritórios de Métodos e Processos“.

Espero continuar dando sequencia a este post, quantitativa e qualitativamente, tentarei sugerir alternativas, modelos e possibilidades, mas também espero a colaboração daqueles muitos amigos e parceiros nesta estrada, atraves de sugestões, criticas, comentários, offline ou online.

Os próximos posts que tratarão deste tema, colocarei o prefixo “PDCL ágil -“.

2 comentários sobre “PDCL ágil – Esqueça todos os rótulos!

  1. “Na busca por me aperfeiçoar e estar trazendo aqui para tesouraria (Para disseminarmos com os colegas e aperfeiçoar ainda mais nosso entendimento) teu blog virou uma das minhas leituras de cabeceira……
    Muito bom o Post. Grande ideia de fazer um gancho com os assuntos que já postastes em oportunidades anteriores e que ajudam a fazer um interpretação ainda mais objetiva sobre qualquer assunto sobre agilidade.

    A metodologia é sensacional não só por contribuir na melhora continua de processos, eu diria que na essência metodologia ágil é uma pedra bruta e que com muito esforço, troca de ideias e vontade de tornar as coisas melhores, te permite esculpi-la fazendo com que se possa aplicar a qualquer departamento de uma determinada empresa….. Com as diversas leituras que tenho feito, teu blog, livros como: Gerencimento Àgil de Projetos (Daniel Capaldo Amaral),SCRUM EM AÇAO – GERENCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO (PHAM, ANDREW), tenho tentado aperfeiçoar e passar adiante o modo de pensar e agir de forma ágil. Não devemos e nem podemos rotular a metodologia, como oportunamente citado por você: “a base é sempre a mesma” e cabe a nos trabalhá-la e adequar as necessidades empresariais de cada departamento respeitando suas premissas.

    Em Setembro iniciamos a execução aqui na tesouraria,,,

    Um forte abraço!

    Fernando Cunha “

  2. Pingback: Um ano e meio de blog – Obrigado galera! | Jorge Horácio "Kotick" Audy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s