0

Mudança não é uma ação, mas um processo contínuo de transformação

Propor-se a uma transição para diferentes formas de estrutura e cultura organizacional pode ser feito sem a negação daquilo que sabemos fazer, fruto de décadas ou anos de experimentação, que na prática define quem somos, o que temos e fazemos.

Partindo-se deste fato, auto-conhecimento e valorização de quem somos é a pedra fundamental da mudança, seguindo um sincretismo entre Kaikaku e Kaizen, equilibrando mudanças de curto prazo quando necessárias e mantendo evolutivas continuas, ambas de forma sinérgica e acordadas entre os envolvidos.

Esta opção é a regra na maioria das empresas, as mudanças estão se dando de forma gradual e continuada, independente da metodologia, framework ou processos desenhados, percebe-se ganhos nas primeiras semanas, mas demandam anos para uma transformação cultural consistente.

Práxis

Ao iniciar, é preciso estabelecer ritmo às mudança, uma entrada mais estratégica, top-down a partir de propósito e objetivos estratégicos, portfólio e processos que serão repensados em suas dinâmicas internas, outra bottom-up resignificando nosso trabalho, permitindo às pessoas, equipes e lideranças em uma nova relação e conexões.

Top-Down, compreendendo a estratégia e apoiando a mudança a partir de projetos e processos prioritários, estabelecendo boas práticas de gestão de portfólio e governança de projetos, estabelecendo os principais pontos para instigar modelos com maior comunicação, iterativo-incrementais-articulados.

Toda e qualquer mudança precisa ter um ritmo sustentável, é preciso mudar, mas o negócio e o mercado não para, então por onde e em que ritmo mudar é importante. A frase que uso é que mudança não pode ser justificativa para não entregar, se transformação demanda tempo, garantir a continuidade do negócio é sempre imediato.

Nesta abordagem, minha convicção é que princípios e valores são mais importantes que o método ou framework, se são iterativo-incrementais e propõe-se a gerar as condições para feedback e melhoria contínua, vamos em frente com Scrum, XP, Kanban ou Lean, as retrospectivas gerarão a evolução necessária e possível.

Bootom-Up, ao mesmo tempo em que há um foco estratégico, tambem devemos apoiar a auto-organização em seu sentido mais primário, através da resignificação das pessoas e do seu trabalho, onde cada área e equipe debata e estabeleça sua tática e contribuição neste processo de mudança organizacional.

O primeiro e mais relevante passo é definir uma nova relação inter-pessoal, pessoas, equipes, áreas, interconexões internas e externas. Não só times, mas fomentar a construção de redes segundo o modelo Dual de Kotter, a estrutura funcional como substrato de redes e conexões fluidas.

Eu acredito em dinâmicas voltadas a auto-conhecimento, 5w2h, Role Model Canvas, fluxos de trabalho, processos, gargalos e desperdícios. Para então encontrar por onde será mais valoroso começar a mudar, enxugar, otimizar, de forma equalitária, melhores processos e ambientes geram pessoas mais satisfeitas e engajadas.

Meu mestrado foi usando uma pesquisa baseada no modelo JSM (Job Strain Model) de Karasek, um modelo que relacionava o controle que o próprio time através de seus integrantes tem sobre a forma de atender as demandas que lhe são priorizadas, esta relação positiva gera satisfação e provavelmente melhor performance.

Um processo baseado em auto(re)construção e (re)significação de pessoas, times, liderançãs e conexões são o substrato desejado para sustentação tanto de Kaikaku quanto Kaizen de forma sustentável e positiva, com ganhos a todos os envolvidos de forma proporcional (equidade).

A tempo, entre a abordagem top-down e a bottom-up, há uma chamada middle-out, de igual ou maior relevância, posto que havendo um pacto entre executivos, lideranças e gestores pela experimentação de uma nova forma organizacional de pensar. Este pacto é essencial para a NÃO anulação dos esforços em projetos e equipes.

Uma vez estabelecendo-se o exercício de novas formas de pensar e fazer, por um lado de forma pragmática e objetiva, evoluindo o planejamento e execução de projetos, processos ou operações, de outro desenvolvendo pessoas, equipes, lideranças e conexões, este será o substrato para a mudança e crescimento desejados.

1

As 10 disciplinas corporativas, Pareto e o modelo Cynefin

O modelo Cynefin nunca esteve tão na moda, mas como tudo o mais é preciso entender sua essência para depois treinar seu mecanismo e aproveitamento. Quando falo de essência, é possível aprender muito e realizar diferentes exercícios nele, enfatizando e refletindo sobre Pareto, MVP, alçada, timing, muito sobre Lean Thinking. O utilizo há 10 anos em transformação cultural, adoção de novas metodologias, no treinamento de equipes com mindset ainda muito tradicional.

Nos meus workshops eu o utilizo para debater formas racionais de fracionamento, priorização, antecipação, frequencia e entrega continua de valor. Frente a percepção de um desafio Complexo, vivenciar a arte de extrair dele aquilo passível de ser Complicado e deste o que pode ser considerado Simples. Frente a algo complexo, o mote é mitigar uma tendência natural à Dissonância Cognitiva e suas defesas psiquicas, assumindo a estratégia de Baby Steps, retroalimentando nossa energia à frente.

Uma abordagem assertiva para discutir disciplinas essenciais – Pessoas, Equipes, Líderes e Conexões – usando técnicas singulares em cada uma delas, aderentes a estas pessoas, (macro e micro) cultura organizacional, momento e características. Por exemplo, poderíamos usar um 5w2h, matriz CSD, uma matriz de Team Building, desenhar Jornadas ou mesmo técnicas de retrospectivas como a estrela de cinco pontas ou um storytelling com HMW.

O objetivo é materializar nossos desafios, quer baseados em retrospectivas ou futurespectivas. Na sequência podemos usar o mindset de Lean Thinking, típico em seleção para um MVP, como em User Story Mappings, quadrante mágico ou seguindo a linha de raciocínio do MVP Canvas. A meta é termos uma espécie de Product Backlog gerado pelo time reunido com suas necessidades priorizadas por valor, conversão, timing – usável, factível e valioso!

De posse do primeiro ítem mais valioso e efetivo para enquadramento, seguindo o substrato conceitual do Small Project Philosophy do Standish Group, queremos analisar nossos desafios como sendo passíveis de serem fracionados, analisando suas partes de forma a trazer algumas delas de complexo para complicado e de complicado para óbvio. O objetivo principal é mostrar que quase sempre algo complexo pode ser quebrado em partes consideradas mais fáceis ou previsíveis.

A pergunta que fica estampada quando fazemos este exercício é – porque estamos demorando tanto para coisas simples e de domínio, que só dependem de nós, ou complicadas que com algum esforço são possíveis de serem executadas. É fácil postergar algo grande e complexo, mas com frequência é também fácil fracionar e executar partes valorosas e que já colocam algo complexo em marcha, com entregas imediatas ou frequentes.

Não é uma análise aleatória ou displicente, mas de grande responsabilidade, por isso usamos a força do coletivo em técnicas colaborativas de debate e tomadas de decisão, técnicas oriundas do Design Thinking, UX, Lean Startup, Agile. Importante não subestimar os conceitos de latência do lean Project Canvas, evitando gerar desperdício ao executar partes simples e complicadas de algo complexo, caso explicitamente gerem estoque inútil e sem valor devido a dependências ou desdobramentos (latência).

Gosto de dizer que a habilidade e o treino em perceber partes simples ou complicadas, passíveis de serem antecipadas, em meio a algo grande e complexo, é uma forma intensa de gerar a energia cinética que vai nos ajudar a iniciar, manter e ter sucesso em muitas empreitadas. Vale para o trabalho e vale para a vida, em ambos a força do coletivo, debate, capital intelectual, antecipação de riscos e oportunidades.

São abordagens que precisam ser introjetadas e quanto mais exercitarmos, assim como movimentos em um Dojo de artes marciais, mais as seguiremos sem ter que lembrar delas, negociá-las e facilitá-las … é um mindset que tem que estar nos hábitos do nosso dia-a-dia, do café ao projeto, de reuniões a operações. Pense nisso e boa sorte!

0

Uma aventura 360° no velho mundo

Uma semana em Lisboa, dois cursos Scrum 360°, com duas horas dedicadas às dez disciplinas proposta por mim como base para o workshop Toolbox 360°. O responsável por esta aventura é o empreendedor Diego Maffazzioli, hoje radicado em terras luzitanas e que me apresentou à galera da Scopphu.

A viagem iniciou com duas malas enormes de material didático, fundo de cena, para dinâmicas e conteúdo, a preparação da sala demandou mais de uma hora comigo e o Diego mandando bala, preparando as mesas para os trabalhos em grupos, os murais, antecipando tudo para que o workshop tivesse máximo aproveitamento.

Foi uma grande aventura, uma semana acordando cedo, o dia inteiro dedicado a compartilhar conhecimento, ao mesmo tempo em que buscava conhecer cultura e status da turma, entrando noite adentro debatendo com o Diego sobre entrar mais em embasamento no início, como projeto, TI bi-modal, estruturas organizacionais.

O segundo dia do primeiro workshop tratou de resgatar estes fundamentos e embasamento, enquanto o segundo workshop já teve todo este pacote incluído logo no início do primeiro dia. Um pivot que garantiu uma boa avaliação no primeiro, uma ótima avaliação na segunda turma, o que muito me orgulhou do apoio e parceria com o Diego.

Conhecer Lisboa nestas condições, zero turismo, 100% focado, foi uma grande aventura, o prédio da Olisipo destinado ao desenvolvimento humano fica junto ao complexo da Expo’98, um espaço futurista e mágico junto ao porto, contando com o oceanário e dezenas de prédios incríveis e instigantes.

A Scopphu e seu povo é algo de indescritível … as conversas, o almoço, me senti em casa, conhecer a todas(os) foi muito especial – empatia, confiança, simpatia, difícil explicar o que mais me cativou. Adicionalmente, curtiram meu trabalho, especialmente o Toolbox 360° … acho que ainda voltarei lá em breve!  \o/

Uma curiosidade é que a Scopphu tem uma página no seu site em que explica o que é o seu conceito 360° – “Nossa missão garantir que todos os profissionais de gestão de projetos e os futuros, acessem aos conteúdos mais atuais, aos melhores recursos e ferramentas”. É o destino, estava escrito (Maktub!), havendo uma empresa que possui um “Conceito 360°”, eu tinha mesmo que acabar batendo um papo  \o/

https://scopphu.com/sobre-nos-2/conceito-360/

Os poucos momentos de relaxamento foram agraciados com boas conversas, comida típica AlenTejana. Os coffee-breaks eram de outro mundo, do velho mundo, doces divinos, pastéis de nata, ovos moles, com a eterna preocupação de tentar ingloriamente não voltar com 10 Kg a mais 🙂 rsrsrsrsrsrsrs

Me senti em casa, entre amigos, parceiros de viagem, uma sede simples e a cada troca de informações a certeza de que estava impregnada de outro viés cultural. Mais confiança que oportunismo, mais focado em felicidade e menos pompa, menos aparência e mais práxis … voltei completamente apaixonado!

O complexo da Expo’98 é mágico e cativante, o povo é simpático e muito fofo, sempre solicitos, pró-ativos em educadamente ajudar, parece mesmo estarmos em outro mundo. Não lembro de ter percebido tantos sorrisos e simpatia por metro quadrado …

0

Edição cooperativa do Workshop Toolbox 360°

Porque quem coopera cresce, primeiros workshops com equipes de todas as áreas organizacionais de uma cooperativa, como RH, controladoria, crédito, compliance, etc. Os workshops são o nivelamento proposto para a seguir iniciarmos uma fase de assessment e proposição baseadas em Lean e Kanban.

Um dia intenso, com diferentes compartilhamentos, dinâmicas e debates, com levantamento de desafios para 2019, riscos e oportunidades, um nivelamento para inicio de trabalho. As abelhinhas foram uma dinâmica alusiva ao mascote da cooperativa, entre outras dinâmicas com a missão de aliviar a barra em um workshop denso como este.

Mercado, fundamentos, moderadores, mediadores, métodos e então entramos nas 10 disciplinas, uma abordagem que propus como forma de estruturar o workshop em etapas, quatro delas sob um prisma humano e seis mais pragmáticas e mão na massa, pensei que iria mudar logo em seguida, mas acabou sendo muito consistente.

A cada edição, muitos aprendizados e a evolução continua e consistente do modelo proposto, fruto de muitos estudos e reflexões nos últimos 10 anos, desenvolvidos aos Sábados e Domingos, em eventos, algo compulsivo como também o Team Building Games (Jogos 360°), Scrum 360° e o Sobre os Ombros de Gigantes.

O jogo Desafio Toolbox é uma provocação que gera muitos debates, muitos insights, mas principalmente gera uma sensação de curiosidade e de oportunidade. Ele é uma parte importante do workshop, mais que isso, ele demarca a importância de uma boa Toolbox para profissionais do conhecimento e suas equipes.

O Toolbox Wall é uma proposta disruptiva, pura GC, mas 100% descentralizada e auto-organizada, conectando pessoas, compartilhando vivências e expertises. Já rodei em muitos eventos e muitas empresas, o resultado é sempre surpreendente.

 

 

0

Fiz o MVP de um TOTEM de mesa sobre SCRUM

Inspirado no totem do J Anderson com valores e princípios do Kanban, criei para meus workshops um Totem Scrum muito particular e que acredito que outras pessoas vão curtir, então aqui vai. Que tal um totem contendo no topo a representação de uma sprint de duas semanas com tudo aquilo que você pratica?

Estou sem uma foto do Totem para colar aqui, estou sem nenhum aqui em casa, mas os usarei nos workshops em Lisboa esta semana (já estou com malas na porta de casa, saio daqui a uma hora) e vou fotografar e colar aqui para entenderem melhor a montagem 🙂

totem

No totem propriamente dito, coloquei Papéis, Organização, Artefato e Conceitos e no topo formando um T, temos a estrutura inspiracional de um Sprint típico:

  • Sprint (scrum guide, exemplo 2 semanas)
  • Sprint Planning (scrum guide)
  • Daily Stand Up Meeting (scrum guide)
  • Sprint Review (scrum guide)
  • Sprint Retrospective (scrum guide)

Tem tópicos extras ao Scrum Guide, alguns controversos, mas que oriento e tento ajudar na experimentação a cada adoção, no Forming de todas as minhas implantações:

  • Pós-Daily – Se a Daily é um momento de alinhamento e energização coletiva rumo ao sucesso da Sprint, pós-daily é ajudar um colega, debater ou montar um plano de ação, é detalhar melhor ocorrências sempre que necessário, talvez uma comemoração ou cooperação. Na Daily ficam todos, enquanto na Pós fica ou vão para outro local somente quem quiser ou precisar. Tem a técnica da mãozinha, se um relato na Daily se extender, levante a mão, se mais alguém levantar quer dizer que aquele assuto ou detalhamento fica para a Pós-Daily;
  • “DDD” – Logo após o Sprint Planning e sempre que possível, uma boa prática oriunda dos fundamentos do DDD é desenhar em conjunto a construção das histórias a serem desenvolvidas, quais as camadas, serviços, classes, componentização, características essenciais, … domínio. É uma combinação da equipe sobre boas práticas aplicadas que geram tanto senso de pertença como tende a mitigar riscos significativos no Code Review;
  • Refinamento – Proposto pelos criadores do Scrum, um alinhamento das histórias sendo modeladas para a sprint seguinte, podendo inclusive se utilizar de técnicas colaborativas como Example Mapping e asseguran do que as perguntas e dúvidas mais significativas sejam antecipadas e oferecendo ao PO, analista de sistemas ou qualidade e UX procurarem usuários, stakeholders, refinarem tudo antes da próxima Sprint Planning;
  • Roteiro – Garantir a roteirização de quem apresentará cada história e quais os cenários a serem preparados, de forma a evitar surpresas e improvisos na Review (que deveria ser um show de profissionalismo, uma chave de ouro da última sprint), e também a organização de informações tanto para a abertura da REview quanto para a retrospectiva.

O fiz de forma que coubesse em uma folha A4, primeiro o Totem propriamente dito, embaixo a esquerda o “telhado” com uma dobra central para cima de forma que o modelo de sprint embaixo a esquerda seja dobrado e ali colado. O jpg abaixo está em verdadeira grandeza, A4, só imprimir, é como fazer origami, na aba do totem e no telhado. Gramatura 300, onde é preciso colagem eu usei fita dupla face … fácil  \o/

O totem mais o Scrum SetUp Canvas e o Guia Rápido que compartilhei há alguns anos formam uma boa base de organização para seu Forming, depois é praticar, iniciar o Shu-Ha-Ri, aparar as arestas no Storming e a cada retrô ir evoluindo em cadência, fluxo e frequência de entrega de valor … Amo muito tudo isso!

Guia Rápido Scrum

Este é de 2012 e foi evoluindo e ganhando versões mais bonitinhas, é uma folha A3 ou A4 se preferir, com um super resumo contendo quatro dicas essenciais para cada momento. Naquela época eu ainda não tinha criado o Scrum Setup Canvas e o simbolismo do Release Plan estava expresso apenas na forma de um BMC.

https://jorgeaudy.com/2015/09/06/meu-guia-rapido-scrum-ganhou-versao-powered-by-marines-audy/

guiarápidoSCRUM360

Scrum SetUp Canvas 

Esse artefato para pré-inception eu uso em reunião(ões) de start de projetos, antes do planejamento de releases, normalmente uma sessão de brainstorming é suficiente para mapear o essencial e pontuar riscos e oportunidades, restrições e expectativas relativas a área de TI e equipe.

https://jorgeaudy.com/2017/08/30/guia-de-uso-para-o-ssc-scrum-setup-canvas-ed-5/

 

 

 

0

Dia 16/02/19 tem SCRUM 360° Prêt à Porter

Dia 16/02/19 teremos mais um workshop Scrum 360° na edição Prêt à Porter, através de uma abordagem lúdica sobre necessidade, valor, planejamento e execução, teremos um dia debatendo e praticando gerenciamento de projetos através do framework ágil mais usado no mundo para este fim. Para quem quer fazer uma reciclagem, ter uma introdução aos princípios, métodos e moderadores na prática de métodos ágeis. Não é um curso preocupado com as provas de certificação, é um workshop focado no que dá certo, principais riscos, desvios e oportunidades que embasam nossas decisões.

Teremos teoria, práticas, muitos debates e diversão, inscrições – http://bit.ly/s360-1602

Scrum PaP - 1

MODELO MENTAL – Escotismo | Muros e feudos | Desarmando rótulos e paixões | Sociedade industrial ou do conhecimento | Autoconhecimento Não mudo nada porque não posso mudar tudo | Felicidade | Individualismo ou coletivo | Confiança e melhoria são como uma poupança | Mudança de hábito | Morte às baias e gaveteiros | Equilíbrio

SOBRE OS OMBROS DE GIGANTES –  Lei Yerkes-Dodson | Ciclo de Deming | Pareto e Juran | Teoria da dissonância cognitiva | Teoria da contingência | Curva de Tuckman | Teoria da agência | Teoria institucional | Teoria das restrições | Matriz Cynefin | Gamification

PRINCÍPIOS ÁGEIS  Por que o método se chama “ágil” | Granularidade ágil | Manifesto ágil | Princípios ágeis | Algumas pessoas olham para o lado errado | Gestão do tempo | Estratégias de adoção | Pacto de equipe

INTRODUÇÃO AO MÉTODO – Scrum | Três pilares do Scrum | Overview do método Scrum | Product Owner | Scrum Master | Equipe de desenvolvimento | Fases do Scrum, Discovery e Delivery

DISCOVERY – Visão, 77 | User story | Critérios de aceitação | Reuniões de elicitação | Mínimo Produto Viável | User story mapping | Product backlog e sprint backlog

DELIVERY – Sprint planning | Planning poker | TDD, Test Driven Development | Engenharia ágil | Scrum board | Tarefas | Daily Burndown | Artefatos adicionais

MELHORIA CONTÍNUA – Review Entrega de pacotes | Retrospectiva | Melhoria contínua em TI é com Dojos | Resumo de 4 dicas em cada momento | Ferramentas para Scrum

GESTÃO E LIDERANÇA – Esferas de atuação | Gestão e liderança ágil | Agile é uma revolução permanente | Evite ser ágil só enquanto tudo dá certo | Ensaio sobre estimativas | Sem confiança não existe agilidade | Contratos ágeis

MÉTODOS – Extreme programming | Lean software development | Kanban | BDD, Behavior driven development | DDD, Domain driven design | PMBOK | Engenharia de software

ECOSSISTEMA – Execução | PDCL, ágil | Estratégia para inovação | Manifesto ágil ajustado para outras áreas | Um PDCL no financeiro | Rainforest

GESTÃO DO CONHECIMENTO – Gestão do conhecimento | Conceito de Ba | Comunidades de prática | Agile subway maps e dashboards | Tipos de eventos | Hackatona PDCL | A colaboração é a menor distância | Eventos, confrarias e voluntariado | Acho que aprendi algo novo

Scrum PaP - 2

Aqui compartilho um PDF em tamanho A3 no dropbox, para se ter na forma de um guia rápido a disposição – <baixe aqui>.

guiarápidoSCRUM360

0

Planejamento – Quase sempre as preliminares são cruciais

Há alguns anos eu propus e uso de um canvas para pré-inception, entretanto, não é só em software que esta abordagem faz sentido, isso vale para a vida. O canvas em questão é o SCRUM SETUP CANVAS, destinado a materializar, debater ou refletir sobre questões básicas relacionadas ao planejamento de um software corporativo.

Há exceções, reunir um grupo de pessoas para discutir um projeto de software em uma organização pode seguir um viés de inovação tal que não temos nem ideia de qual a tecnologia, quem serão as pessoas envolvidas, metodologia, bem como arquitetura ou plataforma … mas essa não é a regra, nem para tecnologia, nem boas práticas.

Em 95% dos projetos que me envolvo há um domínio e tecnologia implícita, usualmente há uma equipe envolvida, há padrões e limitações. Em sistemas financeiro, de RH, logística, varejo, entre outros, a inovação via de regra está nas histórias, nas características, ergonomia, usabilidade, etc.

A tempo, clique no link para acessar o manual com o canvas em A3 para impressão – https://jorgeaudy.com/manual-ssc-scrum-setup-canvas-ed-5/

A Mayra de Souza Machado incrementou alguns campos adicionais relacionados a outras combinações, como times remotos, ajustado a realidade do ZAP em https://medium.com/guma-rs/alinhamento-teamrules-facilita%C3%A7%C3%A3o-agreements-teams-canvas-acordos-do-time-cee832b65ba3

Nem sempre preencho todos os campos, as vezes alguns campos possuem seu próprio quadro ou canvas, como o Elevator Stetement ou um Mapa de Tecnologia, mas a intenção aqui é registrar o contexto metodológico e tecnológico em que o projeto transcorrerá.

Arquitetura e tecnologia

Um amigo meu defende que não vale a pena perder tempo mapeando a arquitetura e tecnologia no início, diz que isso deve acontecer conforme o projeto anda e decisões vão sendo tomadas, mas a minha experiência em projetos de software é que poderão haver experimentos, mas sempre temos um mapa amplamente conhecido.

Digo isso, porque frameworks, bibliotecas, linguagem, automação, boas práticas e técnicas influenciam em tudo, desde expectativas, estimativas até a aceitação, algumas vezes já prevendo possíveis variações entre MVP’s e Releases. Normalmente é rápido e muito elucidativo a todos os envolvidos – riscos e oportunidades.

Planejamento Estratégico ou Tático

Sempre que posso, saber quem somos é fundamental, já conduzi várias dinâmicas de planejamento estratégico, portfólio, programas, meu primeiro passo sempre é mapear quem são as partes envolvidas, seu dimensionamento e ao que estão dedicados, se possível, com um mapa de dedicação e portfólio.

Eu chamo estas prévias de aquecimento de sinapses, conheço muita gente que acha que ser inovador é partir de uma página em branco, mas estes casos sempre demoram mais para chegar no ponto de largada e com frequência esquecem coisas importantes que inviabilizarão suas conclusões.

O mais surpreendente e positivo em um bom briefing e combinações sobre o contexto em que estaremos planejando algo é que com frequancia não há um consenso fácil e alguns termos precisam ser pactuados, as vezes, alguém tem que ceder ou decidir para que uma só percepção seja estabelecida coletivamente.

Desperdício

Planejar a revelia de quem somos, o que somos, nossas competências e deficiências, é sinônimo de querer não perder tempo alinhando percepções essenciais, expondo conhecimentos e domínios relevantes, normalmente isso é sinônimo de engavetamento, porque na hora de fazer, surgem questões que foram deixadas de lado.

Para qualquer tipo de planejamento, quer estratégico, tático ou técnico, auto-conhecimento e alinhamento de quem somos e quem queremos ser é fundamental, porque gera uma percepção de realidade e desafios, pontos de atenção e viabilidade. O maior valor é o debate, resultando em um pacto em torno de termos de contexto.

Por exemplo, em Design Thinking se diz que um MVP (Minimum Viable Product) é a intersecção entre algo que é Desejável, Factível e Viável. Logo, é de se pressupor ser importante um bom mapeamento e auto-conhecimento para balizar o que é factível e o que é viável, ou pelo menos o que não é e exigirá mais recursos ou tempo.