Times são um reflexo de suas pessoas

As margens do rio Pinheiros, iniciamos as 7h30AM para preparar a sala para receber mais de 100 profissionais de uma área de apoio estratégica ao atendimento, comercial e pós-vendas de nossa maior Telecom.

Kits com cadernos e canetas da empresa e da Sputnik, sala lindona, cadeiras dispostas inicialmente em auditório e contagem regressiva para instaurar o caos, formar times, abrindo espaços e dispondo material.

Material básico para os 8 exercicios práticos e dinâmicas para fixação que acontecerão durante 4 horas, 2 pela manhã e 2 a tarde. Folhas A3 e A4, alguns pré-impressos, muitos postits e canetinhas.

Que comecem os jogos, boas-vindas, alinhamento estratégico e vamos nós … paradigmas de mercado, fundamentos essenciais para gestão do tempo, organização, aceleradores, etc, small project philosophy e fracionamento.

Até o final da manhã tivemos um quebragelo, exercicios de entendimento, brainstorming e facilitação. Antes do almoço trocamos para uma sala maior, com mesas, vista, balanços, … 🙂

A tarde, auto-conhecimento, pessoas e carreira, da roda da carreira a value proposition. Após teorias e praticas sobre desenvolvimento humano, uma discussão e praticas sobre modelagem de times de alta performance.

Ao final, muito sobre conexões, debate e exercicio sobre redes e gestão do conhecimento. A tarde, logo após o almoço, bate aquela letargia, mas rolou tudo bem até o fim, ao perguntar sobre insights quase todos levantaram as mãos.

Na pratica, menos de 4 horas, com boas-vindas, apresentação, quebra-gelo, troca de sala, mesmo assim uma adesão total aos exercicios praticos, trabalhos e debates em grupo. Foi um sucesso, do inicio ao fim.

A equipe de organização foi ótima, um evento para mais de 100 é uma experiência fascinante, e foi melhorando durante o dia. A métrica são sorrisos, cabeças acenando positivamente na medida que novas tecnicas são experimentadas.

Sempre com muitos insights sobre outras formas em alguns momentos, na parceria com o João e Raíssa, mas acima de tudo o sentimento de ver a todo momento anotações, brilho nos olhos, cenários futuros de mudanças.

0

Aquecimento com mapa de competências organizacionais

Toda organização possui múltiplas competências, é interessante estabelecer no início de um trabalho o entendimento de quais são elas. Importante ter uma visão quanto ao que é nossa competência essencial, quais são as competências organizacionais, também as competências coletivas e de que forma elas estão ligadas às primeiras e, por fim, quais seriam as principais competências individuais de nosso pessoal e ambientais em relação ao nosso contexto.

compet-essenciais-2

Esta dinâmica, assim como o mapa SWOT, são bons quebra-gelos de entrada para uma trabalho de mapeamento e modelagem estratégica, fazendo com que os participantes tenham uma visão compartilhada de quem somos antes de entrar nas especificidades do projeto e suas necessidades. Assemelha-se ao valor de uma dinâmica de Pizzadoro ou Ying-Yang antes da retrospectiva de Sprint.

Existem diferentes modelos e serviços baseados em questionários para mapeamento das competências de uma pessoa, o que já é um desafio, mas mapear as competências de uma organização e suas diferentes áreas é um desafio maior ainda, mas se fizermos um brainstorming descompromissado em esgotar o assunto, gerará bons insights. Ao fazer, as pessoas se surpreendem com as diferenças de opinião e percepção sobre si mesmo, equipes e organização.

Uma dinâmica rápida, uma folha de flipchart na parede com três retângulos crescentes inscritos com a competência essencial ao centro e a percepção das coletivas, organizacionais, individuais e ambientais no seu entorno.

No mapa é possível usar cores distintas em postits , bem como é possível colar os postits mais para esquerda e direita para ampliar e fazer o AS IS (situação atual) e TO BE (situação desejada), podendo-se neste caso dividir na vertical para tornar explícito que a esquerda é passado e a direita é desejo de futuro:

competências-2

Competências essenciais: Segundo Coimbatore K. Prahalad, é a habilidade e tecnologia que uma organização oferece a seus clientes e é percebido por eles como um diferencial competitivo confiável, escalável e sustentável frente a seus concorrentes. Dica: Temos uma essencial para várias organizacionais e coletivas.

Competências organizacionais: São valores próprios que caracterizam cada empresa, envolvendo sua cultura, história e características, resultantes da interação de suas pessoas, tecnologia, ambiente e experiências sociais. São competências que são esperadas em todos os seus quadros.

Competências coletivas: São habilidades desenvolvidas em grupo afim de atingir seus objetivos, sinergicamente, atingindo juntos mais que a simples soma da inteligência e capacidades individuais. Provavelmente são percebidas conforme a micro-cultura da área ou em grandes projetos, influenciadas por lideranças formais e informais.

Competências individuais: São inerentes a cada pessoa, representada pela soma de seus conhecimentos, habilidades e atitude, potencializado pela sua capacidade cognitiva em aumentá-las. Cabe a cada profissional entender os objetivos, para que suas competências individuais agreguem ao conjunto.

Competências ambientais: Toda organização possui intensa relação com o ambiente que o cerca, como é vista e lembrada, como e quando interage, quais suas motivações. Dica: São percebidas pelas suas ações e estas serão lembradas como exemplos de suas crenças e práticas. Marketing ameniza, mas não muda.

Um bom quebra-gelo e aquecimento para os neurônios, bem divertido e que gera boas discussões, sempre resultando em um alinhamento legal sobre a percepção de quais são nossas competências mais relevantes e como dividi-las.