Adoção não é fácil, mas pode ser ainda mais difícil

Como todo processo de mudança organizacional, o processo de adoção pode ir a favor dos ventos proporcionados pela cultura vigente ou contra, pode contar com o apoio do coordenador, gerência e direção, ou tê-los como restrição, mas mesmo com obstáculos a adoção de algumas técnicas ágeis, proporcionariam melhorias, se não para o ecossistema como desejado, internamente a equipe a título de comunicação.

VIRÓTICO: O manual mais ortodoxo sugere que selecionemos uma equipe que esteja iniciando um pequeno projeto com integrantes de perfil que potencializem a experiência, após sua conclusão seria possível dividir esta galera entre outras equipes, gerando uma progressão geométrica.

COACH: Eu acredito que a mesma estratégia apresentada acima pode estar suportada na preparação de um bom Scrum Master, segundo Tuckman, alguém que orientará a primeira equipe e que na sequência poderá iniciar outras equipes, treinando não só o time como inclusive outros Scrum Masters.

BIG BANG: Eu e uma colega participamos de um processo ousado, treinamos mais de 70 pessoas, pertencentes a 7 equipes de desenvolvimento de produtos digitais, de forma iterativa introduzimos em três meses os princípios e espírito de equipe ágil, restrospectiva e gestão visual, finalmente o ciclo Scrum.

SUBVERSIVO: Se sua chefia e empresa não entendeu o que é Agile e não autoriza a mudança, é possível negociar algumas técnicas, como retrospectivas e gestão visual, mesmo sem requisitos ágeis e ciclos iterativos, com o tempo mostrar o valor em melhorar a comunicação, transparência e adaptação.

WATERFALL: Tem empresas que ficam debatendo esta opção durante algum tempo, trazendo cursos e consultores, na expectativa de que primeiro deve mexer na cultura, no modelo mental, querem estar prontos para tudo e democraticamente iniciar o processo em BIG BANG ou VIRÓTICO.

Não há garantias, não importa se optamos por iniciar com 100% do Scrum em uma equipe piloto e formadora de opinião ou baby steps com várias equipes, o segredo está em buscar um mínimo de apoio e botar a mão na massa, pois os princípios e técnicas gerarão bons resultados mesmo com um pacote mínimo.

1 comentário

  1. Show Jorge!
    Um aprendizado que obtive na adoção da agilidade é que não se deve aplicar as técnicas em projetos ‘pilotos’, pelo contrário, aplicar agilidade em projetos críticos que emergem grande complexidade ajuda no fortalecimento do espírito ágil.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s