O medo pode ser um aliado ou seu maior inimigo

O medo pode ser um aliado, como aquele medo que transmutamos em atenção e coragem para nos mover adiante, mas também pode ser um procrastinador, gerador de uma zona de conforto disfuncional, situações em que nos resignamos ou paralisamos frente a ele. Na regra o ser humano é movido mais pelo medo que pela convicção, mais pela pressão que pela paixão.

Uma das maiores bases para este entendimento é a Teoria da Dissonância Cognitiva, sobre ela já escrevi vários posts e já fiz várias palestras, trata-se de defesas psíquicas, quando nosso consciente angustiado com algo é ajudado pelo nosso inconsciente para transferir, projetar, negar, racionalizar ou reprimir, ao invés de encarar o problema, justificamos e nos escondemos atras dele.

Na sua vida pessoal é possível procrastinar mudanças, alternativas, oportunidades, riscos, a vida é sua e faça o que achar melhor, mas no trabalho cada vez há menos espaço para profissionais que são reativos, que só se justificam, que se resignam, … como me disse o guru Luiz Cláudio Parzianello em 2011, “vivemos uma época de mudanças, quem não muda, dança!”.

planos

As empresas não querem mais meros “apontadores de erros” ou “justificadores”, elas querem pessoas que ao perceberem problemas ou desafios, gerem planos de ação, propostas para tentativas de solução ou mitigação. Ficar no seu quadrado fazendo a sua parte e explicando os motivos nos outros quadrados que justificam porque não deu certo é muito vintage … resiliência no século XXI não é suportar a pressão, mas agir para coletivamente atenuá-la até zero.

Mas, atenção ao usar Agile, a mudança ou a falta dela como desculpa para sua zona de conforto não vai isentá-lo das consequências, o foco de todos nós precisa ser REALISMO e KAIZEN, em BABY STEPS, mudando o que é possível mudar em nós mesmos e no time, ao mesmo tempo que atendemos e surpreendemos, porque o restante é consequência, não pré-requisito.

Empresas não existem, o que existem são pessoas e o agente de mudanças é cada um de nós, mas é preciso ter estratégia, tática e realismo!

É preciso que individual e coletivamente se estabeleçam motivações de lócus internos, é preciso estabelecer uma estratégia de olhos no futuro, mas com realismo e pés no chão, mudança em ambientes organizacionais ocorrem em pequenos passos. Vivemos sistemas sócio-técnicos, a solução não está no método ou na estratégia, a solução está em cada um, nas pessoas, em você!

15/07/16 – A responsabilidade é nossa, não culpe o cliente
10/07/16 – Refleti e tenho tarefas … para os outros fazerem 😦

02/12/16 – Quem você é, um Atrasador ou Acelerador?
11/04/17 – Seu objetivo é o método ou o valor gerado por ele?
01/12/17 – NÃO entregar valor NÃO é opção em uma sprint

Desculpa aí, se você acha que está em uma cruzada contra o status quo e falta de compromisso com os princípios ágeis, sempre apontando múltiplos motivos e justificativas, sendo um formador de opinião de que assim não dá e tal, reclamando no cafezinho … VOCÊ É O QUE MENOS ENTENDEU E O MAIOR PROBLEMA PARA QUE AS COISAS REALMENTE COMECEM A ACONTECER!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s