Roger Martin: Para ensinar a inovar, é preciso inovar!

Segundo o especialista canadense Roger Martin, que comandou a aplicação do design thinking na escola de negócios Rotman School, transformando-a em um laboratório de boas práticas, os provedores de educação executiva devem abraçar a inovação e as grandes empresas precisam abraçar a educação executiva.

Com tanto conteúdo disponível, gratuitos e pagos, mihares de terabytes em cursos, canais, artigos, mídias, podcasts, as empresas e as escolas de gestão, empreendedorismo e inovação devem agregar ao máximo a experimentação real, além da retórica e teoria, porque toda teoria é grátis e abundante.

Faço este registro, compilando informações e resenhas para tê-lo no meu blog como referência, tenho como meta ter diferentes gurus neste meu repositório pessoal (meu blog), que por acaso está aberto para o mundo. Nele faço buscas, cruzo informações, monto hipóteses, … sobre os ombros de gigantes!

Referência mundial em estratégia e design thinking, 11 livros, os best-sellers “The Design of Business” e “Jogar para vencer”. Já ocupou a terceira posição no ranking mundial dos maiores pensadores de management do mundo (Thinkers50) e foi eleito pela Businessweek como um dos 7 Global Innovation Gurus e um dos mais influentes designers.

Professor emérito e ex-reitor da Rotman School of Management da University of Toronto, Martin é um consultor de estratégia confiável para CEOs em todo o mundo e autor de onze livros, incluindo os vencedores do prêmio Thinkers50,  Playing to Win  (com AG Lafley) e  Getting  Beyond Better  (com Sally Osberg).

Martin recebeu seu AB da Harvard College e seu MBA da Harvard Business School. Antes de sua carreira acadêmica, passou 13 anos como diretor da Monitor Company, uma empresa de consultoria de estratégia global com sede em Cambridge, Massachusetts. 

Ele atua em vários conselhos de serviço público e segundo Stuart Crainer da Thinkers50, sua visão sobre o executivo socialmente eficaz tem profundas implicações para a sociedade. Por outro lado, ganhou o Prêmio Thinkers50 2015 de Empresa Social com Sally Osberg por seu trabalho em empresas sociais sustentáveis.

Roger Martin: – Artigos publicados

Com diferentes prêmios e reconhecimento, contando com vários artigos com co-autores do naipe de Tim Brown (CEO Ideo) e A. G. Lafley (CEO P&G). Martin já faz parte da história na disseminação do Design Thinking, abordagem na intersecção entre o pensamento analítico e intuitivo.

O desafio proposto por Roger Martin é como “equilibrar o pensamento analítico e o pensamento intuitivo” para inovar? O Pensamento Analítico olha o Passado atarvés de evidências e confiabilidade, enquanto o Pensamento Intuitivo olha para o Futuro, buscando hipóteses que precisarão ser validadas.

Sempre a Harvard Business Review, reiteradamente sugiro a todos que fiquem atentos e valorizem seus artigos e autores, de Nonaka a Kotter, a grande maioria das teorias e modelos relevantes às organizações no século XXI passam pela HBR – https://hbr.org/ (dica: a quota de leitura/mês zera a cada browser – Chrome, Firefox, Edge).

Livro: Jogar para Vencer – prêmio Thinker50 2013

Você está só jogando ou está jogando para vencer? A.G. Lafley, CEO da Procter & Gamble, em parceria com Roger L. Martin, dobraram as vendas da P&G, quadruplicaram seus lucros e aumentaram seu valor de mercado em mais de US 100 bilhões em apenas dez anos. O livro mostra como os líderes de organizações de todos os tamanhos podem orientar ações cotidianas com base em metas estratégicas mais amplas construídas em torno de elementos claros e essenciais que determinam o sucesso dos negócios – onde atuar e como vencer. 

1. Qual a nossa Ambição? Formalizar a real causa, propósito, o que de fato nos leva a empreender;
2. Onde jogaremos, qual o escopo e segmentação? Qual segmento, mercado e solução trabalharemos;
3. Como venceremos, qual a proposta de valor? Proposta única de valor e vantagem competitiva;
4. Quais competências são necessárias? O que temos e o que nos falta à desenvolver, adquirir ou terceirizar;
5. Quais sistemas de gestão são necessários? Identificar novos sistemas ou novos recursos aos sistemas.

Livro: Design de negócios, Elsevier, 2010

Uma nova forma de pensar que equilibra a investigação dos novos conhecimentos (inovação) com a exploração do conhecimento atual (eficiência), com o objetivo de gerar conceitos revolucionários e criar valor para as empresas. O design deveria ser a peça central ou inicial para a maioria dos trabalhos que são feitos no mundo dos negócios e a importância do conceito de design thinking é a próxima vantagem competitiva.

Como defender hipóteses intuitivas com Pensadores Analíticos:

1. Considere a antipatia à hipótese como um desafio;
2. Demonstre empatia aos avessos à hipótese;
3. Fale a linguagem da confiabilidade;
4. Use analogias e histórias;
5. Limite a hipótese ao mínimo possível para poder gerar provas suficientes depois.

Como falar com Pensadores Intuitivos:

1. Considere a antipatia à confiabilidade como um desafio;
2. Demonstre empatia aos avessos à confiabilidade;
3. Fale a linguagem da validade;
4. Compartilhe dados e reflexões, nunca conclusões;
5. Amplie a análise ao máximo possível para dar oportunidade à inovação;

https://thinkers50.com/biographies/roger-martin/ – Martin defende a ideia do pensamento integrativo, usar o pensamento ‘e’ em vez de ‘ou’, a combinação de elementos de modelos aparentemente opostos pode abrir caminho para a inovação, equilibrando a exploração de novos conhecimentos (inovação) com a exploração de expertise existente (eficiência).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s