0

Repaginando – Criatividade e Inovação

Peça a cada membro da equipe que tragam algo que utilizem com certa frequência e que esteja sobre a sua mesa de trabalho. Apenas diga que farão um exercício em que precisarão de algo útil do cotidiano de cada um.

Ao iniciarem o jogo, explique que estes objetos são as oportunidades de mercado e eles próprios serão os clientes a serem entrevistados. O objetivo é usar de seus conhecimentos sobre os itens para escolher aquele que maior potencial tem para desenvolver um produto inovador que o substitua.

Devem analisar as deficiências e pontos fortes, suas oportunidades e restrições, para então fazer um brainstorming focado em definirem um novo nome, logotipo, slogan e abordagem para marketing do novo produto.  Dado um tempo de 15 minutos, ofereça 2 minutos de apresentação de seu planejamento, ao final propondo que todos votem nos melhores produtos e planos.

PRINCÍPIOS: Uma oportunidade de exercitar a ideação, criatividade, inovação, no desafio de ver produtos reais em seu potencial de aprimoramento ou revolução.

DICA: Não é incomum cada equipe escolher um problema real, eventualmente boas ideais surgem, que merecem ser consideradas em um contexto prático de mercado.

3

Primeiro Workshop Toolbox 360º em SanPa com a DBServer

Galera de SÃO PAULO, vou estar a trabalho em SanPa e vou esticar no Sábado dia 21/07 para realizar um Workshop Toolbox por lá para aproveitar a estada. A DBSERVER está apoiando com toda a logística, por isso o valor será o mesmo daqui, R$130,00.

Serão quatro horas, Toolbox Wall, Desafio Toolbox e diferentes exercícios em grupos usando técnicas de planejamento, resolução de problemas e lições aprendidas, além de um bom networking durante o coffee-break.

Cada participante leva pra si um kit contendo o tabuleiro e baralho com mais de 80 técnicas constantes no Toolbox Wall para estratégia, ideação, modelagem, validação, planejamento, discovery, delivery, resolução de problemas, melhoria contínua e lições aprendidas.

Inscrições – Lotou em 24Horas \o/

Últimas edição com fotos e depoimentos:

https://jorgeaudy.com/2018/05/20/workshop-toolbox-360o-de-19-05-2018/

https://jorgeaudy.com/2018/06/18/workshop-toolbox-360o-de-02-06-2018/

Um post sobre o lançamento do Toolbox Wall:

https://jorgeaudy.com/2017/11/19/toolbox-wall/

Quem for paulista e puder compartilhar para fazer chegar ao povo aventureiro de SanPa agradeço desde já \o/

tabuleiro

Esta estrada não teria acontecido sem a inspiração e o apoio de alguns amigos, que em meio a correria do dia-a-dia cederam uma hora para me ajudar a percorrer esta estrada editorial e vivencial. Representativamente, em algumas fotos, agradeço em um tributo a minha maneira:

darth-vader-virada-agil-2016-ufpr-ii

2

Ligando os Pontos

Esta dinâmica vem de um exercício de criatividade e improvisação que usamos no escotismo entre jovens de 18 a 20 anos em ações sociais, a primeira coisa a ser feita é pedir que sentem-se no chão naquilo que chamamos de um círculo de conselho e dê a cada um uma folha e canetinhas coloridas.

No caso do escotismo, propomos um desafio a ser realizado ou um desafio diferente em cada folha, como uma ação do agasalho, alimentação, páscoa, natal, … e peça que cada um pense em algo fora da caixa, para então desenhar ou escrever na folha sua ideia mais criativa para a ação deste ano. Em 2 minutos, peça que escrevam usando apenas uma parte do papel.

Peça que repassem o papel para a pessoa a sua esquerda, então cada um deve interpretar o que o colega escreveu e desenhos, para então inspirar-se e evoluir, ir além, melhorar ou mesmo resignificar aquela ideia em algo ainda mais criativo, inovador, ousado. Deixe claro que não há preconceitos ou limites, podem viajar na maionese.

Dê dois minutos para cada rodada e então sigam passando ao colega da esquerda, até que cada um tenha novamente a sua folha original em suas mãos. Finalmente, o autor original deve interpretar a evolução e mudanças havidas e preparar uma proposta final convergente ou conclusiva a todo o processo evolutivo trabalhado em sua folha.

No trabalho, além do social, mudanças ou eventos, algo novo, de integração ou gestão do conhecimento, …, é um brainstorming diferente, divertido, de alto impacto, pois todos se envolveram nas ideias de todos, evolutiva ou disruptivamente, encerrando com um minuto para o pitch do resultado em cada folha apresentado por cada um.

0

Benchmark

É mais que analisar a concorrência, é tirar o máximo de proveito dos dados, informações e conhecimentos disponíveis sobre qualquer fonte, física ou virtual, primária ou secundária. No Design Thinking é a Pesquisa Desk, o Gartner oferece uma ideia de quadrante mágico, um eixo de inovação e execução, mas com frequência usamos planilhas comparativas de features, pontos fortes e fracos, valores e recursos necessários.

Ludicamente, é como um arquiteto ou estilistas que busca inspiração nas artes, nas ruas, revistas, hoje em dia a web é ponto de partida para tudo, mas com o cuidado de não se limitar, porque o mundo real desperta outros sentidos e percepções … eles chamam de repertorizar. Benchmark é evitar tentar reinventar a roda.

Se você teve uma ideia, o primeiro passo é pesquisar e ver quem mais a teve, a quanto tempo, quantos produtos semelhantes já estão no mercado, quais seus pontos fortes e fracos, características e estratégia adotada por suas empresas, matriz de funcionalidades, comercialização, …

Significado: “Benchmarking é um processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais, e é um importante instrumento de gestão das empresas. O benchmarking é realizado através de pesquisas para comparar as ações de cada empresa. Tem o objetivo de melhorar as funções e processos de uma determinada empresa, importante aliado para vencer a concorrência, uma vez que analisa as estratégias e possibilita criar e ter ideias novas em cima do que já é realizado.”

Sempre que já existem opções, como sistema atual, alternativas, concorrentes, é preciso conhecê-los e compará-los, quer seja para não cometer erros conhecidos, como para inspirar-se naquilo que o mercado já confirmou ou rejeitou. Abaixo algumas matrizes comparativas para efeito de ilustração, entretanto benchmark pode vir na forma de um relatório ou fichas descritivas:

0

Prototipação

O uso de protótipos pode ser feito de diferentes formas, por meio de simulações, wireframes, modelos em escala, prototipação de hardware, usando controladoras genéricas como arduino, desenho, colagem, simulações com produtos similares, etc.

Significado: “Na Engenharia de Software, protótipo é um sistema/modelo de um software sem funcionalidades inteligentes como acesso a banco de dados, podendo conter apenas funcionalidades gráficas. Utilizado para fins de ilustração e melhor entendimento, geralmente em reuniões de validação com o contratante.”

Uma técnica que permite a materialização ou visualização simulada de um produto, de forma a permitir maior entendimento pela equipe de projeto, pelo cliente, patrocinadores ou investidores. Frente a metodologias ágeis, uma forma de validação de baixo custo, comparada ao tempo e recursos para o desenvolvimento real e escalável do produto final.

Em relação a busca pelo senso de pertença e imersão de equipes de trabalho no produto ou serviço que estão projetando ou desenvolvendo, protótipos permitem máximo entendimento do objetivo e trabalho necessário para executá-lo.

O custo para sua confecção depende do grau de acuracidade e realismo em seus detalhes e características funcionais. Esta decisão deve levar em consideração não só o custo em dinheiro, mas em tempo e valor agregado, associado à construção e aproveitamento.

0

Shadowing para levantamento de mais informações

É análogo ao conceito de sombra do Design Thinking, é sentar ao lado de alguém, no dia-a-dia de uma equipe e registrar fatos e percepções. Fotografe, grave, filme, peça depoimentos, abstraia roteiros, registre pensamentos, insights, cenários principais e alternativos.

Há uma possibilidade em que terceirizamos esse trabalho, quer por motivos geográficos, volume, velocidade, então um diário pode ser confeccionado e entregue a quem fará o registro, sugerindo as mais diferentes técnicas, para ser preenchido e mantido pela própria pessoa estudada (*) ou por um observador próximo.

(*) Há uma técnica chamada diário, em que pedimos que a própria pessoa registre e mantenha tudo o que acontece durante um certo período de horas ou dia, pois ao ter que registrar provavelmente ele próprio perceberá fatos que lhe passam desapercebido em meio a rotina.

Um super-artigo sobre shadowing em pesquisa é https://www.interaction-design.org/literature/article/shadowing-in-user-research-do-you-see-what-they-see

2

Gamification Model Canvas

Basicamente trata-se do uso de técnicas típicas de jogos em outros contextos, visando fomentar engajamento, interesse, participação, pertença, conquistas, recompensas, etc. Tudo isso para a geração de um ambiente ou contexto mais lúdico, divertido, engajado, consciente ou inconscientemente.

gamification

Agile Thinking e Game Thinking são novos modelos mentais, uma visão holística que nos desafia a sermos mais sustentáveis, Human Thinking afinal, mas mesmo empresas não dispostas a mudar podem sim mitigar suas dificuldades em inovar, superar-se, os dois são relativamente fáceis de adotar.

O Canvas ajuda a modelar a aplicação de mecanismos de jogo visando envolver as pessoas em um contexto que não é um jogo:

GMC

http://www.gameonlab.com/downloads/gamification_model_canvas_poster.pdf

  • Receitas: Descreva o retorno econômico ou social;
  • Jogadores: descreva quem e como são as pessoas;
  • Comportamentos: A desenvolver nos jogadores;
  • Aesthetics: As respostas emocionais desejáveis;
  • Dinâmica: Comportamento em tempo de execução da mecânica que atua sobre o jogador ao longo do tempo;
  • Componentes: Elementos ou características do jogo;
  • Mecânica: Regras do jogo para criar as dinâmicas;
  • Plataformas: Onde implementar a mecânica do jogo;
  • Custos: Os principais custos ou investimentos.

O melhor post que encontrei sobre o assunto é do próprio autor – Sérgio Jimenez – https://www.gamasutra.com/blogs/SergioJimenez/20131106/204134/Gamification_Model_Canvas.php

Sei de empresas aqui no TecnoPUC que se utilizam de Gamification para gerar sinergia, com ranking baseado em atividades e desafios que vão acontecendo no transcorrer de cada mês, com participação de todas as suas equipes e premiações de tempos em tempos.

Também conheço cases em que os pontos conquistados por variadas questões e origens, oriundos do próprio trabalho ou excepcionais, divertidas, que valorizam interação, empatia, sinergia entre as diferentes áreas da empresa e geram ao final destaque, visibilidade ou mesmo prêmios reais.