Vivenciando o início de mais uma CoP

Tive a oportunidade de iniciar dezenas delas desde 2013, quem não sabe o que é uma Comunidade de Prática, da uma olhada no post anterior sobre balizas razoáveis para iniciar uma, independente do tema e objetivos singulares. A tempo, tive um artigo no mestrado sobre a relação entre CoP’s inter-organizacionais e intra-organizacionais.

As CoP são grupos que interagem periodicamente com foco em uma área de interesse, campo de conhecimento ou profissão, termo cunhado por Jean Lave e Etienne Wenger nos anos 90. Uma CoP pode ser no mundo real ou virtual, quando diferentes profissionais compartilham sua expertise, debatem e gerenciam conhecimento.

A seguir a programação e relato da primeira reunião de uma nova CoP, com product owners, analistas de sistemas e UX (user experiences), um fórum escolhido para maior sinergia no trabalho de construção do DoR, mas que apontou algumas oportunidades desde a concepção de negócio, integração destes papéis de ponta-a-ponta, estratégia, tática e tecnologia.

A primeira reunião sempre é especial, é preciso estabelecer conexões, vínculos, convergências, muito especialmente é preciso alinhar crenças e grau de empenho para que dê certo, cientes do desafio de criar o hábito, sempre olhando para possibilidades de aprendizados e melhorias, capacidade absortiva e ambidestria:

15″ – Boas-vindas e briefing dos organizadores;
20″ – Q-G da comunicação dos Origamis;
20″ – Programa e Check-In (quadrante mágico);
30″ – Overview metodológico e P&R;
45″ – Personas e SWOT (PO, AS e UX) – 5/10/15:
– 6 grupos > apresentações > consolidação
45″ – Temas propostos para discussão – 2/13/30;
–  3 grupos > apresentações > votação/ranking;
15″ – 5w2h da CoP e plano da próxima edição
       – Alinhamento de técnicas > exemplo 3 temas do kanban
10″ – Check out (feedback)

Os exercícios principais demandaram entre 30 e 50 minutos cada, gerando a percepção de evolução e ganhos, neste caso de alinhamento e percepções, culminando com a votação e ranking de temas a discutir, sujeitos a evolução.

A densidade interativa e discussões em pequenos grupos garantiram adrenalina a cada 30 minutos para manter o nível de participação, confiança e engajamento em níveis muito bons até o último minuto.

A facilitação estará atenta em manter boas práticas de aceleração como 1-2-4-all e 5-10-15, art of hosting, mapas visuais, de forma a garantir efetividade a cada reunião, afinal, feito é melhor que perfeito!

As conclusões finais foram de:

  1. Contar com a facilitação de um dos SM’s dos times;
  2. Periodicidade mensal;
  3. Tempo de 120 minutos, mas baixará para 90 minutos;
  4. Ter uma pauta clara e espaço para assuntos gerais;
  5. Convidados mediante aceite do grupo;
  6. CAFÉ!

Para o próximo, daqui a mais ou menos 30 dias, já temos um facilitador voluntário para a organização, também criará um kanban com os temas ranqueados e disponibilizará as fotos de todos os artefatos criados nesta primeira reunião.

A expectativa, percepção de valor e nível de confiança foram muito altos, aguardemos as próximas!  \o/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s