Desculpa, mas agile não é trincheira … pronto, falei!

A maior quebra de paradigma do nosso tempo não é usar design thinking, lean startup ou métodos ágeis, nem Angular, NodesJS ou microserviços, o desafio é termos profissionais mais conscientes, colaborativos, transparentes e realistas.

Mudar de método de trabalho e adotar novas práticas é sim um desafio, porém se não mudarmos o modelo mental e hábitos ancestrais, será tão somente um novo processo de trabalho para servir de zona de conforto, cada um no seu quadrado.

A pergunta não é se somos ágeis, mas se trabalhamos para nos tornarmos equipes de alta performance, porque agilidade é meio, trabalho em equipe, valoroso, colaborativo, sustentável, positivo, os resultados são o fim.

Nossa crença é que esse meio, com ambientes e equipes ágeis, suscitaremos melhores resultados a todos. Sem resultados e valor, sua agilidade não se sustentará muito tempo.

Trincheiras

Mesmo entre aqueles que se dizem ágeis, muitos misturam “reclamação” com transparência, apontar culpados com “eu fiz a minha parte”, “alertam” problemas esquecendo que nosso papel é mitigar, contornar, resolver … ver um problema é só o primeiro passo.

Eu acredito muito na frase “Esperamos que as retrospectivas façam o seu trabalho!” mas, se o resultado recorrente de uma retrospectiva é listar problemas dos outros, não é retrospectiva, é trincheira.

Muitos agilistas reclamam de problemas que eles próprios viram começar, crescer e se estabelecer, apenas assumindo o papel de arautos da verdade dos outros, apontando o dedo e deixando o seu projeto ir pro beleléu, mesmo com opções de contorno.

Construção

Há uma estrada longa para colher o que não plantamos ainda, caso ainda não usemos Lean Business Analisys, DDD, BDD, clean code, XP, DevOps, haverá muito o que fazer e consolidar para aos poucos estabilizarmos nossa realidade.

Muitas vezes eu escuto de equipes que o seu cotidiano é estressante, mas ao averiguar, não é nada além do cotidiano de uma área que lida com a complexidade inerente a software e ao imediatismo no caso de problemas em produção (legados).

Se vamos trabalhar 8 horas por dia em projetos que mexem com os destinos de empresas, áreas, produtos, serviços, mas ainda não temos um bom pack de boas práticas, querer que não hajam momentos de tensão é impossível, temos que saber lidar com eles enquanto evoluímos.

Poupança

Muitas vezes eu comparo uma empresa ou equipe que começa a adotar Agile como alguém que abre uma poupança, teremos que fazer vários depósitos pequenos para hora dessas termos um montante legal … não é imediato.

Projetos e tecnologia é igual, temos um débito técnico gigantesco, legados, falta de boas práticas variadas a cada passo, mesmo assim muitos acham que o simples fato de decretarem que se tornaram ágil esse histórico desaparecerá …

Desculpa aí, mas é o mesmo que um eu de repente decidir usar calça número 39, para isso acontecer vou ter que me empenhar a baixar do 42 para o 39, melhorar hábitos alimentares, academia, retomar os percursos diários de bike.

Adotar Agile para o modelo de fluência do James Shore pode exigir de 4 a 5 anos de dedicação, porque envolve cultura, envolve gente, hábitos, costumes, é preciso crença e dedicação, flexibilidade, jogo de cintura, é preciso ser ágil na agilidade.

Agile é valor entregue

Se há algo errado, propomos alternativas, qual a melhor delas e argumentos, mesmo assim, quem decide as vezes pensa diferente, reclamar e emburrar não é solução, só piora, é preciso tentar fazer dar certo … o que estiver ao nosso alcance!

Toolbox, foco na entrega de valor, o objetivo é sempre buscar uma técnica que melhor enderece, o que pode ser feito para resolver ou mitigar? Se necessário, excepcionalmente, stop the line e replanejar.

Trabalhar em equipe ágil não quer dizer unanimidade de opinião, mas debate e tomada de decisão coletiva e colaborativa … depois é trabalhar nos termos que ficaram definidos, mantendo um ambiente positivo e profícuo.

Quer saber? Gostaria de ser uma mosca e poder assistir incógnito alguns agilistas de boutique se “adaptando” as idiossincrasias de suas empresas, contratos e clientes … porque agilidade na vida real exige muita resiliência até que teoria e prática se encontrem. Agilidade, sustentabilidade e sinergia não são disciplinas que acontecem por decreto … é algo que construímos aos poucos, um passo de cada vez, as vezes para a frente, as vezes para os lados ou mesmo para trás. Ficar idealizando, de mi-mi-mi, só empata mais ainda. Pode demorar anos, enquanto isso, temos que ir lá e fazer, ganhando créditos, avançando, baby steps, menos mi-mi-mi e mais pés no chão por favor!

mosca

Post difícil, tabu, dá vontade de escrever mais 2 laudas, mas até aqui já expressa por alto meu sentimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s