0

Um quadro estratégico e tático inter-equipes

Em uma consultoria recente os PO’s e analistas me pediram ajuda para organizar um product backlog compartilhado entre 6 equipes especialistas em suites de uma solução digital corporativa – financeiro, contábil, backoffice, etc.

Me baseei em um quadro de features por equipes do framework SAFe, onde temos cada equipe com suas features para o Train, garantindo uma visão tática por equipe x feature que dá suporte para algumas reuniões táticas e escaladas.

A necessidade era baseada em um backlog sendo priorizado por diferentes clientes e pela própria empresa para evolução e manutenção do produto. Queriamos um artefato que os ajudasse a ter uma visão clara transversal estratégica e tática para distribuição e acompanhamento.

Eu já havia ajudado a introduzir há alguns meses Scrum e Scrum of Scrums, que vinham trazendo bons resultados, mas agora os PO’s e analistas precisavam algo mais visual para o backlog nos próximos meses.

Diagramaticamente, reorganizamos os postits utilizados por eles em uma reunião recente de priorização com clientes, quando usaram um quadro de valor x esforço, com cores para 5 diferentes naturezas de ítens.

Simbolizei na imagem a principal diferenciação destacada, pois para cada time temos duas trilhas, uma para projetos (azul) e outra para sustentação (reserva técnica). O quadro visual é apenas para priorização e abstração em uma escala de tempo mensal.

O quadro ficará em um desses cavaletes com rodinhas, a granularidade dos tickets será por conveniência, coisas muito pequenas não serão representadas individualmente e o formato privilegiará selos com marcos, riscos e lembretes.

Cada postits azul representando projetos, no momento apropriado, terão sua própria inception e seu quadro de Release Plan junto ao(s) time(s) envolvidos, ficando aqui registrado apenas seus MVP’s e Releases.

O número de meses/sprints representados no quadro será um ponto de equilíbrio com foco em que o quadro facilite reuniões de estratégia com as equipes, diretoria e clientes. Também será um facilitador na mudança em curso para Agile no que diz respeito a gestão visual transversal, no plano estratégico e tático, compartilhada entre todos os envolvidos e interessados, inclusive stakeholders.

Relato GVDASA

Uma empresa de atuação nacional que vem fazendo sua transformação digital, com total apoio da alta direção, da gestão e equipes ágeis praticando Scrum, Kanban e realizando reuniões transversais seguindo Scrum of Scrums.

A mais de ano, cada equipe, desde a adoção, contando com profissionais que vem se empenhando em serem ágeis, agregar valor, evoluindo a cada ciclo, melhorando suas práticas ágeis através de experimentação x resultados.

“Já queria te dar um primeiro feedback. Recebemos um pedido de priorização de outra área, o item estava em 7º lugar no backlog, marquei um momento para discussão com os envolvidos e direção e utilizamos a técnica de comparação, ou seja o item a ser priorizado é mais importante que o 1º, 2º, 3º e assim sucessivamente. O resultado foi que todos concordaram que a priorização estava correta e deram um feedback positivo a respeito da clareza e transparência das prioridades que estão sendo trabalhadas.”

Vinicius Iager – coordenado de desenvolvimento GVDASA – Gestão educacional integrada, solução completa para a otimização dos processos acadêmicos e administrativos da sua instituição – http://gvdasa.com.br/

logotipo GVDasa

Conclusão

Não só as equipes envolvidas, mas a participação de clientes, líderes e executivos sempre é muito positivo ao se depararem com um quadro de portfólio, programa, ciclo ou Release Plan. Eles veem ali materializado seus objetivos, desejos, sonhos e expectativas.

Muito da alta pressão, “natural” em projetos de TI, é existir diferentes percepções e entendimentos relativos a prioridades e possibilidades. Ao estabelecer um quadro estratégico ou tático, toda a discussão sobre priorização (e mudanças) geram um único entendimento.

Não há regras pétrias de ticketagem (postits) ao iniciar o uso, tanto granularidade quanto diferenciação irão adaptar-se a realidade do tipo de portfólio, programa, ciclo, tecnologia, complexidade, volumes, equipes, pessoas, etc … Dê o primeiro passo, explicite e deixe que as retrospectivas se encarregarão de melhora-lo cada vez mais.

0

O mindset do Design Thinking na Educação

Inicie pensando Design Thinking na educação pela sua cláusula mais pétria, a empatia, enxergando o aluno como nosso cliente, com o qual é preciso estabelecer sinergia. Inexiste ensino sem aprendizado, logo entender seu cliente é essencial, assim como em métodos ágeis, é obrigação do facilitador, mentor ou coach, encontrar a técnica mais adequada a média e a cada cliente, sua cultura, subsunçores (âncoras ou conhecimento prévio), ensino tem duas vias para retroalimentar-se e melhorar continuamente.

Novas gerações

Não acredito em gerações pela data de nascimento, não é uma maldição, todos nós evoluímos, há pessoas jovens e velhas presas ao passado, tanto quanto jovens e velhos vivendo intensamente o presente. Entretanto, estes estudos nos ajudam a entender períodos de tempo.

Geração Y (Millenials), estão a noite em aula após o dia inteiro trabalhando em empresas que buscam novos paradigmas, Agile, DT, Fábrica 4.0, organizações exponenciais e duais, em aula buscam algo que ative sua curiosidade e exercitem na prática, não só na teoria.

Geração Z, multi-threads, multimídia, uma meninada que nasceu com um iPAD nas mãos, que escolhe o assunto, o filme, o jogo, tudo é on demand, a tentativa de exigir atenção em aulas padronizadas é quase o oposto de seu mindset, crenças e valores.

318574_518259324865092_1276841163_n

Novos tempos + novos alunos = novos professores

Ano de 2018 e tem muito professor que vê o aluno como um recipiendário, alguém que deve curvar-se a sua sapiência e receber um conhecimento de forma respeitosa, reverencial e se possível inerte, sem questionar, desconstruir e reconstruir. Na maior parte das vezes, professores cavam suas trincheiras em torno de um conhecimento estático, em meio a um mundo em movimento, impondo suas regras em aulas formatadas de forma a permitir apenas que o aluno escute, aprenda e agradeça.

Quanto a fazer diferente, tem gente que ainda acredita que aulas invertidas são disruptivas, mas aulas invertidas eram inovação na década de 80 do século XX, entretanto, no ano de 2018 do século XXI é inócuo apenas inverter, é preciso interagir e envolver, é preciso se utilizar de teorias e modelos da psicologia e sociologia para entender o aluno a sua frente e co-criar com ele o formato de aula que os mantenha atentos, interessados, alertas, reiteradamente resgatando sua vontade em experimentar.

Um resgate das escolas Gregas, cada indivíduo como único

Nenhum dos conceitos por mim defendidos é novo, ao contrário, não estou propondo uma revolução ou mudança a frente, o que proponho é um resgate, uma mudança atras, inspirando-se nas escolas gregas, com mentores e aprendizes, cada qual com muito a agregar a si mesmo (maiêutica-2016), a propôr e criar (poiesis-2015), a interagir e co-criar (pensadores do ensino e do aprendizado-2015).

Alguns posts são essenciais, um sobre Design Thinking (DT na educação-2015) e outro sobre os estudos de uma pesquisadora sobre o uso dos princípios ágeis na faculdade, não como conteúdo, mas como framework-base para disciplinas e aulas (Dra Yael-2006), com menos desperdício e mais valor agregado. É essencial termos ementas, mas instanciadas por MVP passível de ser ajustado, adaptado ao perfil e características de cada turma … na prática é a troca de professores estáticos por professores mais dinâmicos e adaptativos a seu tempo e seus alunos.

ensino-aprendizagem-rede

Espaços físicos e filosóficos para geração de conhecimento

Desde 2012 escrevo sobre o universo de Piaget (construtivismo educacional-2012), tanto quanto o Conceito de Ba (Takeushi e Nonaka-2013) como meio para a criação de salas de aula em seu sentido filosófico, um ambiente gerador de experiências e conhecimento, alinhado ao aprendizado significativo (Ausubel-2015) e ao aprendizado experiencial (Kolb-2015), chegando inclusive a lembrar o Conceito de Ba em relação ao ambiente proposto pelo DT e Agile, em salas diferentes daquelas propostas há 500 anos atrás (layout e grafitti-2017).

É preciso desapegar de educação e aprendizado ligado a seriedade e reverências a sapiência secular, é para ser divertido e interessante em todos os sentidos, em 11/06/16 fiz esta provocação, afinal, até o século XX, rir na igreja, trabalho ou escola era inadequado. Finalmente, eu tento adotar em minhas aulas princípios inspirados na Curva de EbbinghausAprendizado Experiencial (exemplos: 1ª aula, 2ª aula, 3ª aula, 4ª aula, 5ª aula, 6ª/7ª aula). Cometo erros, mas muito disso dá muito certo, de um semestre para o outro mudam não só os alunos, mas suas necessidades.

Novas escolas e modelos para educadores e alunos

Como mudar o status quo de sua escola, faculdade, cursos variados? Há uma infinidade de experimentos mundo afora, um mundo cada vez mais compartilhado na web e nas redes, antes de reinventar a roda é bom saber o que está rolando mundo afora.

Na Finlândia em 2015 houve farta divulgação por aqui sobre uma experiência na escola estatal em que deixariam de ter disciplinas, posto que cada aluno precisaria ter uma visão trans-disciplinar sobre o conhecimento que teria que ajudar a organizar e aprender. Há críticas, mas o que o governo busca é um equilíbrio entre o tradicional e o novo, oferecendo conteúdo estruturado e co-criação em um ou dois ciclos anuais.

Ao falarmos da China após as conquistas de melhores alunos em matemática em competição internacional e também dos Tigres Asiáticos, há o contraste em sistemas rígidos e conteudistas, centrados em conhecimento e não em criatividade e inovação, envolvendo jovens imersos em um sistema político e cultural que valoriza competições e domínio, mas nada afeito a questionamentos e auto-organização.

Nos Estados Unidos, diferentes iniciativas baseadas em Design Thinking vem se consolidando como um meio de auto-organização, de forma que dirigentes, professores e alunos contribuam por igual na construção de novos ambientes e modelos educativos para aprendizado ativo. O site abaixo é uma versão traduzida de uma destas propostas, focada em unir as partes envolvidas em um processo criativo para esta mudança.

DT-Educação

O vale do silício atrai alunos e profissionais pelo ecossistema aberto tanto a competição quanto a coopetição e colaboração, assim como Austrália e Canadá, Irlanda e Alemanha, são regiões que se anteciparam na leitura das crianças e jovens conectados do século XXI, que buscam algo que lhes ofereça liberdade com criatividade, apoio para que construam seu próprio caminho, aprendizado, propósito e satisfação em fazer parte.

Para encerrar, uma reflexão poderosa como mola propulsora para nosso esforço e mudança: Estamos-perdendo-uma-geracao-de-talentos (2017)

 

2

MVP Blog Toolbox 360° com mais de 100 dicas e boas práticas

O MVP de um novo blog, na forma de um mural de boas práticas, desde estratégia, inovação, modelagem, validação, planejamento, execução e aprendizado. Inicia já com mais de 100 técnicas e boas práticas, as 70 do livro Toolbox 360°, mais tudo que postei desde seu lançamento em 2016.

Tem muito trabalho pela frente, incluir o maior número de links complementares a partir de cada post, propôr roteiros, fazer esse guia rápido contar com dicas de sequenciamento, o primeiro passo está dado – https://toolbox360graus.wordpress.com/ … e todos estão convidados a comentar, sugerir, criticar, etc.

Já tem um índice, mas tudo ainda é MVP, sem muitas pretensões além de validar o interesse e adesão pela galera que se interessa por técnicas e boas práticas. Boa navegada a quem se interessar, comenta depois como foi a experiência e o que mais gostaria de ter ali em conteúdo ou estrutura.

0

Oito aceleradores da mudança em empresas Dual Operating System

Além de cases, GU’s e CoP’s, conhecer teorias e conceitos aceleram nossas sinapses, tanto Scrum DT, e Mng 3.0, quanto a Teoria da Agência, Institucional, Job Strain Model, Tuckman, Exponencial, Yerkes-Dodson, Maiêutica Socrática, … , hipertexto e a Dual de Kotter.

Kotter propôs oito aceleradores da mudança para empresas que buscam criar condições internas para enfrentar um mercado cada vez mais veloz e fluido, se utilizando de duas estruturas uma linear e hierarquizada, outra em rede e dinâmica, auto-organizada.

Organizações ágeis, sonhando em se tornar exponenciais, necessitam ter velocidade na inovação e empreendedorismo, não só na resposta ao mercado mas na otimização plena de seus modelos e processos, tornando-os cada vez mais enxutos e escaláveis.

É impossível ser sempre a protagonista em inovação e disrupção, mas sempre que não for, é preciso ser ágil e assertivo na interpretação e adaptação, evitando casos trágicos recentes como os da Kodak e Nokia, inovadores, líderes, dinossauros que não souberam se adaptar.

A lentidão, dependência, centralização, nível de hierarquização inútil, o microgerenciamento, a falta de delegação, … Cuidado, o século XXI esta cobrando caro das empresas que não estão conseguindo fazer sua transformação, muitos não estão sequer tentando.

#1. SENSO DE URGÊNCIA

O primeiro e mais importante passo, pois é a tomada de consciência de todos os envolvidos quanto a necessidade de mudar, de adaptar-se a novos tempos, novos profissionais, novas tecnologias, um novo mercado. Não é comunicar, mas envolver e todos se conscientizarem de seu papel e responsabilidade na busca e construção da mudança;

#2. DEFINIR UMA EQUIPE DE APOIO

Nada mais consenso que a necessidade de se ter um ou mais grupos de trabalho multi-disciplinares para apoiar aspectos básicos, como treinamentos, gerar condições, tomar providências, endereçar necessidades transversais. Trata-se de equipe(s) de apoio a este projeto de mudança organizacional, não hierárquico, mas para apoio;

#3. VISÃO DE MUDANÇA

É fundamental ter clara a missão, objetivos, resultados-chave, ter uma percepção explícita de tempo, custo e metas. Não se promove este tipo de mudança cultural sem transformar todos os envolvidos em agentes e protagonistas. As pessoas tem que entender claramente o 5W2H da mudança de forma a acoplar a ela seus próprios objetivos de carreira e pessoais;

#4. COMUNICAÇÃO

Um bom plano de comunicação, bi-direcional, é essencial, a visão comum construída no passo #3 precisará ser mantida e mecanismos de comunicação sobre o andamento, percepções dos participantes, riscos e oportunidades percebidas, até mesmo eventuais apreensões e inquietações, de forma a serem entendidas e assimiladas positivamente de forma orgânica;

#5. GOVERNANÇA E EMPODERAMENTO

Desde o início é vital que a unicidade de visão e objetivos, mais o estabelecimento de uma comunicação ativa e de resultados, visa rapidamente gerar substrato e remover impedimentos e resistências. A cada passo temos um substrato acumulado para gerar senso de pertencimento, mesmo assim acontecerão situações ou percepções que exigirão ação para ajustes, adaptação, reorganização;

#6. ITERATIVO-INCREMENTAL-ARTICULADO

É preciso estabelecer um ciclo virtuoso de mudança em pequenos passos, baby steps, iterativo-incrementais-articulados. Segundo a psicologia, trabalhamos melhor se tivermos objetivos de curto prazo, desafiadores e passível de serem conquistados, devendo ser comemorados, retroalimentando novos desafios e conquistas;

#7. APROPRIAR-SE DE CADA MELHORIA

O objetivo não é parecer estar dando certo, é fazer certo e manter o esforço para consolidá-lo. Mudança cultural é para ser cumulativa, um passo de cada vez, sustentável, se tirarmos de nosso radar pequenas mudanças conquistadas em detrimento a “novas” mudanças a serem feitas, há um grande risco de que as pequenas mudanças anteriores se amenizem ou mesmo se percam;

#8. UMA NOVA CULTURA

Todo este processo pode durar anos, mas é fundamental que seja consistente, as pessoas precisam perceber que o esforço está gerando mudanças, que por menor que sejam são percebidas como algo que venho para ficar. Um ponto importante é que cultura é para ser coesa, vale para todos, é importante que todos da organização demonstrem interesse e assimilação destas mudanças.

https://www.kotterinc.com/8-steps-process-for-leading-change/

0

Estrutura em Hipertexto x Dual Operating System

Todos conhecem as estruturas hierárquicas baseadas no modelo linear de gerenciamento, com rígidas linhas de decisão, comando-controle, um modelo que ainda é o mais utilizado por organizações de todos os portes – funcional, matricial, projetizadas.

Estas estruturas impõem lenta resposta a mudanças, é a “distância do poder”, dimensão organizacional proposta por Hofstede que indica o engessamento devido a vários níveis hierárquicos desde onde a necessidade acontece e onde a decisão é tomada.

organograma

Cada vez existem mais experimentos com estruturas menos lineares, em hipertexto, rede, invertida, holocrática, mais ou menos disruptivas. Se a linear ainda é maioria absoluta, a globalização, organizações exponenciais, a velocidade da tecnologia e mercado, incentivam a busca por alternativas.

O objetivo é mudar para uma estrutura que não sufoque a criatividade, inovação e o empreendedorismo, aliado a atrair, desenvolver e reter talentos em equipes auto-organizadas, em uma cultura de maximização de valor e minimização de desperdícios, de forma sustentável.

Hipertexto (Takeushi & Nonaka)

Proposta por Takeuchi e Nonaka, pais do Scrum, do Modelo SECI e do Conceito de Ba para Gestão do Conhecimento. Privilegia uma organização orientada a projetos apoiada em auto organização. Uma organização com uma estrutura funcional leve e enxuta, visando proporcionar o suporte necessário a equipes autônomas e disruptivas, com alçada para tocar seus projetos da melhor forma possível.

O modelo em hipertexto representa os princípios Lean e ágeis, seguindo fundamentos como Gemba e Kaizen propostos pela Toyota na década de 50, que mostrou ser possível agilizar certas decisões, flexibilizando o modelo linear hierárquico tradicional, constituindo equipes ágeis com certa alçada para fazerem mais e melhor, valorizando a inovação e empreendedorismo na dinâmica interna das equipes.

Dual Operating System (Kotter)

O conceito de Dual Operating System de John Kotter apresenta uma forma de estrutura organizacional ainda mais ousada que a hipertexto, também mantem uma estrutura funcional mínima, ao mesmo tempo em que propõe sub-estruturas em rede, interligada à funcional.

Em uma matéria na Harward Business Review, a mesma publicação onde Takeushi e Nonaka são colaboradores a mais de 30 anos, Kotter apontou alguns princípios da estrutura em Dual Operating System:

1. Todos ou muitos podem ser Agentes de Mudanças, não por projeto ou função, mas no cotidiano, promovendo inovação e empreendedorismo no seu dia-a-dia, melhorando seu trabalho, aproveitando oportunidades, evitando problemas, …;

2. É fundamental as pessoas se sentirem capazes e empoderadas em fazer a diferença, para serem Agentes de Mudanças. Bandura em seu conceito de Auto-Eficácia, afirma que somos capazes tão mais quanto acreditarmos que somos e podemos;

3. Ele fala em cabeça e coração, sob uma abordagem típica do século XXI e sua geração Millenial ganhando espaço, é preciso que haja nas pessoas um propósito em fazer além, na disrupção, inovação e empreendedorismo diários, mesmo nas pequenas coisas;

4. Finalmente, ele bate na questão de que precisamos mais líderes e menos gerentes, para se trabalhar em rede o modelo mental de gerenciamento presente e responsabilização não funciona, mas sim o de visão, inspiração, agilidade, ação inspirada e celebração.

Conclusão

Tanto na hipertexto, quanto na dual, temos duas estruturas convivendo de forma harmônica e sinérgica, uma linear e outra em rede, uma gerando o substrato e condições para que a outra se beneficie e foque na disrupção, inovação, empreendedorismo cotidiano, onde as coisas acontecem, mitigando ou eliminando de forma racional o que Hosfetede chamou de distância de poder.

Mas atenção, vemos muito hoje em dia empresas gerando factóides de delegação e auto-organização sem haver o devido tempo necessário de transformação, gerando conflitos e contradições arriscadas. Sair de um modelo linear para Hipertexto ou Dual exige treinamento, coaching, mentoria, é para ser uma mudança gradual e sustentável … alguns puffs amarelos, dinâmicas e muita retórica não tem este poder.

Eu insisto muito que o essencial é ter crença e transparência, porque exigirá muito trabalho duro e tempo, anos, colhemos alguns resultados desde o início, mas a consolidação de uma nova forma de ser demora e gerará variadas crises e momentos de tensão, que poderão ser trabalhados com crença e transparência ou mascarados, aumentando o tempo ou impedindo a mudança real.

0

Receita para uma retrô colaborativa 2017 e sonhar juntos 2018

Em uma tarde, de forma lúdica e muito interativa o tempo todo, a construção de uma retrospectiva do ano de 2017 e sonhos comuns para 2018, cada sonho com proposta de ações a serem vistas como próximos passos para aquilo que queremos todos ver acontecer.

Me sinto agraciado por conhecer e interagir com tantas pessoas incríveis, uma estrada que me permite encontros e reencontros, aprendizados, oportunidades para colocar minhas crenças e convicções em cheque a cada nova interação com pessoas, em eventos, projetos, debates.

O diferencial não é a técnica, nem o material, o tamanho da árvore, o desenho dos murais, a diferença está sempre na empatia, na sinergia, nas pessoas, é o senso de time, o desejo de sonhar juntos, mesmo nas diferenças, o maior ganho é aproximar pessoas.

14:00. Abertura, com boas-vindas, alinhamento de expectativas, apresentação do programa-base, convocar a ação, se possível uma palavra do anfitrião, quer seja um diretor, gerente, sponsor, conclamar em torno de uma missão, o que nos trouxe aquele momento. Evitar ser um monólogo, interaja um tanto, cite algo, cumprimente, elogie, gere senso de grupo. No programa é bom alinhar horários e liberdades, como se necessário atender o celular para algo muito importante, há o saguão, uma forma de atribuir liberdade com responsabilidade;

14:15. Quebra-gelo natalino, uma árvore de Natal incompleta, embaixo de cada cadeira mais um ramo e um enfeite, inclusive em algumas cadeiras vazias – esse é o fato acima de qualquer outro, cada um de nós é uma pequena parte de algo maior, apenas quando todos juntos, colaborando, vendo o todo, vendo que falta algo, talvez alguém ausente, entender a sua parte, ser pró-ativo, ajudar uns aos outros, de forma positiva, construtiva, sem verdades absolutas, mas complementares;

14:40. Retrospectiva 2017, estabeleça provocações iniciais, resgate momentos, talvez algumas conquistas, mantenha aquela inquietação positiva do quebra-gelo para introduzir a técnica de brainstorming. Duas mesas grandes com muitos postits e canetões coloridos e nas quatro cabeceiras os letreiros – EU, Nossa Área/equipe, Empresa, Clientes/mercado. De forma auto-organizada, meio caótica, todos circulam pelas mesas e vão lendo os postits já propostos, podendo criar novos e votar com palitinhos, ao final dezenas de sugestões com votação;

15:15. Mural da retrospectiva 2017 será formado na sequência, ainda com a maioria em pé entorno das mesas, algo que chamamos de ponto de saturação, não espere todos sentarem, nem interrompa enquanto muitos ainda estão propondo novos postits. O mural será construído de forma que os mais votados estejam bem encima e os menos votados cada vez mais para baixo, é possível estabelecer um racional para o eixo horizontal também, como cronologia ou alçada, da esquerda para a direita. O resultado, enquanto a galera senta pode ser apresentado, quando lemos e revisamos de forma breve o quadro final … sujeito a eventual réplica e adendos;

Obs: Os duendes a esquerda embaixo indicam projetos ou ações em curso, que já geraram alguns resultados, mas há ainda muito pela frente.

16:00. Coffe-break

16:20. Quebra-gelo de identidade da tarde é o clássico jogo colaborativo dos crachás, onde cada um interagiu com pelo menos 5 ou 6 colegas para compôr sua “foto” (desenho onde cada colega contribuiu com um traço, como olhos, boca, cabela, orelhas, barba, nariz, …) e paixões (coisas que curtimos e que a maioria não sabe, podendo ser família, esporte, hobby, música, filmes, …). Aproveitamos o resultado para a galera colocar no segundo mural, o de 2018, na base de uma grande árvore de Natal onde depois colocaremos nossos sonhos para o ano que vai começar;

16:40. Sonhos e ações para 2018, na esteira do quebra-gelo dos crachás e início do mural 2018, usando a mesma técnica de brainstorming com as duas mesas grandes com postits e canetões coloridos e os letreiros – EU, Nossa Área/equipe, Empresa, Clientes/mercado. Já com a galera mais afinada com a técnica descontraída e divertida, todos circulam pelas mesas, vão propondo e lendo os postits propostos sobre sonhos e ações sugeridas para fazer eles se concretizarem, novamente com direito a votos e complementos. Os sonhos são bolas e postits pequenas cada ação;

17:20. Um grande mural dos sonhos para 2018 com aquela grande árvore de Natal é preenchido por todos com as bolas contendo os sonhos mais votados mais para cima e descendo com as menos votadas. Assim que as bolas estejam colocadas, o próprio facilitador pode ir lendo um por vez, de cima para baixo e buscando o entendimento do que é o sonho, quais as ações propostas e o quanto ele é factível ou não, faz sentido ou não, se merece estar ali ou não, … é bem fluído, vamos colando novos postits, eliminando alguns por consenso, chegando a uma construção realmente coletiva;

18:00. Encerramento, sempre é bom pedir um feedback, qual o sentimento que a galera leva dali, se atingimos algo satisfatório e o quanto desenhamos juntos algo que dependerá da ação e contribuição de todos, no final sempre uma palavra por quem quiser contribuir nas frases finais e em especial do sponsor, gestor, diretor presente com um incentivo final e desejo coletivo de Boas festas e um ótimo 2018 a todos.

Parece que foi ontem e estávamos iniciando mais um ano junto a pessoas queridas, 2017 está encerrando, 2018 se descortina com novas possibilidades, seguir em frente, ampliando ou renovando esforços e conquistas … sempre melhores que antes, aquém do que seremos um dia!

Desde já, um Feliz Natal e próspero ano novo!

1

NÃO entregar valor NÃO é opção em uma sprint

A cada dia em um projeto SCRUM é preciso relembrar Pareto (80 x 20), bem como buscar inspiração na técnica de caminho crítico. Desde o release plan, product backlog e sprint backlog, daily e pós-daily, review e retrô, o discurso de valor é legal, mas só vale se entregarmos valor.

Quando cito Pareto em projetos, tem o estratégico pela necessidade do cliente e usuários, o tático na complexidade e capacidade, tem o operacional de cada dia, a nível de tecnologia, requisitos, funcionalidades, regras, … temos então nossa rede mental e caminho crítico.

Pareto: A regra dos 80/20 ou Lei dos poucos vitais para muitos triviais, afirma que aproximadamente 80% dos efeitos vêm de 20% das causas. Um dos ícone do Lean, a lenda Joseph Moses Juran, sugeriu este princípio e o nomeou em homenagem a Vilfredo Pareto e seus estudos.

Áreas de Convergência/Divergência: O caminho crítico é uma sequencia de atividades que representa o caminho mais longo de um projeto. Área de Convergência é quando várias atividades devem concluir para outra iniciar, Área de Divergência é quando uma é pré-requisito de várias.

Assim como um bom gerente de projetos, uma equipe ágil lida diariamente com a possibilidade de tomada de decisões relacionadas a riscos, rede, fragmentação, inclusão e exclusão de atividades, paralelismo e sequenciamento, recursos essenciais para auto-organização e sucesso.

Em uma liberdade poética, trago uma rede e seu caminho crítico propostas pela UniversoProjeto para discutir conceitos de caminho crítico, não representa a estratégia de histórias e tarefas em uma sprint mas é didática quanto a caminho crítico e áreas de convergência e divergência:

Em Agile, cada história possui sua rede no sprint, gerando um desafio tático diário ao time, como na abstração que montei logo abaixo … a entrega do mínimo valor (vitais) de qualquer história não pode ser comprometida em função de entregas triviais de outras histórias:

Diariamente, a cada novo fonte, objeto, classe ou método é preciso perceber o caminho crítico e lembrar de evitar triviais antes de vitais, valorizando eliminar gargalos e garantir entregas antecipadas, parciais, essa é a nossa missão: Entregar valor!

As vezes usamos de dissonância cognitiva para justificar o porque não vai ser possível, esquecendo de se utilizar de uma visão holística, onde o todo é composto de partes … equipes ágeis de alta performance esforçam-se em entendê-las e tomam decisões para garantir entregas e valor.

Acredite, adaptar-se não é resignar-se a inevitabilidade das mudanças, é diariamente mitigar, contornar, fracionar, eliminar ou reduzir áreas de convergências e divergência, focar na essência, de forma que a adaptação não seja a negação do valor, mas a confirmação dele.

Cada SPRINT é um pacto por valor a ser entregue

Planejado na inception e materializado no product backlog, a sprint backlog é um pacto gerado pelo time entorno do mix de domínio, conhecimento, expertises e percepções de todos, levando em condição valor, prioridade, complexidade, riscos e oportunidades.

A cada Daily e pós-Daily, nossa missão é repactuar o sucesso de nossas entregas, mitigando riscos, sempre focados no mínimo entregável de valor suficiente, sempre investindo no vital e questionando o trivial, justificando assim o porque do método ágil que praticamos.

Na medida que o sprint avança, a responsabilidade e necessidade de planos de ação e responsabilidade na aplicação de árvores de decisões vais tornando-se cada vez mais premente. No 1° dia, 2° e 3° temos mais opções, a partir do 4° e do 7° temos menor margem para manobras.

Estudo de caso: Em um cenário adverso, no segundo dia foi discutido opções e assumidos certos riscos, no quarto dia já é preciso concentrar esforços e no sétimo dia muitas vezes temos que tomar decisões difíceis, mas responsáveis frente ao compromisso de entrega de valor.

Para ser mais claro, quando falamos no sprint planning sobre compromisso com a excelência combinada, características funcionais otimizadas, regras, automações, camadas, etc, isto NÃO pode ser mais importante que a entrega, validação com o cliente, fluxo e cadência.

Se decisões tiverem que ser tomadas, ok, vamos depois discutir o porque foi preciso, vamos aprender com elas, vamos nos esforçar por melhorar nos próximos sprints, vamos incluir a discussão sobre o resgate e refatoramento do gap entre o que foi previsto versus o que foi feito.

Falando em valor e sprints, cuidado com o que promete, pois és responsável por quem cativas e NÃO entregar o máximo de valor a cada sprint NÃO é opção! O desafio e a solução todos terem este princípio em mente, sem stress, mas antenados ao máximo de entregas de valor.

Nossa linguagem ubiqua foca em valor para o cliente, se você mesmo assim não abre mão de atrasos por excelência técnica, em detrimento de valor antecipado, validação e aprendizado – PDCL – Desculpa, mas talvez seja uma linguagem ambigua e não ubiqua.

Se leu até aqui, tenho certeza que vai curtir ler esse outro, garantcho:  https://jorgeaudy.com/2014/11/04/divida-tecnica-um-mal-necessario-mas-nao-e-um-carma/