GameStorming – Dave Gray

Gamestorming, um livro de 2010, uma década após o Manifesto Ágil, duas desde que os seus signatários experimentavam playing game no XP, Scrum, DSDM, Crystal, também a daily, pair, metáforas e planning pokers, icebreakers, … Mesmo assim, ainda um tanto inovador para a época.

Escrito para ser acessível e fácil para qualquer leitor, com ilustrações didáticas e exemplos práticos, desde o início unindo ela à teoria apresentada, o uso de ferramentas, dinâmicas e técnicas para resolver problemas coletivos ou debater e co-criar ideias. 

Gamestorming - Voël Blog

Apresentado como um “Manual para Inovadores, Rulebreakers e Changemakers”, o livro contrasta com as regras do século XX para o trabalho em uma proposta com fundamentos e técnicas com design de jogos para engajamento, superação de desafios, com dicas colaborativas e visuais.

Ele oferece uma gama razoável de jogos, todos eles visuais, participativos, usando canetões coloridos, quadros brancos e muitos post-it. Os jogos são divididos em Jogos Principais, Jogos de Abertura, Jogos de Exploração e Jogos de Fechamento.

Em suma, princípios ágeis e de design aplicados ao trabalho através do uso de dinâmicas de Team Building e técnicas colaborativas. É gratificante ver nos anos 2020 a integralidade dos conceitos em que o livro se debruçou aplicados em grande número das organizações.

Uma rápida análise das cerimônias do Scrum, das cadências do Kanban, das técnicas do XP, a integralidade das técnicas e abordagens do Design Thinking e do Art of Hosting, todos baseiam-se nestas bases. Entendendo ‘jogo’ como colaboração, gestão visual, team building games, etc.

Signal UX — Gamestorming Workshop | by Sophia Lamon | Ready Set Go | Medium

A saber, dez aspectos essenciais para o Gamestorming segundo os autores:

1) Abertura e fechamento – Inicie despertando e engajando os participantes, mas lembre-se de encerrar as coisas antes de liberá-los;

2) Arranque de fogo – O aquecimento é sempre importante e pode ser feito por jogos quebra-gelo;

3) Artefatos – considere os itens que você precisa para jogar, como cartas, dados, post-its, flip charts, mesas, cadeiras e assim por diante;

4) Geração de Nó – Pense holisticamente, um nó é um artefato (post-it ou cartão) que faz parte de um sistema de jogo;

5) Espaço significativo – fornece a “arena do jogo” onde você joga e pode ser um quadro branco, parede ou mesa;

6) Desenhar e fazer modelos – Jogos que envolvem o lado “criativo” certo do cérebro envolvem fazer coisas que são visuais;

7) Aleatoriedade, reversão e reformulação – Você precisa sair da estrada, misturar um pouco as coisas, permitir ver por novos ângulos;

8) Improviso – Improvise como fazem os músicos de jazz, é preciso preparar-se, mas na hora adaptar-se, ao invés de seguir uma receita cegamente;

9) Seleção – Chega a hora de tomar decisões, escolher, aqui ocorre o fechamento, votação, classificação e outros meios assertivos;

10) Experimente algo novo – O espírito do gamestorming é que você deve estar sempre disposto a usar ferramentas diferentes. Se você não conseguir na primeira vez, tente um novo jogo!

Game-Storming – “Play to get ideas” – Informa Australia

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s