2

GUMA – Workshop sobre facilitação com Mayra da TW

Dia 13/08 foi um dia de Sol intenso e temperatura amena, mesmo assim em torno de 30 pessoas estiveram presentes na sala 204 da sede da Decision/FGV na Rua Praia de Belas aqui em Porto Alegre para participar de um workshop sobre Facilitação ministrado pela Mayra da TW. Meu plano era ficar uma hora e sair para um compromisso pessoal e acabei ficando até as 11:30  🙂

Um excelente oficina para Agile Coachs e Scrum Masters, mas também uma oportunidade para integrantes de equipe interessados em auto-organização e práticas ágeis para desenvolvimento de times. Uma manhã foi pouco, inteiramente dedicada a Team Building Games – integração, interação, sinergia e empatia.

13925705_1197948246924790_7650342549224266342_o

A mayra falou sobre os fundamentos do papel de um facilitador, sobre comunicação não-violenta, a curva de Tuckman, sobre construção coletiva desde o estabelecimento de objetivos, colaboração e conclusão, com planos de ação se necessário. Debateu-se sobre comportamentos inadequados e endereçamentos.

20160813_105442

Iniciou com uma técnica de apresentação bem divertida, seguindo com uma outra para quebra-gelo usando desenho e muita interação, gerando aos poucos um card com o desenho colaborativo de cada um e um grande mural com um desenho para cada um dos presentes:

desenho falado

Ela falou um pouco de conceitos tradicionais na PNL (programação neuro-linguística), sobre linguagem não verbal e comportamento disfuncional, passados por cada um de nós em gestos, atitudes, comportamentos. Tratou de pontos de atenção quanto a forma de perguntas, diretas, abertas, reativas, completas, …

painel

Apresentou o conceito de um quadro para parking lot para registro de assuntos não envolvidos nas questões relacionadas ao momento e objetivos, para posterior endereçamento. Não fiquie até o fim por causa de outro compromisso, mas o último jogo quase no fim do workshop foi um sobre frases inadequadas que escutamos e como poderiam ter outra postura, ética, positiva, sem preconceito, não violentas.

É preciso equilibrar nossas participações em eventos, mas pelo menos um a cada mês é um mínimo, pois em cada um deles saímos com caraminholas na cabeça que nos tornam melhores, pelo menos nos fazem pensar …

13686685_1146602372028901_6231234476015629637_n

3

Se você for a um evento, faça valer seu tempo, aproveite cada instante

Se você for a um evento, faça valer seu tempo, curta, tenha bom humor, aproveite-o ao máximo e não o transforme em um enorme desperdício. Acima tudo, lembre-se que está lá por sua própria vontade, logo, já que lá está, divirta-se, aprenda, troque, compartilhe, torne cada evento digno de nota.

1. Ajude a divulgar na sua rede: Tem gente que se inscreve, curte e não compartilha, algo tipo “é bom, curti, mas não vou falar para ninguém” ou “eu vou, mas não ganho nada para divulgar”. Quanto maior o quórum, melhores eventos!;

2. Não presuma, vá preparado: No lugar de prever que receberá um bloco e caneta, ou reclamar da qualidade, leve um caderno de capa dura, encaixe uma caneta nele e use-o em todos os eventos, como se fosse um caderno de atas;

3. Anote, não desperdice conhecimento: Dicas de artigos, livros, teorias, autores, frases antológicas, oportunidades ou mesmo riscos que mereçam ser lembrados. Ir a um evento sem um lugar para registro é o maior desperdício;

4. Se tiver pergunta, pergunte: É prejuízo ter medo ou timidez para perguntar, o evento existe exatamente para compartilhar conhecimento, se ficar inquieto com algo, externe via comentário ou pergunta, todos agradecem;

5. Não seja chato, daí não dá: Pergunte, comente, mas não monopolize, em um evento com 50 pessoas é sacanagem virar uma metralhadora de perguntas, pergunte, mas deixe também os outros perguntarem;

6. Siga as regras, seja educado: Se perguntas estiverem abertas durante, mande bala, levante a mão e aventure-se, senão, anote suas dúvidas no seu caderno ou bloco (físico ou virtual) e faça as perguntas no final, ou mesmo após o final;

7. No break, aproveite mais que o coffee: O espaço para café em eventos normalmente não são uma simples possibilidade para comer e beber, elas proporcionam momentos de networking e conversas descontraídas;

8. Seja natural, sem neuras: Se quiser trocar de lugar, por qualquer motivo, não faça reboliço, troque silenciosa e naturalmente, não se estresse e não atrapalhe os outros perguntando ou se desculpando por algo tão trivial;

9. No final, não saia correndo: Na maioria das vezes, a meia-hora após o término do evento é o momento que a mágica acontece, pois ficam alguns com dúvidas, sugestões, feedback, causos, oportunidades, parcerias, … aproveite;

10. Se der branco, seja um bom papagaio de pirata: Chamamos assim aqueles aspones que ficam atrás de políticos para aparecer na foto, fique um pouco mais, aproxime-se e acompanhe os debates pós-evento, garanto que não se arrependerá. Se não tiver nenhuma pergunta ou aparte, pelo menos fique por perto, na próxima já terá mais e maior fluência e proximidade com a galera;

11. Seja um confrade – Eventos de GU (Grupos de Usuários) e CoP (Comunidades de Prática), são verdadeiras confrarias. Nada mais prazeroso em um evento quanto receber e ser recebido por um sorriso e um cumprimento caloroso. Na maioria dos casos não somos “amigos” de se frequentar e sair, mas nos encontramos em seguidos eventos, temos semelhantes interesses, conhecemos e respeitamos a opinião e posicionamento uns dos outros;

12. Critique construtivamente, lembre que todos são voluntários: Uma das características de GU’s e CoP’s é que todos são voluntários, é muito fácil reclamar de um evento, mas ao invés disso, porque não ajuda um pouco, pergunte ao chegar se pode apoiar em algo, fique ligado. Um dos motivos de alguns GU’s ou CoP’s pararem de gerar eventos é porque possuem pouca mão de obra, se você não pode ajudar a organizar, então retribua a gentileza, boa vontade e colaboração de quem se dispôs a fazer, talvez ajudando ou se dispondo a ajudar naquele evento.

Durante e após o evento, valorize os palestrantes twitando, facebukando, linkeditando ou instagrandando, é uma forma de fazer com que essa galera que se dispõe se sinta realmente valorizado e volte outras vezes, eu por exemplo, sempre compartilho e posto no meu blog todos os eventos que organizo ou participo.

confraria

Você não precisa fazer nada disso, mas se fizer vai perceber rapidamente a diferença que isso faz em todos os sentidos … curta a viagem, evite ficar só esperando para curtir o destino final 😉

GU e CoP’s, amo muito tudo isso!

6

FACIN-GUMA aquecendo ainda mais as noites de verão

Uma noite quente de uma quarta-feira, dia 13/01/2016, um evento idealizado pela FACIN-PUCRS (Faculdade de Informática) em parceria com o GUMA-RS (grupo de usuários de métodos ágeis do RS). Muita gente, auditório da 516 do prédio 32 lotado, acho que tinha umas 3 ou 4 cadeiras sobrando, um evento antológico, uma discussão franca sob diferentes prismas sobre compartilhamento de conhecimento gerando publicações, convertendo tácito em explícito.

Grandes nomes da comunidade brasileira e geúcha de métodos ágeis – Rafael Prikladnicki, Paulo Caroli, Luiz Parzianello, Daniel Wildt, Dionatan Moura, Guilherme Motta, mais algumas dezenas de pessoas que admiro e são meus parceiros de estrada. Um evento de pura energia, compartilhamento, bom nível de interação e que ao final reteve pelo menos 20 pessoas batendo papos-cabeça sobre agilidade, comunidade, tecnologia e próximos eventos.

Sorteamos 10 livros, dois de cada – Agilidade do Prikladnicki, XP do Wildt, Dionatan e Lacerda, Direto ao Ponto do Caroli (parceiro de fé, que venho da praia e pegou o ônibus das 20:30 de volta) e os meus SCRUM 360 e JOGOS 360. Além disso disponibilizamos um código de promoção com direito a 20% de desconto para compras destes livros diretamente no site das editoras, é “agile_poa“. Esta promoção só vale para estes livros e seus ebooks, somente até o final do mês.

Iniciamos com um abrangente painel sobre este tema, abrindo os trabalhos, depois lightning talks de cada um dos autores, cada qual dado sua visão do processo ou do próprio conteúdo de seus livros e publicações, fechando com algumas P&R, sorteio e muita interação e networking ao final. Um começo de ano promissor para o primeiro evento GUMA, um primeiro evento na FACIN que organizo já como professor da casa. Que venham os próximos \o/

12507635_1053641731355443_8514395230980120697_n

12472252_1053641758022107_7713753657735592772_n

12573106_1053641798022103_8880478901764790344_n

12509907_1053641821355434_620016256034860147_n

Não me canso de repetir, GU e CoP são confrarias, são como amigos, mesmo os conhecidos ou menos que isso, porque mesmo não havendo uma apresentação e tal, há um empatia, um sorriso, uma energia. Muitos já são próximos, outros só conheço de vista, mas mesmo assim sabemos que vibramos na mesma frequência … curto muito tudo isso!  o/

3

GUMA + TecnoTalks = Nitroglicerina

Hoje a noite rolou o II GUMA Agile Games, uma edição em parceria com o TecnoTalks no TecnoPUC. Eramos ao todo 48 participantes e 10 pessoa na organização e facilitação de 6 jogos relativos a trabalho em equipe. Algumas equipes vieram montadas entre colegas, como a DBServer e RBS.

Mais de 50% eram profissionais do TecnoPUC, mas tínhamos uma galera da grande POA e até um colega da análise de sistemas que está radicado no nordeste, o Flávio Sákis. Um mix enorme de gente conhecida e querida, da DBServer, RBS, eCore, ADP Labs, SuperPlayer, TW, incubados RAIAR, …

20150225_221651

Cada jogo oferecia até 20 pontos à equipe que melhor desempenha-se e proporcionalmente com uma regra de três as demais ficavam entre 20 e zero. Desta forma, cada jogo pode trabalhar a sua pontuação e ao final converter.

Logo após a abertura, foram três horas em que cada equipe decidiu qual a ordem dos jogos acreditava ser a melhor para poder jogar o maior número deles e melhor pontuar. Alguns jogaram dois, outros três ou até quatro. O ranking foi:

20150225_223543

Um evento diferente, lúdico, com a adrenalina da competição, incentivando o mindset ágil. A premiação foi sensacional, teve duas vagas nos cursos workout da IonaTec, 10 agendas e 10 pendrives da grife PUCRS e carregador de celular, camisetas e caneca da MobilTec. Premiação de luxo! \o/

Rafael Chanin do Nós Coworking – Princípios Ágeis: Um jogo democrático sobre os princípios ágeis. Cada equipe recebia um princípio, enquanto uma equipe tinha que defend~e-lo, outra precisava derrubá-lo. Após este debate acalorado, as outras equipes se encarregavam em escolher quem melhor desempenhou seu papel. Uma técnica que se presta para debates de grandes grupos para discutir paradigmas, técnicas, práticas.

Alejandro Olchik da Ionatec – Management 3.0: O Managament 3.0, disciplina na qual o Olchik é mentor e agile coach, é rico em dinâmicas de quebra-gelo, warm’ups para energização, desenvolvimento de times. Foram realizadas diferentes dinâmicas, sempre com foco no desenvolvimento de times de alto desempenho.

Gislene Guimarães da Centrarte – Coaching: Uma dinâmica em que as equipes tinham que construir um barco com sucata, com a psicóloga e coach Gislene assessorada pela também coach Shinobu Takeuchi e a arquiteta Marinês Audy. Um jogo aparentemente simples, mas na prática bem complexo, pois envolvia diferentes momentos e constante feedback ao grupo e individuais, inclusive com técnicas de relaxamento e compartilhamento.

Georgina Reategui da ADP Labs – Construindo cidades: Um jogo com pelo menos 4 variações, um melhor que o outro, a partir de user stories, material, execução, desperdícios, vai-se executando os sprints, construindo uma cidade e somando entregas de valor. Eu conheci com a Alejandra Alfonso da Ten Pines, já apliquei outra versão na aceleradora da DB, tem este 3D da Georgina e outro com Lego.

Eduardo Klein da Mobiltec – Macondo: Um clássico, o Alfabeto Perdido de Macondo foi aplicado pelo Eduardo e Caliel, um Agile Game com três sprints com bugs e débito técnico, onde a estratégia e planejamento pode exigir adaptação a partir dos números que saírem nos dados. O mestre neste jogo é o Eduardo Peres, que tem uma página explicativa.

Jorge Audy da DBServer – Bamboo Challenge: Um jogo SCRUM com Release Plan e três sprints para a construção de um mastro auto-portante que suporte o hasteamento de uma bandeira … com os times tendo que comprar o material necessário e ganhando bônus por metro de mastro entregue e penalidades por desperdício.

A organização contou com um tão engajado time de apoio, com a Shinobu Takeuchi, Caliel Costa, Cesar Coutinho, Madison Padilha e Marinês Audy.

fotos1

fotos2

fotos3

fotos4No grupo do TecnoTalks no FaceBook postaremos muito mais fotos, as últimas logo abaixo são as três equipes campeãs, a terceira Sprint Racers, a segunda Xpiritos e a primeiríssima EquiPi:

fotos5

0

II GUMA Agile Games – Edição TecnoPUC

Equipes de cinco integrantes serão colocadas a prova, você pode se inscrever já sabendo quem serão seus companheiros e batizar a equipe com um nome, mas pode também se inscrever e formar um time na hora. Serão pelo menos seis jogos disponíveis, cada equipe definirá sua estratégia, escolherá a ordem, fará seu melhor possível, acompanhará sua pontuação e tentará ser a melhor.

Uma competição na qual a cada jogo as equipes serão desafiadas em estratégia, raciocínio lógico, lei das probabilidades, senso coletivo, foco em valor, evitando o desperdício para computar o maior número possível de pontos. É a segunda edição de um evento em formato escoteiro, pois cada equipe terá que tomar decisões a cada momento e cada decisão será decisiva para a melhor pontuação.

Os jogos acontecerão em diferentes pontos do TecnoPUC, semelhante a uma gincana, mas com agenda aberta, é preciso tomar as decisões certas para não ficar em filas e aproveitar ao máximo o skill do time para garantir estarem no lugar certo na hora certa. O formato é uma forma do GUMA-RS dar as boas vindas à galera, pois passado o Carnaval iniciará uma agenda cheia de eventos em 2015.

Convites GUMA 25-02-2015

Clique aqui para ver o relato do I GUMA AGILE GAMES.

O apoio é do Tecnotalks, clique aqui para ver o relato da 6ª edição, uma gincana de jogos neste formato, mas com jogos mais casuais, enquanto agora teremos um foco maior em Agile Games.

Inscrições em – http://bit.ly/guma250215

0

De Open Data às oportunidades do Software Livre sem escalas

Estou escrevendo este post sentado em uma das mesas do salão principal do NÓS COWORKING em meio ao segundo dia do Desafio Open Data do GUDAY da SUCESU-RS, participando como GUMA e apoiando uma das equipes da competição.

O Desafio Open Data irá premiar uma dentre as diversas equipes que se inscreveram, topando o desafio de desenvolver em 3 dias um app que consumirá dados do http://datapoa.com.br e que gere valor social e cidadão.

Durante o evento rolou uma surpresa para todos os presentes, via Skype entrou de Brasília o Alexandre Gomes, keynote do Agile Brazil de 2013, falando sobre o movimento de Governo Aberto no Brasil e no mundo.

A vibe da política de Open Data da cidade de Porto Alegre é a de ser uma política que incentiva a colaboração e cidadania, transformar dados abertos em informação e transformar informação em conhecimento e resultados.

Software Livre

Na mesma vibe temos o movimento de Software Livre, que também não é novidade, que assim como Open Source incentiva um tipo diferente de inovação e empreendedorismo, não proprietário, mas de conhecimento.

Em breve com alguns dos participantes da comunidade de prática TECNOTALKS divulgaremos um STARTUP DOJO inovador com foco em SOFTWARE LIVRE, o que estamos chamando de StartUp Livre Dojo.

No site da http://softwarelivre.org/portal/o-que-e da ASL há uma longa e precisa descrição sobre o conceito de software livre, do qual extraí duas frases e indico a leitura a quem se interessar:

“Software Livre é uma questão de liberdade, não de preço. Para entender o conceito, você deve pensar em liberdade de expressão, não em cerveja grátis. Software livre se refere à liberdade dos usuários executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o software.”

A ASL já está com sala no TecnoPUC e na segunda semana de Setembro/2014 teremos dois dias, um de palestras e outro de Startup Dojo, para disseminação da ideia de Software Livre como meio para geração de negócios inovadores.

Viajando na maionese

Um vídeo instigante do DataPOA e que oferece um universo de insights e oportunidades é o que colei logo abaixo. Eu quero usá-lo para significar tanto open source quanto software livre, liberdade é um desafio e uma responsabilidade.

No vídeo a mesma orquestra regida por diferentes pessoas leigas gera diferentes resultados, mesmo usando a mesma partitura e os mesmos músicos. A chave é ousar, acreditar em si e quebrar preconceitos e barreiras.

0

Vamos falar um pouco de Open Data em Porto Alegre

“Open Data” é um princípios que define acesso livre a certos conteúdos, garantindo a interoperabilidade entre diferentes conjuntos de dados – “Open Data pressupõe que qualquer um é livre para usar, reutilizar e redistribuir, sujeito apenas a exigência de assumir para si mesmo a distribuição sob a mesma licença aberta de uso.”

Com o estabelecimento da Internet como o meio de comunicação mais aberto, distribuído e universal existente, no final de 2007 na California foram divulgados os oito princípios da disponibilização de dados abertos governamentais, pressupondo a relevância destes para sociedades democráticas. Uma política que abre um mundo de novas oportunidades.

A nova Ágora

A Internet é a nova Ágora, as praças públicas onde na Grécia antiga ocorriam reuniões onde se discutiam assuntos ligados à vida da cidade. A Ágora também possuía finalidades religiosas e econômicas. Por isso era tão importante para os Gregos, uma forma de exercer sua cidadania e protagonismo durante os primórdios da democracia.

Como espaço público do mundo moderno, local propício para conectar os cidadãos das cidades com dados públicos de interesse. A informação é um bem valioso, ainda mais se compartilhado, os dados abertos governamentais buscam promover a democracia, cidadania e o bem-estar público através de uma melhor utilização dos dados públicos.

Os 8 princípios

Ao trabalhar para os oito princípios do Open Source, os governos podem se tornar mais eficazes, transparentes e relevantes:

1. Dados públicos estão disponíveis, não restritos a limitações de privacidade, segurança ou privilégios;
2. Os dados estão disponíveis no seu formato original, sem agregação ou tratamento, tanto quanto possível;
3. Os dados são disponibilizados tão logo quanto coletados, valorizando sua atualidade e celeridade;
4. Os dados estão disponíveis, sem restrições, processamento e geração de valor agregado;
5. O formato dos dados devem seguir padrões estruturados, permitindo a automação de seu acesso;
6. Os dados estão disponíveis a qualquer interessado, sem haver necessidade de inscrição e autorização;
7. O acesso aos dados de forma franca e aberta, não sendo de controle ou tomada de decisão por nenhuma entidade;
8. Os dados não estão regidos por direitos autorais, patente, marca registrada ou segredo comercial.

Open Data Porto Alegre e RS

.O Thiago Ribeiro é o coordenador do projeto de Open Data POA Digital e no dia 13/08 fez uma palestra sobre o projeto e apresentou as dados já disponíveis e os apps já desenvolvidos. Porto Alegre está novamente na vanguarda, bem como o RS e encara Open Data como ênfase e fomento ao empreendedorismo digital.

  • O portal de Open Data do governo do RS é http://dados.rs.gov.br
  • O portal de Open Data do governo de Porto Alegre é http://datapoa.com.br
  • A dica da noite foi para os entrantes nessa vibe, tem código no github consumindo alguns dos conteúdos em https://github.com/cidadeportoalegre

datapoaSe você quer conhecer o Thiago, da uma olhada no vídeo do OpenDataDayPOA no início deste ano de 2014 que ocorreu no espaço do Nós Coworking no Shopping Total: